Arquivo da tag: Range Rover Evoque

Fila de espera para o Range Rover Evoque – Centenas de clientes fazem fila para comprar carro de R$ 200 mil reais


O novo Range Rover Evoque, lançado no final do ano passado, tem sido responsável por uma situação pouco comum: clientes endinheirados que precisam enfrentar longas e demoradas filas para comprar o que desejam. Cerca de trezentos clientes estão em listas de espera para adquirir o carro, que custa R$ 174 mil no modelo mais básico e R$ 200 mil na opção mais vendida.

Na rede Caltabiano, uma das três revendedoras autorizadas da Land Rover no País, existem 270 pessoas na espera para comprar o modelo. Quem entrar na fila agora, deve demorar até 120 dias para retirar o veículo. “É um modelo de enorme sucesso, com um design revolucionário, que deve responder por 40% a 50% das vendas da montadora no Brasil em 2012”, diz Denis Cicuto, diretor comercial da Caltabiano.

Apesar da colocação de itens opcionais atrasar a entregas de alguns carros premium, Cicuto deixa claro que o caso do Evoque é provocado por excesso de demanda. A Caltabiano tem 20 lojas e 85% das vendas do grupo estão ancoradas no setor de luxo.

“Isso é um sinal da mudança econômica pela qual está passando o País”, afirma Silvio Laban, professor de marketing e coordenador dos programas de MBA Executivo do Insper. “Não acredito que seja algo negativo para as empresas envolvidas, porque significa que existe uma porção de pessoas com disposição de esperar e pagar por um valor que elas reconhecem no produto”, diz.

Na definição dos especialistas do iG, o Evoque é mesmo um carro inovador e com desenho transgressor. “Meio SUV, meio crossover, o termo para o ‘jipe urbano’, o novo veículo da Land Rover é tão diferente a ponto de não ter concorrentes diretos”. De qualquer forma, confira abaixo alguns modelos que poderiam substituir o Evoque, para clientes que não queriam esperar na fila:

Audi Q3: o crossover de menor porte da Audi acaba de ser lançado e custa R$ 150 mil

O BMW X1 é um crossover médio que sai por até R$ 175 mil

O Hyundai ix35 foi lançado em 2010 e é o sucessor natural do Tucson; sai por até R$ 113 mil

O Toyota Hilux SW4 é um automático 4×4 que não sai por menos de R$ 160 mil

Por R$ 114 mil, dá para comprar também um Kia Sportage 2012, outro crossover médio

Ainda que indique a alta procura por um carro, o segmento de revenda de veículos normalmente evita falar em filas. Quando uma rede admite o fato, pode passar a impressão de que não tem mercadoria suficiente para abastecer a clientela. “A fila não é necessariamente boa, pode fazer a pessoa desistir da compra”, diz Guilherme Passsalacqua, diretor de operações da Eurobike em Ribeirão Preto (SP).

“As filas vêm existindo nos últimos dois anos, quando houve aumento de demanda por carros mais caros, mas passamos a solicitar maiores remessas de produtos para as montadoras”, explica o diretor, cuja unidade vendeu 1.300 veículos de luxo novos – “tudo de R$ 100 mil para cima”, diz ele – no interior paulista em 2011, alta de 30% em relação ao ano anterior.

“Agora as montadoras começaram a abastecer melhor o mercado brasileiro”, acredita Cicuto. “Aconteceu uma mudança de postura. Nos últimos meses, por exemplo, os quatro vice-presidentes da Mercedes vieram ao Brasil. Antes, as montadoras mais importantes só mandavam o terceiro escalão para cá”, afirma.

Para Laban, do Insper, o risco que um consumidor poderia ter ao entrar numa fila é apenas cambial. “Se houver uma variação significativa do dólar no período de espera, o preço final do bem pode se alterar”, explica.

As outras duas redes de concessionárias autorizadas da Land Rover, a Itavema e a Autostar, não comentaram o assunto, embora funcionários admitam que existe alguma fila pelo modelo. A Land Rover do Brasil também foi procurada diversas vezes e não atendeu à reportagem.

Filas imaginárias

Outros modelos consagrados que serão relançados em novas versões também provocam filas de compradores. Mas são “filas imaginárias”: como ainda não chegaram ao mercado, ninguém sabe se a lista de espera vai mesmo se converter em compras.

O novo Porsche 911 ainda não chegou ao Brasil e pelo menos 20 pessoas formam fila para comprá-lo, na Eurobike de Ribeirão Preto. O preço não está definido, mas o antecessor saía por R$ 495 mil. “Quem entrar na lista agora, vai aguardar até 90 dias para pegar o carro, após a chegada dele”, diz Passsalacqua.

A sequência do Porsche Boxter, cujo modelo anterior custava R$ 330 mil, também tem 30 interessados na espera. É um modelo de R$ 330 mil. Outro exemplo é a picape Dodge Ram, que a Chrysler deve relançar no Brasil, por preço em torno de R$ 150 mil. Na Caltabiano, 70 pessoas já estão cadastradas na espera.

Fotos do Range Rover Evoque – Test-drive do carro SUV da Land Rover

Linha ascendente da cintura dá visual robusto e agressivo ao Range Rover Evoque

Menor modelo da marca chega ao Brasil em novembro custando menos de R$ 180 mil

Dê uma boa olhada no desenho do novo Range Rover Evoque. Poucos veículos conseguiram herdar de maneira tão fiel e harmoniosa as linhas de um carro-conceito (o LRX, apresentado em 2007) quanto ele, o que por si só já é um fato notável.

Também pudera: o menor e mais urbano dos veículos da marca inglesa foi concebido para se tornar o sonho de consumo de quem mora nas cidades, ambiente em que beleza e status são fundamentais, especialmente no mercado de carros de luxo.

Carro urbano, que parece um SUV, mas também se comporta como hatch: esse é o Range Rover Evoque

Engana-se, no entanto, quem pensa que a Range Rover – marca mais cara do grupo Land Rover – abandonou seu DNA off-road. Como o R7 pôde comprovar durante dois dias de testes entre a região de Anglesey, no País de Gales, e a cidade de Liverpool, na Inglaterra, o Evoque tem os recursos necessários para encarar uma boa trilha e encantar até lama e pedras com seu desenho moderno.

Para os endinheirados compradores de Range Rovers, a notícia também é boa. Embora o preço final para o Brasil ainda não tenha sido definido, o diretor-presidente da Jaguar Land Rover para América Latina e Caribe, Flávio Padovan, confirmou que o Evoque custará “menos de R$ 180 mil” por aqui. Claro que é uma bolada, mas também é o mais barato dos luxuosos carros da marca. Ele chega ao país em novembro.

Só gasolina, muitos equipamentos

Embora conte com diversas versões a diesel no exterior, o Range Rover Evoque que virá ao Brasil será equipado apenas com um moderno motor 2.0 turbo a gasolina, que gera bons 240 cv de potência e 34,6 kgfm de torque. Tração 4×4 e câmbio automático com trocas de marchas no volante são de série. O consumidor poderá escolher entre a carroceria de duas ou de quatro portas.


Modelo se manteve fiel ao carro-conceito LRX, apresentado pela primeira vez em 2007 

Montado sobre a plataforma do Land Rover Freelander 2, o Range Rover Evoque traz uma extensa lista de equipamentos, que inclui sete airbags, freios ABS com controle de distribuição, ar-condicionado digital com duas áreas de temperatura, cinco câmeras para monitoramento externo, faróis adaptativos, bancos dianteiros com ajustes elétricos e sistema de entrada e partida sem chave.

Como é tradição nos veículos da Range Rover, os sistemas eletrônicos que ajudam na segurança e na condução em terrenos complicados também estão presentes. O principal deles é o Terrain Response, que adapta as respostas do motor, da caixa de embreagem, da acoplagem central e dos sistemas de frenagem/estabilidade para atender às demandas do terreno. As configurações são: Direção Geral (estrada e off-road simples), Grama/Cascalho/Neve (condições escorregadias, dentro e fora da estrada), Lama/Atolamento e Areia.

Os sistemas eletrônicos também são responsáveis por monitorar estabilidade, rolamento, tração, arranque em subida (para que o carro não ande para trás) e velocidade de descida em condições off-road, como em alguns dos morros íngremes que enfrentamos no País de Gales.

Vida real

Não há dúvida de que o primeiro aspecto que chama a atenção no Evoque é o seu visual. A linha de cintura, que se eleva e ameaça encontrar o final do teto descendente, dá aspecto robusto e agressivo. Os faróis finos invadem a lateral e são adornados por belas luzes diurnas de LED, como manda a tendência mundial. A aparência geral é de um SUV, embora a posição de dirigir se assemelhe à de um hatch.


Interior é luxuoso e bem-acabado, mas espaço para as pernas do motorista deixa a desejar 

Por dentro, o deleite visual é menor, embora não falte luxo. O painel tem iluminação predominantemente branca, com uma tela de LCD no meio, que exibe as informações do completíssimo computador de bordo. O console central, com acabamento em alumínio escovado, abriga os controles do ar-condicionado e o seletor do câmbio, que se ergue quando o carro é ligado. Acima fica o sistema touchscreen que exibe os mapas de navegação, os controles e áudio e as imagens das cinco câmeras, entre outros.

A impressão geral é de acabamento primoroso, que tem muito couro e plástico emborrachado andando juntos. Com 4,36 m de comprimento, 1,63 m de altura, 1,96 m de largura e 2,66 m de entre-eixos, o Evoque não é grande, mas transporta bem quatro pessoas. Passageiros mais altos podem ter dificuldade no banco de trás por causa do teto descendente, que também limita a visão pelo vidro traseiro. Além disso, o motorista vai notar que o espaço para as pernas é apenas mediano, especialmente no que diz respeito ao apoio para o pé esquerdo.

Nas ruas, na lama, na água

Quando encarou as ruas de Liverpool, o Evoque mostrou que seu lado compacto também traz vantagens. A natural cautela gerada pela estranheza de se guiar na mão invertida (mão inglesa) pôde ser deixada um pouco de lado, já que o risco de dar com o retrovisor em outro veículo parecia menor. O belo teto panorâmico permitiu apreciar quase na totalidade a bela arquitetura da terra natal dos Beatles.

Outro aspecto que chamou a atenção foi o bom trabalho da suspensão, ao menos nas ruas perfeitas da Inglaterra. O Evoque é confortável sem ser molenga, e mais uma vez mostrou que pode se comportar como um SUV e também como um hatch.

Na rodovia, tivemos a chance de abusar mais do motor 2.0 a gasolina, que respondeu à altura. O bom trabalho com a transmissão automática de seis velocidades leva o carro de zero a 100 km/h em 7,6 segundos. Em relação ao modelo a diesel, o Range Rover Evoque que virá ao Brasil é mais rápido e mais silencioso. Só não é mais econômico, como já era esperado.

Quando encarou lama e pedras, subidas e decidas, o Evoque lembrou bastante o seu “primo pobre”, o Land Rover Freelander 2. Com a providencial ajuda dos sistemas eletrônicos, que adaptam o carro ao terreno, não atolamos uma única vez, ainda que não tenham faltado oportunidades para isso.

Também foi notável a capacidade do carro de enfrentar terrenos alagados. Com água quase na altura do capô, bastou manter a pressão contínua e suave no acelerador para que o Evoque cruzasse o obstáculo sem sustos, com muita classe.

Divisor de águas

Para o grupo Jaguar Land Rover, o Range Rover Evoque é um divisor de águas (sem trocadilhos com a situação retratada no parágrafo anterior). Embora as expectativas de vendas ainda sejam mantidas em segredo, foi possível ver, pelo lotado pátio da fábrica na região de Liverpool, que a produção já está a todo vapor.

Em conversa com o R7, executivos da marca inglesa confirmaram que o Evoque é o projeto mais importante, e também um dos mais caros, dos últimos dez anos. Por isso, ele tem a obrigação de dar certo. Nos próximos meses, a beleza e as capacidades do carro serão colocadas diante de sua verdadeira prova de fogo: o lançamento simultâneo em 160 países.

Fonte: R7

Land Rover apresenta Evoque, que chega ao Brasil no ano que vem

SUV é o modelo mais leve e econômico da marca.
Utilitário é o primeiro a oferecer tração na dianteira.

O mais leve e econômico carro produzido pela Land Rover, o modelo Range Rover Evoque, é resultado do desenvolvimento do protótipo LRX e o único da linha que conta com a opção de tração dianteira e tem apenas duas portas, o que reduz o preço do modelo e abre caminho para a Land Rover trabalhar em outro nicho de mercado. Há também a opção de tração integral.

Para a Land Rover, este é um lançamento de renovação da marca. O Evoque foi desenvolvido para ser o carro mais “ecológico” da marca, com emissões de 145g/km de CO2 e consumo de combustível de 21,26 km/l de diesel em uso misto.

O modelo foi apresentado nesta quinta-feira (30) em Paris, durante o Salão do Automóvel da cidade e despertou a curiosidade dos jornalistas especializados, especialmente por se tratar de um carro “global”. Ele será produzido na fábrica de Halewood, na cidade de Merseyside, no interior da Inglaterra, e exportado para 160 países. O carro chegará ao mercado brasileiro em 2011, mas o preço ainda não foi divulgado.

Para a cidade e para a terra
Sob o capô estão disponíveis duas opções de propulsores a diesel (não oferecidos no Brasil por questões de homologação) 2.2 litros de 150 cv até 190cv e o novo propulsor 2.0 litros Si4 gasolina de 240 cv de potência com injeção direta de combustível.

Como todos os modelos da marca, o Evoque também terá o sistema que adapta todas as configurações de tração, motor, suspensão e torque de acordo com o tipo de terreno em que se trafega por meio de um botão.

No visual, o destaque é o teto panorâmico. Outros itens de série são sistema de ajuda em manobras, tela retrátil de 8 polegadas, revestimento interior de couro em dois tons, opções de rodas de liga leve nos aros 19” e 20” e sistema de som com 17 auto-falantes e 825W de potência.

O visual do Evoque é bem moderno, mas pode não agradar os “trilheiros” mais tradicionais, que compram um Land Rover para mergulhar na lama. A impressão é de que o carro é muito “sofisticado” para isso.

Fonte: G1