Arquivo da tag: Suvs compactos

Volkswagen T-Cross registrou o melhor mês em vendas desde que foi lançado, ocupando um inédito lugar no pódio no ranking de vendas de SUVs compactos

O Volkswagen T-Cross parece enfim estar se estabelecendo no mercado brasileiro. Após uma estreia um tanto morna nas concessionárias, o SUV compacto parece estar embalando rumo ao patamar de vendas esperado pela marca.

Em agosto de 2019, o modelo foi responsável por 4.224 emplacamentos, recorde desde que foi lançado. É mais do que os 4.054 e 3.887 exemplares alcançados por Honda HR-V e Nissan Kicks, respectivamente, no mesmo período.

Os dados são da Fenabrave (associação nacional dos concessionários). Apesar dos números positivos, o T-Cross não passou da 20ª posição no ranking geral de emplacamentos da entidade.

Além disso, ele ficou distante dos 5.188 Jeep Renegade (14º no geral) e, mais ainda, dos 6.643 Hyundai Creta (nono) vendidos ao longo dos 31 dias do mês recém-encerrado. Este último, por sinal, foi o SUV mais comercializado no intervalo.

Nenhuma surpresa na ponta da lista. Mesmo perto de mudar, o Chevrolet Onix vendeu 22.396 unidades em agosto, ocupando o topo da tabela de maneira disparada.

São mais de 13 mil carros de vantagem sobre o  Ford Ka, vice-líder. O Hyundai HB20 desta vez terminou em terceiro, logo à frente de dois carros de entrada, VW Gol e Renault Kwid.

O Chevrolet Prisma segue firme como sedã mais emplacado, ocupando o sexto posto no geral, enquanto a Fiat Strada (oitava colocada) continua a ser a picape mais vendida.

Confira a lista dos 25 automóveis e comerciais leves com maior número de vendas em agosto:

Posição Modelo Unidades vendidas
Chevrolet Onix 22.396
Ford Ka 9.140
Hyundai HB20 8.187
VW Gol 7.848
Renault Kwid 7.455
Chevrolet Prisma 7.251
VW Polo 6.815
Fiat Strada 6.725
Hyundai Creta 6.643
10º Fiat Argo 6.560
11º Fiat Mobi 5.418
12º Fiat Toro 5.382
13º Renault Sandero 5.347
14º Jeep Renegade 5.188
15º Jeep Compass 4.843
16º Toyota Corolla 4.621
17º Ford Ka Sedan 4.593
18º VW Virtus 4.334
19º VW Saveiro 4.235
20º VW T-Cross 4.224
21º Honda HR-V 4.054
22º Nissan Kicks 3.887
23º Hyundai HB20S 3.536
24º Toyota Hilux 3.300
25º Chevrolet S10 3.053

Linha 2019 traz novas opções de rodas, faróis de LED e multimídia com tela de 8,4”, mas preço só baixou na versão Sport

A manutenção do clássico estilo inspirado no novo Wrangler, e a falta de novidades mecânicas, dão o tom ao lançamento da linha 2019 do Renegade, apresentada hoje.

O retoque no estilo é quase imperceptível a quem se acostumou com o SUV na paisagem.

Na dianteira, ele recebeu um novo para-choques, com brasão bem delineado na parte inferior. Na grade, as sete fendas estão mais largas e próximas entre si, e os faróis foram milimetricamente puxados para cima. É isso que você terá como argumentos para identificar a linha 2019 à primeira vista.

Na traseira a marca aplicou uma maçaneta logo abaixo da placa, mas não decorou as lanternas com a nova assinatura de iluminação, vista no modelo europeu.

Sob o capô, nada de novo no front. Os motores Firefly turbo, 1.0 três-cilindros com 120 cv e 1.3 quatro-cilindros com potência entre 150 cv e 180 cv, que já figuram nos Renegade feitos em Melfi, na Itália, ainda não migraram para o Jeep pernambucano. Eles só chegarão em 2020, e o é provável que o Renegade receba o 1.0 turbo.

Por enquanto o Renegade permanece com o 1.8 16V flex, que gera 139 cv de potência e 19,3 mkgf de torque com etanol, e 135 cv e 18,8 mkgf com gasolina, atrelado a um câmbio de 5 marchas manual ou 6 marchas automático. E também o 2.0 turbodiesel, que dispõe de 170 cv e 35,7 mkgf, sempre unido à transmissão ZF de 9 marchas.

 

Na parte, digamos, dinâmica a Jeep reconheceu a gritante falha no ângulo de ataque frontal das versões flex e retirou o desnecessário spoiler dianteiro – que invariavelmente raspava em lombadas, valetas e acessos de garagem mais angulosos, algo indigno para um Jeep. Com isso a medida subiu de 20° para 27° em todas as versões.

A Trailhawk, a topo de linha e mais extrema, manteve-se os 30° de ângulo de ataque. Outra correção de percurso para a linha 2019 está no porta-malas. Com a adoção de estepe de uso temporário como padrão (antes era opcional), o bagageiro ganhou 47 litros, passando de 273 para 320 litros.

O que muda nas versões?

Agora todos os Renegade, inclusive o modelo destinado ao público PCD, vêm com rodas de liga leve.

A versão Sport, com câmbio manual, trocou o rádio AM/FM e porta USB por um multimídia com tela de 5” sensível ao toque. A câmera de ré também está no pacote. Com câmbio automático, além do multimídia, ele traz novas rodas de aro 17”. A linha 2018 que custava R$ 91.990, já era vendida por R$ 85.490 desde setembro. Agora ela vai para a sua garagem por R$ 83.990. A variante com câmbio manual sai por R$ 78.490.

Mas a maior mudança para quem dirige aparece a partir da versão Longitude. Ela vem de série com rodas de 18” e o novo multimídia com tela de 8,4”, herdado das versões mais caras do Jeep Compass. É compatível com Apple CarPlay e Android Auto, e permite que você comande a climatização pela própria tela ou por comandos de voz.

Segundo a FCA, o ar-condicionado foi otimizado e agora consegue resfriar a cabine na temperatura selecionada em um tempo 20% menor, algo que não foi possível comprovar sem um termômetro adequado.

No entanto, não traz mais a opção de GPS integrado. “Para isso as pessoas usam os aplicativos de celular que podem ser espelhados na tela. Foi uma questão de racionalidade e de não cobrar mais por algo que o cliente não precisa”, explica Alexandre Aquino, gerente de brand da Jeep.

Quem optar pela Longitude flex, vendida só com câmbio automático, vai ter de desembolsar R$ 96.990, mesmo valor da linha 2018.

Na Limited, disponível apenas com motor flex, o preço subiu dos R$ 101.990 para R$ 103.490. A versão incorpora os equipamentos da Longitude e vem de série com rodas de 19” e os novos faróis de Full LED de série.

O equipamento muda sensivelmente o efeito visual da dianteira e, segundo a FCA, consegue uma iluminação 50% mais efetiva à noite em comparação com os faróis halógenos. Contudo essa comparação só vale para a versão Longitude, que pode trazer o equipamento como opcional (R$ 2.300), uma vez que a linha Limited 2018 já vinha com iluminação por xenon no modelo base.

Outro destaque fica pelos sete airbags (dois frontais, dois laterais, dois de cortina e um para os joelhos do motorista) agora de série. Antes, as bolsas infláveis vinham no chamado Pack Safety, opcional, ao preço de R$ 3.490. O valor do pacote permanece o mesmo como opcional na Longitude.

Quem quiser um Renegade diesel, continuará podendo optar apenas pelas versões Longitude e Trailhawk. Na versão intermediária que recebeu as mesmas benesses da flex, o preço subiu de R$ 118.490 para R$ 125.490.

Já Trailhawk, que ganhou novas rodas de 17” e incorpora os faróis de Full LED de série, passou de R$ 129.990 para R$136.990. E foi nesta versão que revisitamos os dotes do SUV compacto da Jeep.

Vida a bordo

Para quem já conhece o Renegade Trailhawk, o exercício de reconhecimento não existe. Por dentro ele é praticamente o mesmo carro que estourou a champanhe no réveillon de 2016. O bom torque de 35,7 mkgf a apenas 1.750 rpm continua lá, tal qual a dificuldade de ganhar velocidade quando se passa dos 110 km/h.

Sensorialmente a ausência de modificações continua. Seus bancos de couro bordados com o nome da série, o cluster de TFT colorido com 7” não recebeu nenhuma fonte nova nem funções extras.

Mas quando você encarar algum trecho em que a tração 4×4 se faz necessária ou em modo reduzido, ou em alguma função entre neve, areia, lama ou pedra (exclusivo da Trailhawk) verá que a seleção dos comandos agora se dispõe de maneira horizontal, e não mais vertical. Isso abriu espaço para um pequeno porta-objetos à frente da manopla de câmbio. E o pequeno, neste caso, é literal.

Como manteve as rodas de 17” com pneus de uso misto, na medida 215/60, o Trailhawk continua com um rodar mais suave que seus irmãos de motor flex, que passaram a usar rodas com aros maiores.

É perceptível que a cabine aderna um pouco mais em curvas de alta, tanto pela maior altura do solo (2 cm extras frente ao Longitude diesel) quanto pelos pneus de compostos mais macios. Isso também é sentido na direção que, mesmo mantendo o diâmetro de giro em 10,8 m para todas as versões, se mostra levemente sonolenta aqui.

Outra particularidade do Trailhawk é que seu porta-malas se manteve com 273 litros de capacidade. Como é uma versão específica, destinada a um público que provavelmente seja adepto do off-road, este Renegade não vem com o estepe de uso temporário, e sim com o mesmo conjunto de rodas e pneus externos.

Uma coerência que não pôde ser vista na manutenção do GPS como opcional. Quem já desbravou alguma trilha Brasil afora sabe que em alguns lugares é mais fácil encontrar ouro do que sinal para o celular ou internet.

Personalização de série

Outra novidade, agora no ramo da “perfumaria” fica reservada pata novas cores e personalização de fábrica das versões.

A Limited, por exemplo, quando vem na cor cinza Antique (R$ 1.530) traz as rodas e os contornos da grade dianteira na cor cinza grafite.

Nas outras cores estes detalhes são na cor prata acetinada. Quem optar pela Longitude, flex ou diesel, também terá uma cor exclusiva no catálogo, chamada de Billet Silver (R$ 2.190), uma espécie de branco “sujo”. As demais versões poderão vir na cor Jazz Blue (R$ 2.300), como a do Trailhawk avaliado.

EcoSport ganhou facelift e mais eficiência, mas o impacto no mercado foi pequeno

A Ford mexe mais uma vez na gama do EcoSport. A marca excluiu outra versão com sete airbags e ainda fez reajuste nos preços da gama.

O facelift do SUV foi lançado em 2017 com sete airbags de série desde a versão de entrada. Na linha 2019, apresentada em fevereiro desse ano, essa oferta foi reduzida somente para as três versões mais caras – com pouca redução de preço nas que ficaram com os dois airbags obrigatórios por lei.

Agora, a Ford faz outra modificação: some com a versão Freestyle Plus 1.5 AT, até então a mais barata com sete bolsas de ar. Desta forma, o equipamento de segurança fica restrito às configurações Titanium e Storm.

Elas por sua vez, sobem na tabela. O Eco Titanium, que começou a ser vendido em 2017 por R$ 93.990, agora custa R$ 100.590.

A versão aventureira Storm com tração 4×4 segue o mesmo caminho: chegou por R$ 99.990, passou a R$ 104.190 e agora não sai por menos de R$ 105.290 – uma variação de R$ 5.300 desde a estreia na virada do ano.

O andar de baixo da linha também tem acréscimo no preço de quase R$ 1 mil. A SE 1.5 MT pula para R$ 79.250, enquanto a mesma versão com câmbio automático custa R$ 85.250.

A Ford só não altera o custo de duas versões: a Freestyle 1.5 com câmbio manual, que se mantém nos R$ 86.490 (na época de lançamento o preço era de R$ 81.490), e de sua versão automática, de R$ 92.490 – aumento de R$ 6 mil frente ao valor em fevereiro de 2017.

Veja os novos preços:

Ford EcoSport SE 1.5 MT – R$ 79.250
Ford EcoSport SE 1.5 AT – R$ 85.250
Ford EcoSport FreeStyle 1.5 MT – R$86.490
Ford EcoSport FreeStyle 1.5 AT – R$92.490
Ford EcoSport Titanium 2.0 AT – R$ 100.590
Ford EcoSport Storm 2.0 AT 4×4 – R$ 105.290

Inalterado, o powertrain é formado pelos motores Dragon, três cilindros 1.5 de 137 cv e 16,2 mkgf de torque, aliado a transmissão manual de cinco ou automática de seis marchas, e o quatro cilindros 2.0 de 176 cv e 22,5 mkgf sempre com caixa automática.

Lançado em fevereiro do ano passado, o novo EcoSport mudou para tentar encarar SUVs compactos que o destronaram do posto de mais vendido no Brasil.

O modelo passou por uma reestilização profunda, ganhou o motor 1.5 três cilindros, central multimídia Sync 3 e trocou o problemático câmbio automatizado PowerShift por um automático convencional com conversor de torque e seis marchas.

Desde então, frequentes alterações na linha aconteceram ao longo de pouco mais de um ano e meio, com mudanças de valores e perda de itens de série.

Carroceria alta, suspensão de curso longo e direção leve: juntas, essas três características fazem o Kicks dançar ao sabor do vento

Em outubro, após uma viagem de 2.500 km, o editor Péricles Malheiros se queixou do balanço exagerado da carroceria do Kicks ao atravessar áreas com ventos laterais. Agora, foi a vez do estagiário Guilherme Fontana.

“Estava rodando a 120 km/h e, num trecho mais aberto, uma rajada de vento balançou o carro. Achei que tivesse sido só uma impressão minha, mas logo aconteceu de novo. Diminuí o ritmo e encostei num posto para conferir a calibragem dos pneus. Estava tudo certo”.

Leve (pesa 1.142 kg contra, por exemplo, os 1.440 kg do Jeep Renegade), a carroceria do Kicks tem ainda uma posição de dirigir muito elevada, o que amplia a sensação de balanço. Adicione aí uma direção elétrica também muito leve e as características típicas de um SUV (suspensão de curso longo e carroceria alta) e pronto: eis um modelo que começa a acumular queixas de balanço excessivo na estrada.

O fenômeno não pede correções no volante e não chega a transmitir insegurança, apenas incômodo. Porém, é mais um dos aspectos que pesam contra o Kicks em longas viagens rodoviárias – outros são o tanque de combustível de apenas 41 litros, a ausência de piloto automático, a falta de apoio para o braço direito e o rendimento do motor 1.6 16V com o carro carregado.

Por outro lado, os bancos dianteiros continuam merecendo elogios pelo conforto, sem cansar o corpo após horas de viagem. O espaço interno e o porta-malas também são satisfatórios – há cintos de três pontos e encostos de cabeça para os cinco ocupantes, enquanto os 432 litros do porta-malas são maiores que os de Renegade e Ecosport, perdendo apenas (e por pouco) para os 437 litros do HR-V.

Nissan Kicks – 10.906 km

Consumo

  • No mês: 8,2 km/l com 20,5% de rodagem na cidade
  • Desde out/16: 8,3 km/l com 20,7% de rodagem na cidade
  • Combustível: etanol

Gastos no mês

  • Combustível: R$ 937
  • Revisão: R$ 411
  • Alinhamento: R$ 199

Ficha técnica

  • Versão: SL 1.6 16V
  • Motor: 4 cil., diant., transv., 1.598 cm3, 16V, flex, 114 cv a 5.600 rpm, 15,5 mkgf a 4.000 rpm
  • Câmbio: automático, CVT

Agora, configuração mais cara do Kicks passa dos R$ 95 mil quando completa

Nas lojas desde agosto passado, o Nissan Kicks sofreu seu primeiro reajuste nos preços. Agora, a versão topo de linha, SL, parte dos R$ 91.900, o que representa um aumento de R$ 1.910 frente aos R$ 89.990 cobrados até o final de 2016.

Há outra diferença: o valor da pintura metálica caiu de R$ 1.500 para R$ 1.350. Mas couro colorido nos bancos e painéis (o padrão é preto) continua somando R$ 500 no preço final.

O teto laranja ainda eleva o preço em R$ 2.500, mas só está disponível para a carroceria cinza grafite (sempre com couro preto) e não mais para o branco diamond. Completo, o Kicks SL sai por R$ 95.750.

Lançada durante o Salão do Automóvel, a versão SV Limited mantém o preço inicial de R$ 84.990 (R$ 86.250 com pintura metálica).

Em breve nacional

Um novo lote de unidades do Nissan Kicks fabricadas no México desembarcou no Rio de Janeiro em dezembro, mas a fabricante japonesa já se prepara para iniciar a produção do modelo em Resende (RJ) nos próximos meses. Como parte dos preparativos, a Nissan já preparou o setor de pintura da unidade para produzir unidades com teto laranja.

O modelo fará sua primeira aparição oficial em Los Angeles (EUA), onde deverá chegar apenas em 2018

foto-imagem-EcoSport

Principal ausência no Salão do Automóvel de São Paulo , deixando brilhar os rivais Hyundai Creta e Honda WR-V, o novo EcoSport foi revelado em Los Angeles (EUA), a cerca de 10.000 km de distância do Brasil, sua terra natal.

foto-imagem-EcoSport

A data de lançamento do modelo no Brasil ainda é um mistério, uma vez que, segundo a Ford, ele só começará a ser entregue aos clientes americanos no início de 2018, importado da Romênia.

A matriz americana nutre grandes expectativas: o segmento de SUVs que por lá são chamados de subcompactos – como o Renegade, Juke, HR-V e Trax (nosso Tracker) – cresceu muito dos últimos anos, passando de 70.000 unidades em 2011 para 276.000 em 2015.

Por isso, e pelo fato de o EcoSport ser inédito nos EUA, a prioridade na apresentação foi para a parte norte do continente. Mas ele não deve demorar a dar as caras por aqui.

Por fora, as mudanças do EcoSport foram poucas, mas significativas, mais alinhadas com os modelos americanos (como o Edge) do que com os europeus. A dianteira ficou mais alta com o reposicionamento da grade, agora com duas barras horizontais e o logo da marca ao centro.

foto-imagem-EcoSport

Os faróis remetem aos antigos, mas ganharam novas proporções e iluminação por projetores. Quem também contribui para a elevação da dianteira são os faróis de neblina, maiores e mais altos, além do para-choque com porções inferiores pintadas na cor do carro.

foto-imagem-EcoSport

A traseira segue sem mudanças, com exceção da barra cromada acima do recuo da placa de licença. Não estranhe a ausência do estepe pendurado na traseira: apesar de tradicional no Brasil, o item não agradou aos norte-americanos e europeus, onde o estepe convencional é item cada vez mais raro.

Um projeto brasileiro em suas duas primeiras gerações, o EcoSport começou a ser vendido na Europa em 2014, mas teve de mudar levemente já no ano seguinte, com melhorias no acabamento e a eliminação do estepe traseiro, substituido por um kit de reparos. Os americanos também abriram mão do estepe. A abertura da tampa, porém, continua sendo feita para o lado.

foto-imagem-EcoSport

A maior novidade talvez esteja no interior do jipinho, que não se parece com o de nenhum outro carro da marca. As saídas de ar agora estão em posição mais baixa, logo acima dos controles do ar-condicionado — que, assim como no atual, é digital e de apenas uma zona. O volante e o quadro de instrumentos também são novos, enquanto os comandos dos retrovisores elétricos agora estão próximos aos dos vidros, na porta do motorista.

foto-imagem-EcoSport

No topo do painel, a central multimídia com tela de oito polegadas sensível ao toque pode se conectar aos sistemas Apple CarPlay e Android Auto, além de oferecer GPS e Bluetooth e aposentar inúmeros botões físicos. Há duas saídas USB, duas tomadas de 12V e uma de 110V para os passageiros do banco de trás.

foto-imagem-EcoSport

O esquema de som, para a versão mais cara nos EUA, é um B&O Play da Harman com 10 alto-falantes (incluindo subwoofer no porta-malas) e 675 watts. A marca ainda destaca a presença de 30 porta-trecos, no melhor estilo americano.

foto-imagem-EcoSport

As duas opções de motorização para o mercado americano serão o 1.0 EcoBoost semelhante ao utilizado no New Fiesta e o conhecido 2.0 Duratec de quatro cilindros aspirado, neste caso sempre com tração integral. No Brasil, há a expectativa de que ele também receba o novo 1.5 Dragon de três cilindros, com cerca de 130 cavalos.

O material de divulgação da Ford diz que o câmbio para ambas as configurações é um automático de seis marchas. Pode ser que seja um automático convencional no lugar do Powershift automatizado de dupla embreagem, alvo de críticas por lá ao equipar o New Fiesta e Focus. Mas a Ford americana também costuma chamar o próprio Powershift de automático.

É esperado que a Ford não demore a lançar o EcoSport reestilizado por aqui. Precursor e antigo líder do segmento, o modelo hoje amarga a terceira colocação (com direito a inversões constantes com o quarto colocado, Renault Duster) desde a chegada dos rivais Honda HR-V e Jeep Renegade. Nos próximos meses, chegam os já citados Hyundai Creta e Honda WR-V, além das versões mais acessíveis do Kicks.