Arquivo da tag: Kombi

Descontos em carros – Modelos Gol, Golf e Ka têm descontos de até R$ 4 mil

Modelos como Fiat Mille, Ford Ka, Volkswagen Gol G4 (geração antiga), Golf (geração antiga) e Kombi tiveram a produção encerrada em dezembro passado, mas ainda podem ser encontrados nas concessionárias. O G1 consultou, entre o fim de janeiro e o início de fevereiro, 76 concessionárias que respondem pelo estoque de 125 distribuidores, em sete capitais (São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Curitiba, Fortaleza e Manaus) e encontrou descontos que podem chegar a R$ 4 mil. Veja abaixo.

grazie-mille-carro-foto
Fiat Mille
Preços iniciais sugeridos:
Economy 2 portas: R$ 22.540
Economy 4 portas: R$ 24.320

As últimas unidades do Mille saíram da fábrica da Fiat em Betim (MG) em dezembro. Como não atendia à obrigatoriedade de airbags e freios ABS, válida a partir deste ano, o Mille deixou o mercado após quase 30 anos.

Mesmo com o encerramento da produção, ainda há estoque em 22 das 28 concessionárias da marcas pesquisadas. Em todas elas, é possível encontrar a série especial de despedida Grazie Mille, mais cara. A maioria das lojas informou cobrar o preço de tabela, R$ 31.200. Mas havia descontos em concessionárias de São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Curitiba e Manaus, chegando a R$ 29.800. Uma loja paulista, no entanto, vendia a série por R$ 32 mil, com sobrepreço de R$ 800.

A versão básica, Economy 2 portas, que no site da marca aparece com preço de R$ 22.540, foi encontrada apenas em São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte. O menor valor pedido foi de R$ 20 mil, na capital paulista. A mesma versão, mas com 4 portas, só estava disponível em Manaus, Belo Horizonte e Curitiba. E, na maioria das vezes, com sobrepreço.

ford-ka-vermelho_arizona-carro-foto
Ford Ka
Preços sugeridos:
Básica: R$ 24.200
Intermediária: R$ 26.700
Completa: R$ 28.600

Com a proximidade do lançamento do Novo Ka, que deve chegar ainda no primeiro semestre deste ano, e a ausência de airbag e freios ABS, a atual geração do compacto deixou de ser produzida em dezembro passado. Nas 24 revendas da Ford pesquisadas, o Ka foi encontrado apenas em metade delas.

Cinco concessionárias tinham a versão mais simples, sendo que três delas ofereciam descontos de, no máximo, R$ 1.300. Por outro lado, uma distribuidora do Rio de Janeiro informou um sobrepreço de R$ 1.800.

Os maiores descontos estão nas unidades mais completas. Em São Paulo, o Ka com todos os opcionais pode ser encontrado por R$ 27.400, já com pintura metálica. O valor está R$ 1.900 abaixo da tabela.

gol-carro-foto
Volkswagen Gol G4
Preços sugeridos:
2 portas: R$ 26.050
4 portas: R$ 28.130

O Gol G4, além de não atender às novas normas de segurança, também dá adeus ao mercado porque foi substituto pelo Up!, que chega no final do mês.

De acordo com as lojas consultadas, há poucas unidades ainda à venda, sendo que os estoques já se esgotaram em concessionárias de Fortaleza e Belo Horizonte.

O hatch foi encontrado em apenas oito das 24 autorizadas Volkswagen pesquisadas, sempre com desconto. Na maioria dos casos, a única opção disponível para o cliente era a de duas portas. O menor desconto informado foi de R$ 2.550, e o maior, de R$ 3.060. Na tabela da Volks, o Gol G4 custa a partir de R$ 26.050, com duas portas, e R$ 28.130, com quatro portas.

golf-foto-carro

Volkswagen Golf
Preços sugeridos:
Sportline 1.6: R$ 58.900
Sportline 1.6 Limited Edition 1: R$ 61.715
Sportline 1.6 Limited Edition 2: R$ 62.661
Sportline 2.0 Tiptronic: R$ 64.370
Sportline 2.0 Tiptronic Limited Edition 2: R$ 68.131

O Golf vendido no Brasil antes da chegada da sétima geração estava em linha desde 2007, praticamente sem mudanças desde então. Agora, com um hatch mais moderno, a marca confirmou que encerrou a produção do antigo Golf em dezembro. Mas ele ainda consta no site da marca, em quatro versões.

Na prática, há descontos, quase sempre generosos. A versão mais fácil de ser encontrada é equipada com algum dos pacotes Limited Edition, que inclui teto solar, bancos esportivos de couro e, no caso da mais completa, rodas de liga leve aro 17.

O preço mais baixo verificado foi de uma concessionária em Curitiba, onde uma unidade com o pacote Limited Edition 1 era oferecida com R$ 3.661 de desconto, por R$ 59 mil, valor praticamente idêntico ao da versão Sportline básica.

O Golf equipado com câmbio automático só foi encontrado em duas concessionárias, sempre na versão Sportline. Em Curitiba, o desconto foi de R$ 3.170, enquanto, em São Paulo, o abatimento era de apenas R$ 131.

foto-kombi-last-edition
Volkswagen Kombi
Preços sugeridos:
Furgão: R$ 48.120
Standard: R$ 52.070
Last Edition: R$ 85.000

A Kombi deixou o mercado como o veículo que mais tempo ficou em produção no país. A veterana era fabricada desde 1953.

Para celebrar o fim da Kombi, a Volkswagen criou a série especial Last Edition, limitada a 1.200 unidades. Ela vem com pintura em dois tons, bancos em vinil, cortinas em tear azul, pneus com faixa branca e placas de identificação numeradas. O preço? Salgados R$ 85 mil.

Das 24 lojas pesquisadas, a Last Edition era vendida pelo preço de tabela em oito, com desconto em três e sobrepreço em outras três. O maior desconto foi de R$ 4 mil, e o maior acréscimo, de R$ 4.900, chegando a R$ 89.900.

Versões “comuns” da veterana também foram encontradas. Na Furgão, todas as revendas informaram que dão descontos, que chegaram a R$ 3.120. Uma loja de Brasília se aproveitou do fato de ser a única do Distrito Federal onde havia o modelo Standard, para passageiros, e o vendia com sobretaxa de R$ 3.430.

Volkswagem Kombi Last Edition – Donos consideram devolver a “versão limitada” se a empresa seguir em linha

foto-kombi-frente-lateral

Até a tarde desta quarta-feira (11) felizes e orgulhosos por terem uma Kombi Last Edition estacionada na garagem, alguns dos colecionadores que desembolsaram R$ 85 mil pela versão de despedida do modelo hoje estão angustiados: a série comemorativa limitada a 1.200 unidades pode não ser de fato a “última edição”, como sugere o nome. Isso porque o governo federal estuda a possibilidade de adiar a obrigatoriedade de 100% dos carros nacionais saírem de fábrica com freios ABS e airbag, equipamentos de segurança incompatíveis com o projeto de 65 anos da Kombi – e que haviam motivado a aposentadoria do veículo após 56 anos de produção nacional.

A Volkswagen, por sua vez, não deixa claro se a possível mudança de regras pode dar mais tempo de vida à Kombi: “A Volkswagen do Brasil atende plenamente a legislação vigente. A empresa seguirá toda e qualquer nova regra a ser aplicada para o setor automotivo”, afirma em comunicado oficial.

Por ora, a medida entrará em vigor no dia 1º de janeiro e encerrará a fabricação também dos populares Fiat Mille e Volkswagen Gol G4. O governo promete uma decisão até a próxima terça-feira (17), e caso opte por adiar o cumprimento da lei Fiat e Volkswagen terão a opção de mantê-los em linha ou aposentá-los – destino que a Volkswagen já havia sentenciado para a Kombi. A Fiat diz que aguardará um posicionamento oficial do governo.

“Estou em dúvida sobre o que vai acontecer”, diz Leonardo Pierucci, comerciante dono da Last Edition número 403. “Vou exigir algum tipo de indenização, já que toda a campanha de venda da Last Edition esteve embasada em ser a última edição da Kombi”, avalia Pierucci.

Já Daílton Prado, colecionador de Cuiabá (MT), garante que cancelará a compra: “Depois de uma luta gigantesca, consegui uma Kombi Last Edition, que já está faturada e vai chegar à minha cidade no dia 16. Mas fui à concessionária onde comprei o carro e avisei que o negócio não será concretizado se a Kombi permanecer em linha por mais dois anos”.

Solução similar tentará o engenheiro civil Otávio Costa, que não comprou apenas uma Last Edition, mas duas. “Fiz a reserva de duas unidades para não correr o risco de ficar sem nenhuma, e não por investimento. Ia repassar a algum amigo que não conseguisse comprar, por exemplo. Mas, se a decisão for mantê-la em produção, quero devolver (as unidades), alegando propaganda enganosa”, promete Costa, afirmando que se sentirá “traído” caso a Volkswagen reverta a aposentadoria do utilitário.

Há, no entanto, quem descarte a possibilidade de vender a Kombi, como o colecionador Alexandre Arruda Pires, dono também de um New Beetle Final Edition. “Para mim, não faz diferença, porque o carro me dá muita alegria. E uma edição especial sempre será valorizada. Mas acho sacanagem se continuarem”, afirma o advogado.

Empresário habilidoso, o presidente da Kia Motors do Brasil, José Luiz Gandini, também promete manter a sua na coleção: “Agora é que não é hora de vender mesmo, com a Last Edition valendo o mesmo que uma Standard”, brinca o dono do exemplar 004.

Amor incondicional

A possível manutenção de produção da Kombi pode causar certo desgosto aos colecionadores: “Hoje há um sentimento estranho de ter algo na garagem que pode ser a maior furada da história”, lamenta Pierucci. Mas a paixão pelo veículo seguirá intensa no colecionador, dono também de uma Kombi 1964: “Não posso dizer que meu sentimento pela Last Edition mudará”.

Embora afirme que, caso a Kombi continue em linha, tentará devolver uma das duas unidades da Last Edition que comprou, Costa já tenta trocar uma delas por outro modelo: uma Kombi alemã ano 1976, que se juntará às outras 11 que ele tem em sua coleção.

A última Kombi, o utilitário da Volkswagen, será montada no Brasil no dia 20

foto-kombi
A última Kombi, o mítico utilitário da Volkswagen, será montada no Brasil no próximo dia 20, quando será encerrada a fabricação de um dos símbolos da marca, que deixará de ser vendido após mudanças legislativas no país.

Entre 19 e 20 de dezembro será produzida em São Bernardo do Campo, região metropolitana de São Paulo, a caminhonete número 1.200 de uma edição especial da geração 2, vendida no Brasil desde 1957. Contudo, ela não será posta à venda e ficará na fábrica.

A marca não alegou problemas de vendas e disse que esta saída do mercado automobilístico se deve a modificações na legislação brasileira que, entre outras coisas, exige que todos os veículos contenham sistema de airbag, algo que transformaria a estrutura da Kombi.

Em uma visita realizada hoje pela imprensa à fábrica, a última do mundo a manter a montagem do modelo, os trabalhadores aproveitaram a oportunidade para dizer adeus ao lendário carro que há décadas os vinculou à empresa alemã. Agora, esses funcionários passarão a atuar na linha de produção de outros modelos.

“É um sentimento muito forte, temos muito carinho pelo veículo. É um vínculo de amor”, confessou à Agência Efe Ayrton de Souza, trabalhador da fábrica há 28 anos e que fez Kombis por mais de 20.

Conforme revelou Souza, todos os funcionários da fábrica “ficarão com saudade” de montar o veículo alemão. Para ele, a Kombi “transportou o Brasil”.

Antes de aposentar a caminhonete, a Volkswagen anunciou o lançamento de uma edição especial. Em um primeiro momento, estava limitada a 600 unidades, mas a companhia lançará finalmente a de número 1.200 devido à grande demanda.

Carro da Volkswagen se renova – A Volks lança novo conceito de Kombi – Veja fotos e imagens

A Volkswagen vai apresentar no Salão Internacional de Genebra (3 a 13 de março), além do novo Golf Cabriolet e o novo Tiguan, o Bulli, uma reinterpretação da lendária Kombi.

O carro é o resultado de um projeto que começou 10 anos atrás, que se propôs a renovar o conceito deste clássico, até hoje produzido no Brasil.

A nova Kombi é movida por um motor elétrico, equipada com seis assentos e com um sistema controlado por iPad. “Graças a tecnologias de propulsão altamente avançadas, a Kombi em exposição em Genebra é o que se chama de “veículo sem emissões”, movida apenas por eletricidade. Não há emissões nem cano de descarga. O motor elétrico do novo Bulli fornece 85 kW de potência e impressionantes 270 Nm de torque. Como ocorre com esse tipo de motor, sua força máxima é gerada desde a imobilidade. Silencioso, ele recebe energia de uma bateria de íon-lítio com capacidade máxima de armazenamento de 40 kWh”, informa a assessoria de imprensa da marca.

A autonomia do carro pode chegar a até 300 quilômetros e poderá ser recarregado em “postos de abastecimento elétrico”. O problema é o tempo. Menos de uma hora! Mas a assessoria salienta que o modelo poderá incorporar motores a diesel e gasolina. Sua velocidade máxima é de 140 km/hora.

Volkswagen convoca cerca de 49 mil unidades da Kombi para recall

Fabricante constatou possibilidade de trincas no sistema de escapamento.
Chamado atinge veículos de 2009 a 2011. Atendimento começa terça (23).

A Volkswagen do Brasil anunciou nesta segunda-feira (22) o recall do modelo Kombi, identificados abaixo de 2009 a 2011 (veja abaixo a numeração do chassis), para agendar, a partir desta terça-feira (23), a inspeção e instalação de suporte no sistema de escapamento. De acordo com a fabricante, a campanha atinge 49 mil unidades.

Confira os números dos chassis:
2009 9P 019 162 a 9P 999 999
2010 AP 000 001 a AP 999 999
2011 BP 000 001 a BP 013 884

Em comunicado, a fabricante afirma que constatou em algumas unidades a possibilidade do surgimento de trincas no sistema de escapamento. A utilização nessa condição pode causar a quebra do componente, provocando forte ruído. A insistência do uso nessa situação, em casos extremos, pode causar incêndio no compartimento do motor, diz a montadora.

Os proprietários envolvidos no recall também receberão cartas informando sobre o procedimento de recall. Para dúvidas e outras informações a marca disponibiliza o telefone 0800 019 8866 e o site www.vw.com.br.

Fonte: G1

Tata lança minivan do Nano

Magic Iris usa a mesma plataforma do subcompacto e leva até 5 pessoas.
Motor a diesel tem 11 cv e velocidade máxima é de 55 km/h.

Depois de desenvolver o carro mais barato do mundo, a Tata parece também querer o título de minivan mais em conta do mercado. O Magic Iris, apresentado no Salão do Automóvel de Nova Délhi, na Índia, lembra uma Kombi, mas como é feito na mesma plataforma do Nano, leva somente cinco passageiros.

O motor a diesel é de 611 cm³ e tem 11 cavalos de potência, o que permite que a minivan alcance, no máximo, 55 km/h. O tanque de combustível tem capacidade apenas para 10 litros.

A proposta é interessante para os consumidores de triciclos que são muito utilizados na Índia. O preço não foi divulgado, mas deve seguir a filosofia de “carro do povo” do Nano.

Fonte: G1