Arquivo da tag: informações

Sabendo ler as letrinhas que há na lateral, você vai descobrir até se ele dura muito

foto-imagem-pneu-legislacao

Na parte lateral dos pneus existem várias indicações úteis para orientar a escolha do tipo certo para cada veículo, como as características de construção, a estrutura e as medidas. Veja quais são as principais informações indicadas na foto acima:

1) 245 – Largura da banda de rodagem em milímetros

2) 45 – Altura do perfil do pneu em porcentagem da largura (neste caso, 45% de 245 mm)

3) R – Indica que o modelo é radial

4) 18 – Tamanho do aro em polegadas

5) 100 – Índice de carga máxima (vai de 70 a 122. Veja exemplos abaixo)

CARGA MÁXIMA PARA CADA PNEU
100 800 kg
101 825 kg
102 850 kg
103 875 kg
104 900 kg
105 925 kg

6) W – Índice de velocidade máxima (vai de M a Y. Veja exemplos abaixo)

VELOCIDADE MÁXIMA PERMITIDA
S 180 km/h
T 190 km/h
U 200 km/h
H 210 km/h
V 240 km/h
Z + 240 km/h
W 280 km/h
Y 300 km/h

7) Tubeless ou TU – Pneu sem câmara (quando há câmara, aparece TT ou Tube Type)

8) DOT – Atende aos padrões do Department of Transportation (DOT) dos EUA

9) 731K – Código da fábrica onde ele foi produzido

10) 2511 – Data de fabricação: no caso, 25ª semana de 2011

11) Treadwear 560 – Indica a durabilidade do pneu, variando de 60 a 700, sendo 700 a melhor (leia mais sobre o índice Treadwear clicando aqui).

12) Traction A – Capacidade de frenagem em asfalto ou concreto molhado, com quatro categorias: AA, A, B e C, sendo C a pior

13) Temperature A – Indica a capacidade do pneu de dissipar calor, com três categorias: A, B e C, sendo C a pior

Carros brasileiros serão identificados por chip RFID a partir de 2013


Estamos sendo vigiados!

O chip é polêmico: será possível ter acesso a localização exata do veículo.

A partir de janeiro de 2013, o Denatran vai exigir a instalação de chips de identificação por RFID em toda a frota de veículos do país. Os chips são parte do Sistema Nacional de Identificação Automática de Veículos (Siniav), criado há seis anos com o objetivo de fiscalizar o tráfego no país em tempo real. O sistema ainda divide opiniões: alguns dizem que ele fere a privacidade do cidadão, um direito garantido pela Constituição.

O chip de radiofrequência carregará várias informações: número de série do chip, identificação da placa, categoria, espécie e tipo do veículo. Esses dados são automaticamente enviados para centrais de processamento, que verificam se o veículo não está irregular. Uma aplicação útil seria a possibilidade de localizar um veículo roubado — isto é, se o ladrão espertinho não remover o chip.

O Siniav também vai permitir o cruzamento de dados relativos ao veículo. Assim, seria possível verificar remotamente se o proprietário do veículo pagou os impostos e multas. Na cidade de São Paulo, a prefeitura poderia checar se um motorista está cumprindo o rodízio municipal, por exemplo. Existe também o exemplo dos pegádios: quando um carro se aproximar, a cancela se abriria automaticamente, diminuindo as filas.

Apesar dos possíveis benefícios trazidos pelo Siniav, alguns não apoiam o sistema. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) acredita que conhecer a localização exata de um veículo em tempo real representa uma invasão de privacidade, tanto que a entidade pretende entrar com uma ação de inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal.

Mas dois professores entrevistados pela Agência Brasil discordam da opinião da OAB. “Se o carro A ou B está em um local, isso não significa que a pessoa X ou Y esteja lá também. Os veículos devem ser monitorados, pois não há privacidade para o cidadão usar o carro como queira. É necessário haver controle do trânsito e de seus veículos por parte do Estado”, disse Marcelo Labanca, professor de direito constitucional da Unicap.

O maior problema seria se o governo divulgasse os dados para qualquer um, já que isso representa um risco de segurança — imagina se uma pessoa mal-intencionada conseguir descobrir onde está qualquer veículo do país? Henrique Miguel, do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, garante que as informações serão confidenciais e transmitidas com chaves de proteção “extremamente modernas” (ainda que qualquer sistema de proteção, por mais forte que seja, possa ser quebrado).

Os carros, motos e caminhões começarão a ganhar os chips RFID em janeiro de 2013. O motorista deve pagar uma taxa estimada em R$ 5 — o valor ainda não está definido e depende de uma licitação pública. Todos os veículos devem ter o chip instalado até o dia 30 de junho de 2014. O investimento na tecnologia pelo governo federal foi de aproximadamente R$ 5 milhões.

Mazda5 é revelado antes do Salão de Genebra

Minivan traz novo motor 2.0 até 15% mais eficiente.
Lançamento na Europa será até o 2º trimeste de 2010.

A Mazda divulgou imagens e informações da nova geração do Mazda5. A minivan será apresentada oficialmente no Salão de Genebra, em março.

Um dos objetivos da marca nipônica com a nova geração foi reduzir o nível de emissões poluentes em 15% em relação à geração anterior.

Sob o capô, a novidade trará o novo motor 2.0 litros, que combina a tecnologia start-stop (que desliga o motor quando o veículo está parado) e injeção direta de última geração. O modelo também será oferecido na versão 1.8. Ambas terão câmbio de seis marchas.

“Nosso maior objetivo com o Mazda5 foi o de desenvolver um novo veículo que combine um desempenho ambiental superior com uma nova expressão em estilo de design”, afirma o gerente de programa da empresa, Hideki Matsuoka.

Para facilitar o embarque de até 7 ocupantes, as portas da minivan são na traseira e o interior permite várias configurações.

O modelo será lançado na Europa no segundo trimestre deste ano, de acordo com a fabricante.

Fonte: G1