Arquivo da tag: modelo

Qual veiculo? Com apenas a placa, descubra qual o modelo, cor, ano, nacional ou importado, cidade e estado do carro

www.qualveiculo.net

Com apenas a placa descubra qual o modelo, cor, ano, nacional ou importado, cidade e estado do carro.

Hoje cada vez mais os desenvolvedores de aplicativos e criadores de sites de conteúdos visam otimizar e facilitar a procura por informações e nada melhor do que criar meios para cada vez mais tornar fácil o acesso, diante disso foi lançado o site www.qualveiculo.net que facilita a busca por informações relevantes(modelo, cor, ano, nacional ou importado, cidade e estado) dos veículos automotores.

qual-veiculo

Elantra GATT 2015 – Carro da Hyundai terá nova versão, cores diferenciadas( cinza metálico e vermelho pérola) e preço promocional de R$ 79.990

elantra-vermelho-foto-imagem-modelo-GATT-foto

A Hyundai CAOA decidiu encerrar a importação de duas versões do Elantra (L876 e L877), mas vai trazer uma nova opção, que tem como destaque melhor conteúdo, novas cores e preço promocional. Ela é chamada de GATT e chega como modelo 2014/2015. O objetivo é bater de frente com os nipo-brasileiros Corolla XEi e Civic EXR.

O primeiro lote chega importado da Coréia do Sul com 1.200 unidades, sendo que o destaque são as cores Cinza Metálico (130 exemplares) e Vermelho Pérola (40), que chegam para medir a receptividade do consumidor, mas não serão mais comercializadas depois disso.

elantra-vermelho-foto-imagem-modelo-GATT

Em termos de equipamento, o Hyundai Elantra 2015 com pacote GATT vem com ar condicionado dual zone, controles de tração e estabilidade, seis airbags, sensor de estacionamento, cluster Super Vision, direção elétrica Flex Steer, multimídia Android, TV digital, rebatimento elétrico dos retrovisores, rodas de liga leve aro 16 com pneus 205/60 R16, entre outros.

No entanto, em relação à versão que vai embora (L876), o Hyundai Elantra adiciona alguns itens mencionados acima, mas perde teto solar elétrico, câmera de ré, entrada/partida sem chave, pedais de alumínio, banco do motorista com ajuste elétrico e a multimídia Motrex.

O Hyundai Elantra 2015 mantém o propulsor 2.0 16V Flex de 169/178 cv e 20,0/21,5 kgfm, respectivamente com gasolina e etanol, bem como transmissão automática de seis marchas. O sedã da marca sul-coreana tem preço promocional para venda direta (física e jurídica) de R$ 79.990, mas seu preço sugerido será de R$ 85.095,74.

Modelo conceitual é o mais próximo de produção que chegou o esportivo

foto-imagem-alpine

Le Mans – Após anunciar o seu retorno, a Alpine está cada vez mais próxima de apresentar a versão de produção do seu esportivo. A prova disso é a apresentação do conceito realístico Celebration pouco antes da largada das 24 Horas de Le Mans. O modelo foi criado especialmente para o evento, que começa às 10 da manhã desse sábado. O carro que também estará no Festival de Velocidade de Goodwood celebra os 60 anos do fabricante que pertence ao grupo Renault e que, desde o início, focou sua produção em esportivos prazerosos de dirigir. Jean Rédélé, criador da Alpine, dizia que escolheu o nome como algo que “epitomiza o prazer de dirigir em estradinhas montanhosas”.

Embora tenha ficado mais famosa pelo resultado nos ralis, a Alpine retorna ao prestigioso evento na categoria LPM2 com o Signatech-Alpine A450b. A escolha do lugar de debute faz ainda mais sentido se levarmos em consideração a popularidade do evento, que atrai mais de 250 mil fãs do automobilismo e uma audiência conjunto de mais de 800 milhões de telespectadores em 190 países.

Para os brasileiros, o Alpine 108 tem um gostinho especial, pois o modelo foi produzido nacionalmente pela Willys nos anos 60 como Interlagos, nas versões berlinetta, cupê e conversível.

O modelo é todo a respeito de tradição. O azul e laranja foi usado nos protótipos da marca que retornou aos eventos de endurance em 2013, uma decoração que vem desde a participação do Alpine 108 original entre os anos de 1963 e 1969. É um retrô com um toquinho de modernidade, nas palavras do fabricante. O perfil baixinho, a queda do teto característica, a coluna C delgada antecedida por um vidro espia e o óculo traseiro feito em policarbonato envolvente são detalhes advindos do Alpine 108 de 1958.

foto-imagem-alpine

Sem falar no capô dianteiro chanfrado e faróis, sendo que os auxiliares usam fitas em X para simular um truque das antigas, em que o adesivo era utilizado para manter as lentes no lugar mesmo que fossem quebradas ao longo da corrida. Claro que há espaço para modernidades visuais, exemplo do painel traseiro, com lanternas em leds, afora o uso de fibra de carbono no difusor traseiro, soleira, entradas de ar traseiras e espelhos.

A marca ainda não falou sobre a mecânica, mas sabemos que o modelo apresentado no circuito francês tem motor central-traseiro, quase que uma reedição do passado, já que o A108 e seus sucessores sempre investiram na posição em motores de popa como no Porsche 911. A estreia da versão de produção se dará em 2016.

foto-imagem-alpine

Modelo DS5 será apresentado no Salão de Genebra

16812982741287026795O Salão de Genebra, na Suíça, está se aproximando e assim as marcas vão divulgando quais modelos e com quais novidades estarão representadas no evento. Desta vez, quem mostrou alguma coisa foi a DS, marca premium do grupo PSA Peugeot Citroën, revelando oficialmente o seu hatch DS5 com novo visual.As mudanças não são profundas, mas por fora vemos a grade maior com o logo da DS centralizado, em conjunto completado com os dois faróis com luzes de xênon e LED e indicadoras de direção sequenciais, algo que é proveniente do DS3. Nas laterais novos detalhes cromados e, atrás, lanterna com visual redesenhado e ponteiras duplas do escapamento completam a lista de alterações.

Por dentro, um novo painel com tela sensível ao toque que eliminou cerca de 12 botões do carro e o sistema de entretenimento e informação pode reproduzir a tela do smartphone conectado a ele. Os bancos dianteiros possuem modo de massagem e função de memória para os ocupantes, os retrovisores são aquecidos, o áudio é da Denon e o ar-condicionado de duas zonas.

10079577511989867618Entre os sistemas de segurança o DS5 oferece monitoramento dos pontos cegos, alerta de mudança involuntária de faixa, faróis altos automáticos, controle de tração inteligente, head-up display, câmera de ré, assistente de partida de ladeiras e controle de estabilidade, entre outros.

Sob o capô as possibilidades começam com um bloco THP de 165 cavalos com transmissão automática de seis marchas, o BlueHDi de 120 cavalos com câmbio manual de seis velocidades ou, como opcional, a mesma caixa automática já citada para o THP, ou uma edição mais potente do mesmo motor com 180 cavalos e, a topo de linha, com conjunto híbrido com bloco 2.0 litros turbodiesel de 163 cavalos e um motor elétrico de 37 cavalos para garantir tração integral.

O novo DS5 será apresentado oficialmente no próximo dia três de março durante o primeiro dia para a imprensa no Salão de Genebra, na Suíça.

3684057311940082850

Cobra 427 especial terá 50 unidades produzidas

foto-imagem-cobra

Para comemorar o aniversário de 50 anos, a Shelby vai oferecer uma edição limitada do Cobra 427.

As 50 unidades da edição virão com plaqueta e logos de identificação em toda a carroceria e na parte interna. Os modelos serão oferecidos com acabamento em alumínio escovado ou fibra de vidro e na cor azul com listras brancas. O número de série separado para os modelos vai começar com as letras CSX.

O modelo de fibra de vidro vai custar US$ 120 mil enquanto o de alumínio escovado sai por US$ 180 mil.

Mercedes ganha versão classe C AMG

foto-imagem-mercedes

Poucos dias após revelar a nova geração do Classe C, a Mercedes divulga as primeiras imagens da versão mais apimentada de seu sedã. A linha AMG será apresentada no Salão de Detroit, em janeiro, ao lado das demais variações do modelo. O sedã médio alemão está entre os modelos que serão produzidos na futura fábrica da Mercedes em Iracemápolis, em São Paulo, a partir de 2016.

As informações sobre as diferenças do modelo AMG em relação ao comum ainda não foram divulgadas, mas é possível notar algumas delas pelas imagens. Os para-choques, por exemplo, seguem o padrão mais agressivo da linha, com seção inferior marcada por recortes que valorizam a aerodinâmica e a estabilidade. Na traseira, as ponteiras do escapamento são duplas.

foto-imagem-mercedes

  As laterais também contam com novas saias e novas molduras de janelas em alumínio. As rodas de 18″ de liga-leve trazem desenho exclusivo em seus cinco raios e o conjunto de luzes de led dianteiro também têm design diferente do Classe C regular.

Os detalhes mecânicos seguem em segredo. Mas é esperado que o kit AMG Line acompanhe novas pinças de freios e suspensão ajustável mais baixa esportiva.

foto-imagem-mercedes

Veja a evolução tecnológica da Audi

FOTO-IMAGEM-audi

Certos carros merecem ser respeitados pela importância conquistada ao longo do tempo. Mas no caso deste Audi S4 Avant 1993 prateado, a admiração vai muito além do pacote tecnológico avançado para a sua época, que o torna um modelo com recursos atrativos até nos dias atuais.

Este exemplar foi o primeiro Audi trazido ao Brasil por importação oficial e, aos 20 anos, pode ser considerado o “tio” da nova geração da perua RS6 Avant, esta belezura imponente e de cor vermelha que acaba de chegar às lojas do país por R$ 556 mil.

Mas não é só isso que faz desse S4 Avant um carro especial, tampouco o fato de ter rodado somente 4.778 quilômetros em duas décadas. Quer uma dica? Dê uma espiada nas letras das placas. BSS, abreviação para Beco Senna Silva. Há respostas no número também: 88, de 1988, ano do primeiro título de Ayrton Senna na Fórmula 1 — para quem não sabe, Beco era seu apelido.

foto-imagem-audi

Depois disso não é preciso dizer mais nada. A não ser que tivemos a honra de dirigir o S4 Avant do tricampeão no Kartódromo Granja Viana, em Cotia (SP). E para aumentar a emoção, promovemos um comparativo amistoso entre o clássico alemão e a nova perua RS6 Avant, com a meta de destacar a evolução tecnológica dos Audi no intervalo de 20 anos.

Novidade a parte, o RS6 foi menosprezado no primeiro momento em que tivemos os dois modelos lado a lado na pista. Afinal, estávamos ali com um dos carros de Senna e com o cenário ideal para quem é fã do ex-piloto: asfalto molhado e céu carregado ameaçando chuva a qualquer momento.

Chave no contato, banco de couro (com regulagens elétricas e sistema de aquecimento) ajustado na posição ideal, motor acionado! Uma leve pisada no pedal do acelerador é o suficiente para o ronco do propulsor 4.2 V8, aspirado e com injeção direta de gasolina invadir a cabine e arrepiar o motorista.

foto-imagem-audis

E como acelera essa perua! Seus 280 cv são bem gerenciados pelo câmbio manual de seis marchas, de engates curtos e precisos. A embreagem levemente pesada confirma a pegada esportiva da perua, que impressiona também com a alta dose de torque. São 40,8 kgmf na faixa das 4 mil rpm. Para se ter uma ideia de como esse número é significativo, o 4.2 V8 de 450 cv que equipa a terceira geração do RS4 Avant desenvolve 43,8 kgmf.

foto-imagem-audisTodo esse poderio, aliado ao fato de o Audi ter pertencido a Senna, garantiu muito frio na barriga. Já pensou se escapamos da pista com essa máquina? Ayrton certamente não iria curtir… Por sorte, já em 1993 o S4 Avant surpreendia com os seus recursos de segurança. Além de air bag e freios ABS, o Audi oferecia tração integral.

Quando guiava a perua, Senna provavelmente apertava o botão de bloqueio do diferencial traseiro, no console central, para tornar a condução mais interessante. Eu, porém, optei por não abusar muito dos limites do veículo alemão. Mesmo assim, foi possível ter ótimas impressões da perua S4. Ágil, veloz, estável, espaçosa e confortável foram adjetivos rapidamente evidenciados. “Tudo isso combinado com esportividade atraíram o Ayrton. Ele também gostava de carregar aeromodelos em viagens nos fins de semana e esse modelo permitia isso”, afirma o empresário e irmão do tricampeão, Leonardo Senna, responsável por preservar o Audi e o “louco” por nos emprestar a raridade.

foto-imagem-audi

20 anos depois…
Pausa no saudosismo, era hora de acelerar a nova RS6 Avant e constatar as evoluções obtidas em duas décadas. E foram enormes! Uma simples demonstração está no total de unidades eletrônicas de comando embarcadas. “Enquanto a S4 Avant dispõe de cinco (motor, ar-condicionado, freios ABS, painel e travamento das portas), a RS6 conta com 42, entre as quais controle de estabilidade, câmeras de monitoramento do limitador adaptativo de velocidade, etc.”, destaca o consultor técnico da Audi, Lothar Werninghaus.

Em termos visuais nem é preciso dizer muita coisa, né? A perua com faróis de LEDs tem linhas agressivas e intimidadoras que inspiram velocidade. Na cabine, o apelo esportivo é reforçado pelos bancos dianteiros tipo concha, os muitos detalhes de fibra de carbono (o painel do S4 Avant do Senna também traz alguns) e de alumínio fosco, além do volante de base reta.

Logo ao dar a partida, por meio de um botão no console, o motorista esquece fácil do berro abafado do estiloso Audi S4. Tudo por causa dos estouros emitidos pelas saídas do escapamento, como se a perua estivesse dando um simples aperitivo do potencial de seu conjunto mecânico.

foto-imagem-audi

Vinte anos depois do S4 Avant, a fabricante alemã preparou um propulsor 4.0 V8 biturbo de 560 cv (o dobro da potência do carro de Senna) e assombrosos 71,4 kgmf. É tanto torque que a Audi teve de trocar a caixa automatizada de dupla embreagem e sete marchas S Tronic por uma automática de oito velocidades, que efetua trocas suaves e rápidas.

No modo esportivo, o ronco do motor do RS6 fica mais grave e as mudanças de marcha são mais ríspidas, com direito a um barulho de arrepiar os fãs de velocidade. Para intensificar a adrenalina, há aletas atrás do volante para trocas sequenciais.

foto-imagem-audi

Se a reta do Kartódromo Granja Viana já demonstrou ser pequena para o S4 Avant, imagine então para a perua RS6. Não foi possível chegar nem perto dos 305 km/h de velocidade máxima anunciados pela fabricante, mas os 130 km/h alcançados em um trecho de 400 metros e com pista molhada demonstraram ser animadores.

A desenvoltura do Audi em curvas também espanta, graças ao ótimo acerto das suspensões independentes com preparação esportiva e ao equilíbrio da carroceria, que mal balança independente da velocidade.

De forma resumida, pode-se dizer que tanto no S4 quanto no RS6 o motorista não se sente a bordo de uma perua, de tão eficientes e prazerosas de guiar que são. E chega a assustar o salto tecnológico alcançado em 20 anos. Lá de cima, Senna com certeza não se incomodou de nos ver acelerando seu antigo Audi. O tricampeão só deve ter ficado triste por não ter tido a chance de experimentar a evolução. Se estivesse vivo, alguém duvida que ao menos uma das 20 unidades trazidas ao Brasil seria dele?

AUDI RS6 E S4 AVANT DE AYRTON SENNA

foto-imagem-audi

Kia Soul reestilizado – Crossover ganhou faróis de dupla parábola e câmbios de seis marchas

Renovado em abril passado, o Kia Soul ganhou motor flex no Brasil no começo do ano e despontou nas vendas

A Kia Motors do Brasil começou a oferecer nesta segunda-feira (7) a linha 2012 do crossover compacto Soul. Esteticamente, é difícil notar as mudanças, mas o utilitário passa a vir reestilizado da Coreia do Sul – os retoques foram revelados em abril passado, no Salão de Nova Iorque . Destacam-se os novos faróis, agora com dupla parábola, e os câmbios manual e automático, que passam a ter seis marchas – como no sedã Cerato.

Traseira exibe novas lanternas e o para-choques redesenhado; nas laterais, apenas as maçanetas mudaram

Na prática, a Kia mudou pouco o Soul. Além dos faróis, a grade frontal está mais moderninha (mas mantém o formato “boca de tigre”) e as lanternas ganharam seções de luz verticalizadas. Os para-choques também foram remodelados. No dianteiro, os faróis de neblina cresceram. E no traseiro, os refletores (popularmente chamados de “olhos de gato”) foram deslocados para as extremidades – deixando a traseira aparentemente mais larga.

Volante ganhou botões, mas a principal novidade no Soul são os câmbios automático e manual com seis marchas

Nas laterais, as maçanetas são novas, os espelhos ganharam repetidores da luz de direção e… é só. A mecânica também segue a mesma, com o motor 1.6 litro 16V flex – o bloco bebe gasolina e etanol desde o iniciozinho do ano. O propulsor de duplo comando variável gera potências de 126 cv (gasolina) e 130 cv (etanol) aos 6.300 giros, e torques de 16 kgfm aos 4.500 rpm e 16,5 kgfm às 5.000 rotações, na mesma ordem.

Faróis não terão fileira de leds no mercado brasileiro; seções de luz das lanternas agora acompanham formato

A Kia informa que os preços são os mesmos de antes e que, por enquanto, o renovado Soul 2012 não sofrerá reajuste por causa do aumento do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para veículos importados – a medida governamental está suspensa até a metade de dezembro pelo Superior Tribunal Federal (leia aqui). O novo Soul flex 2012 já está nas lojas brasileiras da marca sul-coreana.

Fonte: Auto Esporte

Carro da Jaguar superesportivo C-X75 – Modelo inglês terá apenas 250 unidades produzidas

Os milionários colecionadores de carros, em breve, terão mais uma opção de compra exclusivíssima. A Jaguar confirmou nesta sexta-feira (5) a produção limitada do superesportivo C-X75, exibido como carro conceito no último Salão do Automóvel de Paris.

Para se ter uma ideia, o modelo será desenvolvido em conjunto com a equipe Williams de F1 e custará de R$ 1,87 milhão (US$ 1,16 mi) a R$ 2,32 milhões (US$ 1,44 mi), dependendo dos impostos locais.

Com um motor a combustão frontal e outros dois elétricos (um em cada eixo), o C-X75 terá tração integral e estará à venda a partir de 2013 com apenas 250 unidades produzidas

Fotos do novo Honda Civic 2012 – Modelo terá cinco versões. No Brasil, novo modelo chega no início do segundo semestre

Modelo terá cinco versões. No Brasil, novo modelo chega no início do segundo semestre

A Honda divulgou as primeiras imagens oficiais do novo Civic para os Estados Unidos. E não apenas em uma, mas cinco versões. O modelo estará nas revendas da América do Norte ainda este semestre, nas opções sedã, esportiva Si, cupê, híbrida e de baixo consumo. A expectativa da marca japonesa é de ganhar mercado oferecendo variáveis para todos os tipos de gosto.

A principal diferença visual entre as versões fica na dianteira, com para-choques e grades dianteiras que se alteram dependendo do modelo. A cara mais tradicional fica por conta do sedã, que traz linhas mais conservadoras e poucos detalhes. Nesta versão, ele conta com motor 1.8 i-VTEC de 141 cv de potência. Trata-se da mesma motorização da versão cupê, que exibe um visual mais jovem e agressivo, com para-choque mais anguloso e traseira mais fluida, por conta da ausência de portas traseiras.

Já a aguardada versão Si não poupa nos detalhes esportivos. Ela mantém o visual geral da opção cupê, mas investe em um spoiler traseiro e adesivos exclusivos. Mas claro que nada disso faria diferença sem o motor 2.4 de 202 cv de potência e 23,5 kgfm de torque, acompado a um câmbio manual de seis velocidades.

O interior não trouxe muitas mudanças para os americanos. Ele manteve o tom tradicional da versão atual e investiu em detalhes mais conservadores, diminuindo o destaque dos paineis e dos botões de acionamento dos sistemas eletrônicos.

Há ainda a versão Hybrid, que conta com um motor 1.5 i-VTEC combinado a um propulsor elétrico, que tira sua energia de uma bateria de íon-lítio. Segundo a Honda, este modelo é capaz de rodar 19,1 km/l. Já a versão HF não traz auxílio de motor elétrico, mas também é marcado pelo baixo consumo de combustível, com média de 17,1 km/l.

No Brasil, a nova geração do sedã chega no início do segundo semestre, com início da produção em julho, na fábrica de Sumaré (SP). A Honda se esforça para nacionalizar a transmissão automática de cinco marchas, que continuará a ser usada na nova geração. O motor 1.8 16V i-VTEC de 140 cv também será mantido. Já a versão esportiva Si vai deixar de existir em nosso mercado, devido às baixas vendas. Portanto, quem quiser garantir um modelo atual, a hora é agora.