Arquivo da tag: IPVA

Confira como é feito o processo de registro, emissão do CRV e CRLV e emplacamento por conta própria

Comprar um carro, seja novo ou usado, é considerado uma realização para muita gente. Mas também envolve gastos consideráveis que vão além do valor da compra. Colocar a documentação em dia e emplacar o automóvel também custam dinheiro, mas dá para economizar uma graninha se você mesmo ir até o cartório e ao departamento de trânstio. Veja abaixo como fazer a documentação do carro zero ou usado sem ajuda de um despachante:

Como emplacar um carro novo

O primeiro passo é registrar o veículo zero km em até 30 dias após a loja emitir a nota fiscal para gerar o Certificado de Registro do Veículo (CRV). Esse documento permite o emplacamento e a concessão do Certificado de Registro e Licenciamento do Veículo (CRLV), principal documento de porte obrigatório do carro.

Verifique a necessidade de agendamento de horário na unidade do Detran mais próxima da sua casa e compareça para emitir os certificados e obter o número da placa, assim como os valores do IPVA e DPVAT. Os preços para o registro do veículo e emplacamento variam de cidade para cidade. Você até pode personalizar a placa da forma que preferir, mas isso exigirá uma taxa de aproximadamente R$ 100.

Documentos necessários: original e cópia do RG, CPF e CNH, cópia de um comprovante de residência recente, nota fiscal original da concessionária com decalque do chassi, duas cópias do formulário do Renavam preenchido e, caso o carro seja financiado, é necessário também levar o contrato original e uma cópia assinada por todos os envolvidos.

Chegando lá, é necessário pagar as taxas de emplacamento, escolher a placa do veículo e dar entrada ao CRV. Mas o certificado não fica pronto no mesmo dia. Assim que estiver com as documentações em mãos, é preciso ir a um posto do Detran.

Como proceder com a documentação de carro usado sem o despachante?

Antes de tudo, o comprador deve investigar o histórico do carro: multas, pagamentos, se IPVA, DPVAT do ano atual e documentação estão em dia. Para ter acesso a débitos e possíveis bloqueios, basta acessar o site do Detran, com o número Renavam e número da placa do veículo. Também é importante verificar se está tudo bem com o numero do chassi do carro.

Feito isso, o primeiro passo é do vendedor: ele deve comunicar ao Detran a transferência do veículo para o novo dono, processo que vai demandar uma visita ao cartório para uma cópia do comprovante de transferência.

Se isso não acontecer, todas as multas cometidas pelo novo proprietário, por exemplo, ficarão em nome do antigo, e o atual dono também não conseguirá fazer um seguro para o seu carro. Para isso, é bom ter em mãos um comprovante de quitação. Se o veículo tiver alguma pendência, não conseguirá obter um novo certificado.

De acordo com o artigo 134 do Código de Trânsito Brasileiro: “Art. 134. No caso de transferência de propriedade, o proprietário antigo deverá encaminhar ao órgão executivo de trânsito do Estado dentro de um prazo de trinta dias, cópia autenticada do comprovante de transferência de propriedade, devidamente assinado e datado, sob pena de ter que se responsabilizar solidariamente pelas penalidades impostas e suas reincidências até a data da comunicação.”

Vale lembrar que essa transferência é paga, já que será necessário expedir um novo Certificado de Registro de Veículo. Para emitir o CRV, o comprador deve procurar uma Empresa de Vistoria Veicular para comprovar a autenticidade e segurança do carro adquirido. Se o veículo for de outra cidade ou estado, é necessário também inserir novas placas e tarjetas.

O prazo para tomar as devidas providências é de até 30 dias, então fique atento às datas. Caso o período não seja respeitado, o novo dono está sujeito a uma multa grave, e existe até a possibilidade de retenção do veículo.

 

IPVA mais caro do Rio de Janeiro – Mercedes SLR MC Roadster

O superesportivo Mercedes-Bencarro-mercedes-slr-mc-roadster-foto-imagemz SLR MC Roadster vai pagar o maior valor do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) no estado do Rio de Janeiro neste ano: R$ 84,6 mil. De acordo com o Diário Oficial do RJ, que divulgou os detalhes do imposto no último dia 27, o valor venal do carro ano 2010, utilizado para calcular o IPVA devido, é R$ 2.116.976.

Ele supera modelos de luxo mais novos, como o Lamborghini Aventador (2012), que custa R$ 1.912.049, ainda de acordo com o que foi divulgado pelo governo do estado, e a Ferrari 599 GTO (2011), de R$ 1.684.363.

Com a alíquota de 4% que incide sobre os automóveis a gasolina no RJ, o proprietário de um Mercedes SLR MC Roadster vai pagar R$ 84.679,04 de IPVA.

Esse carro também foi o campeão do IPVA em SP em 2011 e 2012, mas, em 2013, acabou superado pela nova Ferrari FF (2012), que custa R$ R$ 2.496.304, de acordo com a tabela do estado, e pagará quase R$ 100 mil de imposto.

Mobilete paga R$ 11

Ainda de acordo com a tabela divulgada no Diário Oficial do RJ, o menor valor venal é o da mobiliete Hero Puch 50, ano 1998, de R$ 570. O imposto a ser cobrado por ela, com a alíquota de 2% que incide sobre motos e ciclomotores, é de R$ 11,4. Esse veículo indiano também costuma ser o de menor IPVA em SP.

Quem tem o carro roubado pode ter o dinheiro do IPVA de volta

Quem tem o carro roubado pode ter o dinheiro do IPVA de volta
A restituição é proporcional, e o valor, que não é corrigido, só sai no ano seguinte ao do registro da ocorrência. Em SP, mais de R$ 16 milhões serão devolvidos a 55 mil donos de carros que foram roubados no ano passado.

Outro tipo de crime está crescendo no país. Dados oficiais mostram que a frota de veículos aumentou, e o número de ocorrências de roubos de carros também.

O susto da advogada Deise Patrícia Haru foi na porta de casa. Bandidos chegaram armados e fugiram levando o carro da família, que não tinha seguro. O que sobrou foi o financiamento: dez prestações de R$ 500.“É Horrível, a sensação de impotência, porque a gente batalha muito para conseguir as coisas. E, em um certo momento, isso some, isso acaba”, comenta Deise.

O número de roubos de veículos em Belo Horizonte cresceu 55% na comparação entre janeiro de 2011 e o mesmo período deste ano, segundo os dados da Polícia Civil. Só uma quadrilha presa em Contagem seria responsável por 70 ocorrências em seis meses. Apenas seis veículos foram recuperados.

“O crime de roubo a mão armada cresceu buscando principalmente aqueles veículos mais novos que são os veículos utilizados em outros crimes violentos”, explica o delegado Ramon Sandoli.

Em alguns estados, o contribuinte que entrou para as estatísticas de roubo de veículos pode pedir de volta o dinheiro referente ao pagamento do IPVA. A restituição é proporcional e o valor, que não é corrigido, só sai no ano seguinte ao do registro da ocorrência. “É calculado o número de dias em que ele não ficou de posse do veículo, e é restituído o valor correspondente”, diz o diretor da Secretaria de Fazenda de Minas Gerais, Leonardo Guerra.

Em São Paulo, mais de R$ 16 milhões serão devolvidos a 55 mil donos de carros que foram roubados no ano passado. E o ano de 2012 começou com aumento desse tipo de crime: 18% em janeiro, em relação ao mesmo período do ano passado. A restituição do IPVA é feita automaticamente.

Em Minas, é preciso fazer o pedido de devolução pela internet. O gerente de vendas Paulo Carvalho Ferreira, que foi assaltado na periferia de Belo Horizonte, já pôs a mão no dinheiro. Mas o que ele queria mesmo era ver o carro na garagem.

“Eu tenho um veículo, eu consigo ir a algum lugar, eu consigo passear com minha família, eu posso ir trabalhar de carro em um determinado momento, posso fazer uma viagem. Isso não consigo fazer. Então, a questão de ter devolução, em relação ao IPVA, não me traz de volta esse conforto que eu tinha”, lamenta.

Resolução do Contran – Placas Refletivas e Motorista gastará mais

Resolução do Contran obriga uso de placas refletivas em veículos e motorista gastará mais

Quem pretende comprar um carro novo ou fazer a transferência de veículo de uma cidade para outra terá que mexer no bolso. O gasto extra é de médios R$ 100 por veículo.
Depois de 1º de abril, o gasto adicional será obrigatório para mudar as placas dos veículos. O Contran (Conselho Nacional de Trânsito) adiou de 1º de janeiro para essa data o prazo que torna obrigatório o uso de placas refletivas em carros. A mudança vale para carros licenciados a partir da data em que a resolução entra em vigor e para quem transferir a placa do carro para outra cidade ou estado depois desse prazo.

Hoje, além do IPVA, licenciamento e DPVAT, o motorista paga R$ 70,99 por uma placa comum em Ribeirão Preto, ao adquirir um veículo novo. Já a placa refletiva custará até R$ 110 o par, segundo apurou a reportagem nesta quarta-feira (18). A diferença é de R$ 39 e o motorista pagará 55% a mais na placa obrigatória, na comparação com a atual.

A película refletiva já é obrigatória para veículos de três e duas rodas, conforme estipulado pelo Denatran (Departamento Nacional de Trânsito), em 2007.
Segundo o Denatran, foi observada uma mudança no número de acidentes de motos por conta do uso das placas refletivas nesse tipo de veículo, fator que motivou também o emplacamento de carros.

Mais segurança

Para André Meireles, gerente de um despachante na Rua Garibaldi, no Centro, os motoristas ainda não sabem da mudança das regras e optam pela placa por questão de “estética”. “Por enquanto, mesmo que não seja obrigatória, a adesão dos motoristas por esse tipo de placa ainda é pequeno”, disse. As mudanças valerão apenas para novos emplacamentos.

Fonte: Jornal A Cidade

 

Proprietário de carro que não comunicar ao Detran a venda do seu veículo pode ter surpresa com: IPVA, multas, impostos e por crimes e acidentes envolvendo o veículo


Os motoristas que venderam um carro e não comunicaram a venda ao Departamento Estadual de Trânsito de Mato Grosso (Detran-MT) podem ter uma surpresa junto com a cobrança do IPVA. Enquanto o carro estiver no nome do antigo proprietário, ele continua responsável por multas, impostos e também por crimes e acidentes envolvendo o veículo.

Para evitar o problema é preciso ir ao Detran com uma cópia autenticada do certificado de registro do veículo, aquele que comprador e vendedor assinam, com firma reconhecida em cartório. O vendedor tem o prazo de 30 dias avisar o Detran sobre a venda.

O diretor de Veículos do órgão, Carlos Miranda, alerta que caso o comprador não faça a transferência de propriedade dentro do prazo estabelecido por lei federal, o mesmo poderá ser penalizado. “Caso a pessoa faça a transferência após o período de 30 dias, ele deve pagar uma multa pelo atraso no valor de R$ 101,00 de acordo com as normas do Denatran”, disse Miranda.

Miranda ainda ressaltou que para o vendedor do veículo evitar futuras dores de cabeça, ele deve vir ao Departamento de Trânsito de Mato Grosso e solicitar que seja feita a comunicação de venda do carro. “Através deste procedimento feito aqui no Detran, o antigo proprietário fica resguardado de qualquer dívida ou incidente que possa vir acontecer com o seu antigo veículo após a venda dele”, disse Carlos Miranda.

Com a comunicação de venda feita, o atual proprietário acaba sendo obrigado a fazer a transferência de propriedade, porque segundo Miranda, no ano seguinte, caso ele não tenha feito esse serviço, o novo dono fica impedido de fazer o licenciamento do veículo. “A comunicação de venda de propriedade é uma garantia que o vendedor tem. Ele paga uma taxa de R$ 18,00 e todas essas informações ficam no sistema do Detran. A partir daí, o IPVA, seguro e licenciamento e multas, caso aconteça, após essa venda, fica sob a responsabilidade do novo dono”, explicou o diretor de Veículos.

Veja quais são as informações para que seja feita a Comunicação de Venda:

Comunicação de Venda

Finalidade

Comunicar a venda do veículo ao Órgão Executivo de Trânsito, no caso, o Detran de Mato Grosso.

Documentação básica

– Cópia legível e autenticada do CRV, devidamente preenchido, assinado e datado, sem rasuras, emendas ou ressalvas. Com firma do vendedor reconhecida por autenticidade e com a assinatura do “de acordo” do adquirinte.

Observações

– Ao ser registrada a Comunicação de Venda, a pontuação atribuída pelo cometimento de eventuais infrações de trânsito, posterior à data de venda, é transferida automaticamente para a carteira de habilitação do novo proprietário. A responsabilidade dos débitos e obrigações passa a ser do comprador. Além disso, as eventuais novas notificações por infração de trânsito serão enviadas para o endereço informado na Comunicação de Venda.

– Qualquer alteração no registro do veículo fica bloqueada até o registro da transferência, porém este bloqueio não impede a transferência.

– A transferência do veículo só poderá ser feita para o CPF/CNPJ do proprietário indicado neste registro.

Legislação

– Artigo 134 do CBT
– Resolução 664/86 do Contra, Anexo I e alterações

Procedimentos

1 – Receber, conferir e reter a documentação apresentada.
2 – Imprimir o registro da Base Estadual arquivando-o para ficar documentada a situação anterior.
3 – Identificar se o requerente é habilitado e requerer o serviço.
4 – Colher assinatura do usuário no requerimento.
5 – Efetuar o registro da Comunicação de Venda na cadastro da Base Estadual.

– Neste momento deve ser enviada ao Sistema RENAVAM, a transação 231 (Registra Comunicação de Venda).

Isenção de IPVA para deficientes físicos no Ceará

Anúncio foi feito nesta terça-feira (11), Dia do Deficiente Físico.
Matéria está sendo elaborada e deve ser encaminhada para a Assembleia.

O governador do Ceará, Cid Gomes (PSB), autorizou nesta terça-feira (11), Dia do Deficiente Físico, a isenção do pagamento do Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) para portadores de deficiência física. “Essa é uma conquista para milhares de cearenses que têm algum tipo de deficiência e que poderão usar esse benefício para a melhoria de sua qualidade de vida”, disse Cid Gomes.

De acordo com o Governo do Estado, o benefício será válido a partir de 2012. No Ceará, os portadores de deficiência física já são isentos do pagamento do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) desde dezembro de 2001.

A medida deve beneficiar 7.010 pessoas cadastradas no Departamento de Trânsito do Ceará (Detran) como deficientes físicos e têm a carteira nacional de habilitação. De acordo com o Detran, desse total, 3.472 têm visão em apenas um dos olhos, e devem receber a isenção do IPVA em 2012.

A matéria está sendo elaborada pela Procuradoria Geral do Estado (PGE) e em seguida deve ser votada na Assembleia Legislativa do Ceará para ser votada. O governador Cid Gomes pediu urgência da votação da matéria. Para ter a isenção, o contribuinte deve ter notificação na carteira nacional de habilitação de que é portador de deficiência física e dirige em condições especiais.

A cobrança do Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) começa em janeiro em boa parte do país. O pagamento é obrigatório e a alíquota varia conforme o modelo do veículo e também o estado em que o contribuinte reside.

Fonte: G1

 

IPVA 2011 no estado do Ceará

Quem pagar cota única até o dia 31 de janeiro terá 5% de desconto.
Valor médio do imposto caiu 11,6% em relação ao que foi cobrado em 2010.

O Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) 2011 no estado do Ceará caiu 11,6%, em média, em relação ao que foi cobrado em 2010 devido à redução dos valores dos veículos, calculados pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). De acordo com a Secretaria da Fazenda, neste ano, 1.439.288 veículos serão tributados no estado. Apenas 38.940 estão isentos.

Alíquotas
2,5% para automóveis, caminhonetes e embarcações recreativas ou desportivas;
1% para ônibus, microônibus, caminhões (a partir de 3.500 kg), cavalos mecânicos e veículos automotores de propriedade de estabelecimentos exclusivamente locadores de veículos, desde que utilizados na atividade de locação;
1% – para motocicleta e similares de até 125 cc, desde que não exista multa no prontuário do veículo no exercício de 2010;
2% para motocicleta e similares acima de 125 cc;
1,5% para aeronaves;
2,5% – para qualquer outro veículo automotor não citado anteriormente.

No Ceará, quem optar pelo pagamento em cota única até o dia 31 de janeiro terá 5% de desconto. Quem quiser dividir o valor do IPVA, deverá pagar as parcelas, que não podem ser inferiores a R$ 50,00, nos dias 18 de fevereiro, 18 de março e 18 de abril, em prestações iguais, independente do final da placa do veículo.

A Secretaria da Fazenda já disponibiliza em seu site os boletos para o pagamento do imposto. Eles também serão enviados às residências dos contribuintes, pelo correio, a partir do dia 15 de janeiro. Os boletos também podem ser retirados em qualquer unidade da Sefaz e podem ser pagos no Banco do Brasil, Caixa Econômica, BNB, Bradesco, casas lotéricas e farmácias Pague Menos.

Fonte: G1

Seguro DPVAT custará R$ 101,16 para automóveis e utilitários em 2011

Para motocicletas, seguro será de R$ 279,27; para caminhões, R$ 105,68.
De acordo com a Susep, reajuste está relacionado a aumento de sinistros.

O Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) reajustou para 2011 o seguro obrigatório para veículos (DPVAT). O seguro, que é pago junto com o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), terá reajuste de 7,83% para automóveis e utilitários, passando de R$ 89,61 para R$ 96,63.

Além do prêmio tarifário, será cobrado na aquisição do seguro o valor de R$ 4,15 pela emissão da cobrança da apólice ou do bilhete do DPVAT e IOF de 0,38%. No caso dos automóveis, o prêmio total é de R$ 101,16.

O reajuste foi determinado por resolução do CNSP e, de acordo com a Superintendência de Seguros Privados (Susep), está diretamente relacionado ao aumento no número de sinistros neste ano, em todas as categorias.

“Em 2010 mantivemos os valores de 2009 para avaliar qual seria o reflexo das mudanças feitas na legislação no final do ano passado que visavam minimizar fraudes”, afirma o superintendente da Susep, Paulo dos Santos. “Mas este ano observamos um aumento no número de sinistros, o que obrigou o reajuste até na categoria de caminhões, que havia tido redução em 2008 e 2009.”

Os micro-ônibus e ônibus terão o maior reajuste, de 15,04%, passando de R$ 210,65 para R$ 242,33, num total de R$ 247,42 com as outras tarifas. As motocicletas, ciclomotores, motonetas e triciclos pagarão pelo seguro R$ 274,06 ante os R$ 254,16 cobrados nos dois anos anteriores (total de R$ 279,27). A alta é de 7,82%, a mesma percentagem para a categoria de caminhões e caminhonetes, que passa a pagar R$ 101,13 (R$ 105,68).

Entenda o que é o seguro DPVAT
O seguro por Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de via Terrestre, ou DPVAT, é obrigatório por lei (6.194/74) desde 1974 e utilizado para indenizar vítimas de acidentes de trânsito causados por veículos motorizados que circulam por terra ou por asfalto.

Ou seja, toda pessoa que sofre um acidente (seja motorista, passageiro do veículo ou pedestre) tem direito a ser indenizada – independentemente de quem seja a culpa – por morte, invalidez permanente ou reembolso de despesas médicas.

Nos casos de morte, os herdeiros da vítima são indenizados em R$ 13,5 mil. Para invalidez, a indenização é de até R$ 13,5 mil e varia de acordo com a gravidade das sequelas. Em relação às despesas médicas, o valor reembolsado é de até R$ 2.700.

A própria vítima dá entrada no pedido de indenização ou reembolso. Basta juntar a documentação necessária de acordo com cada caso e levar até o posto de atendimento mais próximo. Quando há vítimas fatais, os parentes devem fazer o pedido.

As indenizações do Seguro DPVAT são pagas em até 30 dias, após a entrega completa da documentação. Caso o pagamento do seguro DPVAT não esteja em dia, o proprietário do veículo deixa de ter direito, mas as vítimas estarão cobertas. Da mesma forma, um pedestre atropelado por um veículo não identificado terá cobertura.

Taxa X acidentes
A taxa paga pelo DPVAT está diretamente relacionada ao tipo de veículo e ao índice de acidentes de cada categoria. Segundo a Seguradora Líder DPVAT, embora as motocicletas representem 25% do total da frota nacional, elas são responsáveis por cerca de 60% do número total de vítimas e por 50% do valor total das indenizações pagas.

Segundo a seguradora, além do pagamento de indenizações, do total arrecadado, 45% são destinados ao Fundo Nacional de Saúde (FNS), para despesas com assistência médica dos segurados vitimados em acidentes de trânsito, e 5% vão para o Departamento Nacional de Trânsito (DENATRAN), para campanhas de prevenção de acidentes e educação no trânsito.

Fonte: G1

Maior IPVA de SP é de R$ 104 mil, para Mercedes; menor é de R$ 6,78

SLR Roadster é o veículo de maior valor venal no estado de SP.
Veículo que pagará menos é uma mobilete Hero Puch de 1991.

O proprietário de um Mercedes-Benz SLR MC Roadster, fabricado em 2009, pagará R$ 104.175,16 de Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores (IPVA) 2011. O montante, segundo a Secretaria da Fazenda de SP, é o maior entre todos os veículos relacionados na categoria automóveis e representa 4% do valor venal de R$ 2.604.379,00, que aparece na tabela divulgada pelo governo de SP.

Os valores dos veículos usados para o cálculo do IPVA 2011 são da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), apurados em setembro passado.

Para efeito de comparação, somente com o valor que será pago pelo tributo da unidade do superesportivo é possível comprar quatro unidades do Fiat Mille 2010, o carro mais barato do Brasil, comercializado no país a partir de R$ 23.850.

Na outra ponta, o menor valor a ser pago no IPVA 2011 é de R$ 6,78 para a mobilete Hero Puch, fabricada em 1991. O veículo se encaixa na categoria motos e similares e por isso paga 2% de seu valor venal que é de R$ 339. No segmento, o modelo mais caro é uma moto Indian Chief Vintage, de 2010, cujo valor venal é de R$ 116.415 e o preço pago pelo imposto será de R$ 2.328,30.

Entre os utilitários esportivos, o veículo de maior valor venal é uma unidade do Porsche Cayenne Turbo S, ano 2009, tabelado em R$ 414.751. Para rodar com o veículo em 2011, o proprietário terá que desembolsar R$ 16.590,04. Já o modelo de valor mais baixo da categoria é um Suzuki, de 1992, avaliado em R$ 7.732 que irá pagar R$ 115,98 de imposto.

Fonte: G1

IPVA mais barato em 2011 – Carros usados pagarão menos Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores

Situação ocorre devido à queda do valor de mercado dos veículos; retração foi de 12% neste ano

Números a ser divulgados pela Secretaria da Fazenda do Estado devem apontar que os donos de carros e motos usados devem pagar menos IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores) em 2011. A tabela final da Fazenda está sendo elaborada com base na pesquisa de preços da Fipe (Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas) e deverá ser concluída nesta quinzena.

No caso dos carros, os valores devem cair em torno de 7%. A queda do valor do IPVA das motos será de 9%. A situação ocorre devido à redução média do preço dos usados no mercado, de 12,2%, impactando diretamente na queda do valor do imposto.

Além das motos e carros, donos de ônibus, caminhões e utilitários também vão pagar menos imposto em 2011. A redução média global – calculada a partir da média de tipos de veículos – deve oscilar entre 5% e 10%. A redução é menor do que a ocorrida de 2009 para 2010, quando os valores diminuíram 12,2% para carros de passeio e motos.

As formas de pagamento continuam as mesmas. A data ainda não foi definida, porém, quem optar por pagar o imposto em janeiro, à vista, terá desconto de 3%. Outra forma é deixar para pagar o valor total à vista, só que em fevereiro, sem desconto. Se preferir, pode-se dividir em três parcelas, que vencem em janeiro, fevereiro e março.

Descontão

O governo do Estado informou ontem que 314 mil consumidores utilizaram os créditos da Nota Fiscal Paulista para abater o valor devido do IPVA. Foram destinados R$ 57 mi indicados para 268 mil veículos – a diferença ocorre pois um consumidor pode indicar um carro que não é seu para ter o benefício.

O resgate dos valores foi concluído no domingo.