Arquivo da tag: fibra de carbono

Redução de peso nas rodas de fibra de carbono melhora ainda mais a performance do 911 Turbo S Exclusive Series

Para deixar o 911 Turbo Exclusive Series (o mais potente da família 911 Turbo)ainda mais leve, a Porsche apresentou novas rodas feitas de fibra de carbono, exclusivas da versão. Compostas por 7 raios, elas serão um opcional disponível a partir de 2018 pela bagatela de 15 mil euros.

No processo de tecelagem, os 18 km de fios de fibra de carbono presentes em cada roda são trançados por uma máquina que a Porsche diz ser a maior do tipo no mundo, com nove metros de diâmetro.

Depois de montada, a roda é revestida por uma resina que, quando endurecida, é submetida a altas temperaturas. Em seguida ela é resfriada por um longo tempo até ficar resistente.

A Porsche afirma que o conjunto de quatro rodas de carbono fica 8,5 kg mais leve que um jogo equivalente de liga leve, que pesa cerca de 74 kg. Além da redução de peso, o material faz as rodas se tornarem 20% mais resistentes.

A diferença é maximizada pelo fato de este peso compor a chamada massa não-suspensa – tudo aquilo que não é suportado pelo conjunto de suspensão, como pneus, rodas e discos de freio. Num esportivo, reduzir a massa não-suspensa significa melhorar a estabilidade, as frenagens e até a aceleração.

O tamanho das rodas são de 20×9 polegadas na dianteira e 20×11,5 polegadas na traseira. Na Alemanha, o preço será de cerca de 15 mil euros, o equivalente a R$ 55 mil.

Carro feito artesanalmente – Automóvel mais caro da Aston Martin tem produção quase artesanal


O processo de produção do carro mais caro da Aston Martin, o One-77, demanda uma dinâmica específica, diferente das linhas de montagem atuais e quase artesanal, embora envolva uma tecnologia e mecânica de ponta, segundo informações da revista Wired. Ele custa cerca de US$ 1,74 mi, preço três vezes maior que o V12 Zagato, o segundo veículo mais caro da empresa. Na produção do carro há sete estações de trabalho e os funcionários e peças giram em torno de cada veículo.

Segundo a revista, o projeto começa quando vários componentes essenciais são alinhados na área de montagem, entre eles um monocoque (estrutura que suporta componetes importantes do carro, como um esqueleto) de fibra de carbono fabricado pela canadense Multimatic e um motor V12 de 7.2 l construído pela Cosworth, que também desenvolve motores para Fórmula 1. A montagem do monocoque, que vale cerca de metade do valor do carro, exige um processo de fabricação que demanda seis trabalhadores por três semanas até que fique completo, desde que não ocorra algum problema. Caso isso aconteça, toda a estrutura é descartada e o processo começa novamente.

Quando o chassi do carro é montado e passa pela inspeção final no Canadá, é enviado para a Inglaterra, onde é montada a “pele” de alumínio. Então o chassi e a carroçaria recebem uma pintura de nove camadas. Posteriormente, o carro passa pelas sete etapas de montagem. Nas primeiras, são colocadas cabos e depósitos de combustível e depois o sistema de proteção contra o calor, com equipamentos de ouro. Na quinta fase é colocado o motor. Na sequência o interior do carro é montado, com a instalação de componentes de suspensão. Depois o carro é dirigido para uma área onde as rodas e suspensão são alinhadas usando um laser e os painéis da carroceria são examinados para ajuste e acabamento debaixo de um túnel de luz.

Fonte: Terra

Modificação no carro requer autorização do Detran

Alteração de cor e mudança na suspensão, rodas e pneus precisam de aval.
Multa prevista para quem infringe regra é de R$ 127,69.Deixar o veículo arrojado como os do filme ‘Velozes & furiosos’, cuja nova sequencia acaba de estrear no Brasil, e bancar Toretto (personagem de Vin Diesel) ou Brian O’Connor (Paul Walker) requer cuidados com a lei. Antes de rebaixar ou “turbinar” o automóvel, é preciso seguir as regras estabelecidas pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran) sobre o que pode e o que não pode ser modificado. Segundo o Código Nacional de Trânsito, rodar em veículos alterados sem a documentação necessária acarreta em multa de R$ 127,69 e cinco pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Mauro da Silva Júnior, de São Bernardo do Campo (SP), mudou bastante o seu Volkswagen Gol 1991. “Rebaixei, coloquei turbo no motor e até alarguei os para-lamas para colocar rodas maiores”, admite Júnior, que gastou cerca de R$ 30 mil para modificar o veículo, mas não pediu autorização prévia ao Departamento Estadual de Trânsito (Detran). “Levei umas seis ou sete multas por causa das alterações ilegais.”

Agora ele promete fazer tudo conforme a lei. “Estou transformando um Gol 1984. Desta vez vou seguir as normas para não sofrer mais”, diz o administrador de 29 anos, que pretende modificar a suspensão, adotar bancos esportivos e acoplar um motor 2.0 de Golf . “Turbinado, claro!”

‘Locomotion’ legalizado
O empresário Denyson Barone, de 51 anos, modificou quase tudo no Volkswagen Fusca 1976 que ele chama de Locomotion. Do original, sobrou apenas o chassi central.

Ele diz que seguiu à risca todas as normas estabelecidas para não sofrer com a fiscalização -mesmo assim, é parado pela polícia. “Sou parado direto por policiais, principalmente nas estradas. Como estou com os documentos ok, não sou multado. Mas os policiais então acabam perguntando sobre o carro”, conta o morador de Santo André, também no ABC paulista.

O Fusca de Denyson teve alterados os pneus, para-lamas e carenagem, trocada por uma de fibra de carbono. Já o motor é o de uma de Kombi, ligeiramente revigorado para gerar mais potência. “É um carro extremamente seguro. Todos os reforços são tubulares, inclusive com ‘santantônio’ (estrutura que protege os passageiros em caso de capotagem)”, revela o empresário.

Primeiro passo é pedir autorização
Antes de levar o veículo à mecânica e fazer qualquer modificação, o proprietário deve seguir um cronograma. O primeiro passo é ir até o Detran local e solicitar uma espécie de autorização para as alterações a serem feitas. Todos os documentos do carro e do proprietário serão exigidos.

“Por falta de informação, muitos têm o carro reprovado no Detran por terem feito as modificações antes de fazer essa solicitação”, explica o advogado Marcelo José Araújo, presidente da comissão de direito de trânsito da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) do Paraná.

Recentemente, em Santa Catarina, um Fusca 1978 transformado em “baja” teve negado o licenciamento por falta de prévia autorização para que as mudanças fossem feitas. O caso foi parar na Justiça, que manteve a decisão do órgão de trânsito de não licenciar o veículo. De acordo com o advogado do proprietário, Adilson Bauer, os recursos cabíveis se esgotaram e agora eles em buscam uma outra solução para o caso.

Quando a modificação é autorizada, o passo seguinte é escolher um mecânico de confiança para fazer a modificação, pois, dependendo da forma com que for feito o serviço, o veículo pode ficar perigoso de se dirigir.

“Já vi cada coisa por ai. Tem gente que para rebaixar a suspensão simplesmente corta as molas. Ou elevam a potência do motor a faixas altíssimas com a utilização incorreta de turbos”, alerta Ricardo Boch, professor do curso de engenharia mecânica do Centro Universitário da Fundação Educacional Inaciana Pe Sabóia de Medeiros (FEI).

O QUE PODE E O QUE NÃO PODE MUDAR
Todas as alterações permitidas no veículo devem ter autorização prévia do Detran e inspeção do Inmetro
Apliques
A utilização de spoilers e aerofólios não é especificada no código. Consulte o Detran do seu estado
Chassis/Monobloco
Proibida a substituição
Combustível
É permitido trocar o sistema de combustão (gasolina,
etanol ou bicombustível) por gás natural veicular (GNV), mas o kit deve seguir as regulamentações do Inmetro
Cor
Serão consideradas alterações de cor aquelas realizadas através de pintura ou adesivamento em área superior a 50% do veículo .
Faróis
Instalação de faróis de xenônio é proibida; só é permitido o farol desse tipo se o carro já vem como ele de fábrica
Freios
Proibida alteração no sistema
Motor
Pode ser alterado com ganho de até 10% da potência
Pneus / rodas
Proibida a utilização de rodas/pneus que ultrapassem os limites externos do para-lama
Suspensão
É permitida a troca do sistema
mas são proibidas as suspensões com regulagem de altura, como as de rosca ou de ar
Fonte: Conatran

Mudança consta no documento
Após a realização das modificações, o proprietário deve seguir para uma das oficinas credenciadas pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Inmetro), onde o veículo passará por um processo de validação. A lista das oficinas está no site do instituto.

Se aprovado, a última etapa é voltar ao Detran para a obtenção do número do Certificado de Segurança Veicular (CSV), que é registrado no campo das observações do Certificado de Registro de Veículo (CRV) e do Certificado de Registro de Licenciamento de Veículos (CRLV).

 

Fonte: G1

Ford apresenta o novo Focus ST

Modelo será exibido no Salão de Paris, neste mês.
Carro é equipado com motor Ecoboost 2.0 de 250 cavalos.

A Ford revelou imagens do novo Focus ST, que estreará no Salão de Paris no fim deste mês. O mais potente modelo da linha será vendido no mercado global em 2012. Para chamar ainda mais a atenção, a fabricante desenvolveu uma nova cor, batizada de “tangerine scream” (grito tangerina, em inglês).

Baseado na versão hatch do Novo Focus, o ST traz como diferencial novos para-choques e grade, saias laterais, spoiler e uma saia traseira com saídas de ar e saída de escape central. As rodas de liga leve têm aro de 19 polegadas e as pinças de freio são pintadas na mesma cor do carro.

No interior, o modelo recebeu bancos com costura laranja, volante esportivo com aro mais largo, acabamento em fibra de carbono no console central e três mostradores adicionais.

Sob o capô, o motor é o Ecoboost 2.0 de 250 cavalos de potência. O câmbio é manual de seis velocidades.

Fonte: AutoEsporte

Elétrico BMW Megacity deverá ser lançado nas Olimpíadas de Londres

Modelo com autonomia para 250 km vai estrear uma submarca do grupo.
BMW está entre os patrocinadores do evento e investirá US$ 50,5 milhões.

A BMW utilizará os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, como palco de inauguração do seu futuro carro elétrico urbano Megacity. Par isso, o modelo deverá ser o carro oficial do evento, segundo acordo fechado com o governo britânico divulgado nesta quarta-feira (21) pela imprensa internacional.

O grupo anunciou em 2009 que seria um dos patrocinadores das Olimpíadas de Londres, após fechar negócio de US$ 50,5 milhões, em acordo com a organização do evento. Segundo a companhia, 4 mil veículos serão oferecidos para o transporte de atletas, membros do Comitê Olímpico e imprensa.

Entre as unidades direcionadas exclusivamente ao evento estão modelos com baixa emissão, carros elétricos, motocicletas e bicicletas. O comitê já utiliza o slogan do ecologicamente correto e promete os Jogos Olímpicos “mais verdes da história”.

Ponto a favor do Megacity, modelo que vai estrear uma submarca do grupo BMW, que ainda não foi anunciada. O carro terá estrutura de fibra de carbono, material leve e resistente, reforçado com painéis de plástico. A bateria de íon-lítio do modelo tem autonomia para rodar 250 quilômetros e o carro atinge a velocidade máxima de 145 km/h. O motor elétrico tem 113 cavalos de potência.

O carro será apresentado no Salão de Paris, em setembro.

Fonte: G1