Arquivo da tag: Chevrolet

Recall Chevrolet Onix Plus – GM suspende vendas do carro por causa de incêndios

Fabricante admite pela primeira vez que casos de fogo já registrados no país têm a ver com falha no software de gerenciamento do motor

A GM decidiu suspender, a partir da noite da última terça-feira (5), as entregas do Chevrolet Onix Plus. A medida foi tomada depois que QUATRO RODAS divulgou, na segunda (4), o registro de dois casos de incêndio do sedã no país.

Em comunicado interno emitido a concessionários e obtido por nossa reportagem, a fabricante anunciou internamente a suspensão e admitiu pela primeira vez que o fogo pode ser provocado por uma falha no projeto.

Ainda, informou ter tomado a “iniciativa de anunciar um recall”. Confira o texto na íntegra:

O comunicado não especifica quais seriam as condições “muito específicas” de pressão, temperatura, umidade e composição do combustível, e também não estabeleceu um prazo para oficializar o recall.

mas o fato é que dois incêndios foram registrados em regiões do país com climas bem diferentes: um no pátio da fábrica de Gravataí (RS) e outro no Piauí.

QUATRO RODAS já contatou concessionárias do estado de São Paulo (SP). Algumas afirmam que ainda têm o carro normalmente para entrega, enquanto outras já confirmaram a suspensão.

Uma delas admitiu que a fabricante não apenas suspendeu a entrega de unidades já presentes em estoque, como também o abastecimento de novas unidades à rede.

Segundo um dos lojistas consultados, a fabricante está promovendo “uma atualização de software de gerenciamento do motor” nos exemplares já produzidos e ainda não entregues.

Com o comunicado, nossa reportagem pode afirmar que este é a quarta falha envolvendo o Onix Plus relatada aos concessionários.

Outras três já haviam sido divulgadas exclusivamente por QUATRO RODAS na terça-feira: uma na porca do aterramento, outra no chicote do painel de instrumentos e uma terceira relacionada a conflitos no número de série do motor.

Sedã médio recebe uma leve plástica e estreia a versão Premier, com frenagem autônoma e internet nativa a bordo — grátis por 3 meses ou 3 GB

Seu plano de dados do celular acabou? Se você estiver ao bordo do novo Cruze, isso pode não ser um problema. O Chevrolet passa a oferecer conexão de internet na linha 2020. Ao ligar o veículo, os ocupantes contam com sinal de wi-fi nativo, que funciona como o de casa. O acesso é configurado no ícone “roteador” exibido na nova tela multimídia de oito polegadas. Ali, os usuários definem o nome e a senha do wi-fi para conectar até sete dispositivos.

Porém, como nos voos comerciais, o serviço de internet é cobrado à parte. Por ora, a GM divulgou só o valor do pacote básico “Navegação + Música”, com 2 Gigabytes de dados: R$ 29,90/mês. A assinatura será feita com a operadora Claro, o que pode parecer ruim para clientes de outras empresas de telefonia móvel. E isso não poderá ser alterado, já que o chip é fundido secretamente em uma das muitas placas eletrônicas.

Se os 2 GB parecem pouco para uma vida mais e mais conectada, os clientes poderão escolher entre outros três pacotes: Carona (5 GB), Corporativo (10 GB) e Família (20 GB). Os valores e os preços serão divulgados em setembro, quando a linha 2020 chega às lojas.

Até lá, a GM terá de bolar uma estratégia para vender as assinaturas da internet e do OnStar. Esses dois serviços são gratuitos no início e serão cobrados após a “degustação”. No caso da internet, são três meses ou 3 GB de dados. Já o OnStar funciona de graça por um ano, e depois é pago em três pacotes (Safe, Protect e Exclusive), de R$ 54,90 a R$ 79,90. A seu favor, a GM contará com o público mais endinheirado da linha Cruze. Mesmo assim, será desafiador — haja grana para tantas mensalidades!

Além de economizar o plano de dados do celular com a criançada (no caso de casais com filhos), a internet embarcada trará outras facilidades combinada à nova geração do MyLink. Será possível ver informações de trânsito em tempo real no GPS, atualizar o sistema operacional, instalar um aplicativo ou fazer o agendamento online da revisão. A central passa a aceitar duas conexões Bluetooth simultâneas.

A tela tem navegação mais simples, com menus que correm lateralmente como nos smartphones atuais. Outra novidade é a personalização para até dois usuários, que podem configurar plano de fundo e rádios favoritas, por exemplo. As interfaces Apple CarPlay e Android Auto estão presentes nas versões mais recentes, e os ocupantes ficarão felizes ao notar que o console inferior passa a ter duas entradas USB.

Segundo a GM, a inédita versão Premier possui 42 processadores, 22 antenas e 14 redes, tudo para garantir rapidez de uso e um sinal com o mínimo de oscilação. Um detalhe interessante é a barbatana no teto: o módulo tem quatro antenas, o que permite desfrutar do sinal do wi-fi a até 15 metros de distância.

E o que mais mudou no Cruze? Bom, o médio recebeu uma leve plástica para ter o design mais recente da marca. A nova grade, cheia de cromados, une os faróis e dá mais presença ao modelo. Mas o destaque são as lanternas de LED, que dão efeito tridimensional e são bem mais interessantes que as anteriores. Por dentro, poucas alterações. A maior é a nova tela multimídia.

A mecânica também foi mantida, o que não é má notícia. O valente motor 1.4 turbo flex de 153 cv e 24,5 kgfm de torque segue conectado ao câmbio automático de seis marchas. Pena a GM não ter adicionado paddle-shifts para trocas manuais.

A despeito dos bons números em pista — zero a 100 km/h em 8,8 segundos e resgate de 60 km/h a 100 km/h em 4,8 s —, falta um “modo Sport” para apimentar a direção. O consumo não impressiona nem incomoda (média de 9,9 km/l com etanol).

Entre os equipamentos, as novidades estão no Cruze Premier, novo topo de linha. O carregador por indução ganhou nicho mais amplo, para acomodar smartphones grandes e receber uma gama maior de aparelhos. E a segurança está reforçada pelo sistema de frenagem autônoma de emergência com detector de pedestres, um belo diferencial para incomodar o novo Civic, que não incorporou recursos semiautônomos. Ponto para o Chevrolet.

TESTE

Aceleração
0 – 100 km/h: 8,8 segundos
0 – 400 m: 16,4 segundos
0 – 1.000 m: 29,8 segundos
Vel. a 1.000 m: 177,8 km/h
Vel. real a 100 km/h: 93 km/h

Retomada
40 – 80 km/h (Drive): 3,8 segundos
60 – 100 km/h (D): 4,8 segundos
80 – 120 km/h (D): 5,9 segundos

Frenagem
100 – 0 km/h: 42,1 metros
80 – 0 km/h: 26,9 metros
60 – 0 km/h: 15 metros

Consumo
Urbano: 8,2 km/l
Rodoviário: 11,7 km/l
Média: 9,9 km/l
Autonomia em estrada: 415 km

FICHA TÉCNICA

Motor
Dianteiro, transversal, 4 cil. em linha, 1.4, 16V, comando duplo, injeção direta, turbo, flex

Potência
150/153 cv a 5.200 rpm

Torque
24/24,5 kgfm a 2.000 rpm

Câmbio
Automático sequencial de seis marchas; tração dianteira

Direção
Elétrica

Suspensão
Indep. McPherson (diant.) e eixo de torção (tras.)

Freios
Discos ventilados (diant.) e discos sólidos (tras.)

Pneus e rodas
215/50 R17

Dimensões
Comprimento: 4,66 m
Largura: 1,79 m
Altura: 1,48 m
Entre-eixos: 2,70 m

Tanque de combustível
52 litros

Porta-malas
440 litros (fabricante)

Peso
1.321 kg

Central multimídia
8 pol., sensível ao toque; Android Auto e CarPlay

Garantia
3 anos

Cesta de peças
R$ 15.002,19

Seguro
R$ 4.197

Revisões
10 mil km: R$ 292
20 mil km: R$ 684
30 mil km: R$ 440

Sedã e hatch serão o primeiro modelo no país a contar com a tecnologia. Serviço de concierge OnStar continua a disposição no modelo

A Chevrolet vai remodelar a linha Cruze em 2019 (linha 2020). A novidade terá 4G e Wi-Fi na versão mais cara do médio – o Cruze LTZ. O equipamento estará disponível tanto no três-volumes quanto na configuração hatchback.

Para lançar o Cruze 2019, a General Motors afirma ter investido cerca de 340 milhões de dólares. O sedã faz parte de um plano que prevê o lançamento de 11 modelos no Brasil apenas no ano que vem.

O Cruze irá chegar ao Brasil já com atualizações de estilo, pois o carro remodelado já circula nos Estados Unidos desde abril.

Com a novidade, será possível navegar na internet utilizando a rede nativa do veículo, e não por meio de modem externo ou pelo smartphone de algum dos ocupantes. Esse recurso é comum na Europa e Estados Unidos, pois lá não há impedimento tecno-burocrático que barra a adoção do equipamento.

Por aqui, há um imbróglio técnico envolvendo a Anatel e as empresas de telecomunicações impossibilitava a homologação da internet veicular, apesar de a maioria das fabricantes já dispor desse acessório nos modelos vendidos em outros países.

O lançamento da GM irá permitir que os ocupantes usem o sistema do carro como hotspot e rotear o sinal de internet por meio do Wi-Fi.

Além do 4G, o serviço de concierge OnStar continuará disponível, sem custo adicional no primeiro ano de uso do veículo. Não foram divulgadas informações acerca de mensalidade da nova tecnologia.

A picape foi apresentada com a inédita versão LT Trailboss, destinada ao off-road

A Chevrolet mostrou as primeiras imagens da Chevy Silverado. A nova geração da picape chegará ao mercado norte-americano em 2018, já como modelo 2019.

A apresentação aconteceu durante um evento de comemoração dos 100 anos do lançamento da primeira picape da marca. A Silverado 2019 chegou pendurada por um helicóptero e, em seguida, foi levada aos fãs e proprietários de picapes convidados pela Chevrolet.

Para chegar a nova Silverado, a Chevrolet diz ter realizado uma pesquisa com mais de 7 mil pessoas que falaram o que desejavam para a próxima geração da picape.

Diferente da grande rival Ford F-150, que conta com alumínio na carroceria, a Silverado vem com aço ultra resistente, mais leve e com maior rigidez que os tradicionais.

A versão escolhida para a apresentação foi a inédita LT Trailboss. Destinada ao off-road, a picape tem para-coques pretos e suspensão elevada – além dela, a marca prometeu outras 7 versões.

A Chevrolet não revelou preços nem números de desempenho da nova Silverado. A picape será completamente apresentada ao público durante o Salão de Detroit, em janeiro de 2018.

No Estados Unidos, os preços da Silverado começam em US$ 28.285 (R$ 93.057). No Brasil, a Ram 2500 – picape rival – é vendida por R$ 261.990.

NOVO CHEVROLET CRUZE

foto-imagem-chevrolet-cruze

O novo Chevrolet Cruze quer deixar para trás a fama de beberrão. Já à venda nos EUA por a patir de US$ 17.495 (o equivalente a R$ 62 mil na cotação atual), a segunda geração do sedã teve seus dados de consumo divulgados pela montadora. Segundo as estimativas da Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos, o modelo equipado com câmbio automático de seis marchas pode fazer até 12,7 km/l no ciclo urbano e 17,8 km/l no ciclo rodoviário, com gasolina no tanque.

Para alcançar esse resultado, o três volumes não só perdeu peso, como também ganhou um conjunto mecânico bem mais eficiente. A segunda geração do Cruze ficou quase 113 kg mais leve e adotou sistema start-stop e o novo motor 1.4 turbo Ecotec. Com injeção direta e turbocompressor, o novo quatro cilindros entrega 154 cv de potência e 24,5 kgfm de torque, sem penalizar o consumo de combustível ou abrir mão da performance. Mesmo equipado com câmbio automático, a montadora garante o consumo contido e uma aceleração de 0 a 100 km/h em 7,7 segundos.

foto-imagem-chevrolet-cruze

Com previsão de chegar ao mercado brasileiro no final de 2016 importado da Argentina, o novo Cruze não terá o mesmo desempenho que o modelo americano, uma vez que para atender a demanda do nosso mercado o 1.4 turbinado será convertido em flex para aceitar o etanol. Mesmo que não alcance os mesmo números de consumo do modelo americano, é certo que a segunda geração do modelo terá bem menos “sede” que o modelo atual. Em nossos testes de consumo, o sedã com motor 1.8 flex aferiu médias bem ruins para o segmento: 6,5 km/l na cidade e 9,9 km/l na estrada.

foto-imagem-chevrolet-cruze

Hatch e sedã se alinham a nova identidade visual da fabricante

foto-imagem-novo-sonic

Feito para se integrar ao time dos chamados compactos premium, o Sonic esteve presente como hatch e sedã no Brasil entre 2012 e 2014 – apenas dois anos de mercado. Concorrente do New FIesta, suas vendas não decolaram – e ainda seriam prejudicadas por fogo amigo com o sucesso do Onix. Nos EUA, no entanto, ele permanece na ativa, e acaba de ganhar um facelift para a linha 2017, com novo visual e central multimídia compatível com CarPlay e Android Auto.

Por fora, a linha 2017 do Sonic hatch e sedã adota a atual identidade visual da Chevrolet, que estreou na nova geração do Cruze. As mudanças incluem novo capô, faróis com assinatura em LED (que trazem lente, ao contrário da anterior), grade mais elevada, para-choque frontal com abertura de ar remodelada e traseira com lanternas de visual menos “tunado” que a versão hatch do modelo anterior. O para-choque traseiro adota uma inserção de plástico preto na parte inferior e traz linhas mais retilíneas. As rodas podem ser de 15, 16 ou 17 polegadas.

foto-imagem-novo-sonic

Embora não tenha liberado as imagens, a marca diz que o modelo adotou interior com um novo painel de instrumentos com velocímetro analógico, levando a crer que o modelo abandonou o painel inspirado em motos – com visual amado por uns e odiado por outros. A maior novidade mesmo é a nova central multimídia com tela de 7 polegadas sensível ao toque, que agora possui compatibilidade com Apple CarPaly e Android Auto, além de possuir tecnologia 4G LTE, que transforma o carro numa espécie de “roteador” ao dispor de internet sem fio. Com isso, os ocupantes podem conectar seus smartphones e tablets ao carro.

foto-imagem-novo-sonic

Entre os equipamentos, destaque para os bancos e volantes com aquecimento, sistema keyless para abertura das portas e partida do veículo. Já a versão RS, de proposta mais esportiva, traz acabamento em black piano, tapete com emblemas da versão e aplique “RS” no volante. O pacote de segurança é formado por sistema de alerta de colisão frontal, controle de estabilidade e tração, sistema park assist, câmera de ré e até 10 airbags.

foto-imagem-novo-sonic

Entre os equipamentos, destaque para os bancos e volantes com aquecimento, sistema keyless para abertura das portas e partida do veículo. Já a versão RS, de proposta mais esportiva, traz acabamento em black piano, tapete com emblemas da versão e aplique “RS” no volante. O pacote de segurança é formado por sistema de alerta de colisão frontal, controle de estabilidade e tração, sistema park assist, câmera de ré e até 10 airbags.

Modelo Chevrolet Camaro 2016 conversível chega às lojas, nos Estados Unidos, no início do ano que vem

foto-imagem-camaro-2016A Chevrolet revelou nesta quarta-feira (24) a versão conversível do seu Camaro 2016. O modelo, que é 100 kg mais leve do que o seu antecessor, usa um sistema eletro-hidráulico para abrir e fechar a sua capota, que pode ser acionada com o carro em movimento até 48 km/h, e deve chegar às concessionárias da marca norte-americana no início do ano que vem.foto-imagem-camaro-2016Segundo a Chevrolet, o carro mantém perfil esportivo e muito parecido ao cupê mesmo com a capota, que conta ainda com isolamento acústico e térmico para garantir o conforto dos seus ocupantes nos locais mais frios, como o norte do país. O teto pode ser acionado direto da chave do veículo e, quando guardado, é protegido por uma capa rígida.Os motores são os mesmos da versão cupê, ou seja, um bloco 2.0 turbo de 278 cv e 40,79 mkgf de torque de entrada e, como opção intermediária, um 3.6 V6 com desempenho de 339 cv e 39,26 mkgf de torque. No topo, a versão SS vem com um V8 6.2 litros de 461 cv e 62,92 mkgf de torque. O preço do modelo não foi anunciado.

Nova Saveiro Rocket e Agile Crossport

foto-imagem-nova-saveiro

Volkswagen Saveiro RockeT


Nesta edição, a presença de conceitos nacionais foi pequena, apenas o Mio, da Fiat, mostrou alguma originalidade. Mas, das modificações promovidas em modelos de série dois carros nos chamaram a atenção, a Saveiro RockeT e o Agile Crossport.

A picape da Volkswagen não passa de um estudo, mas traz ideias interessantes como o motor turbo de 122 cv herdado da Audi e o câmbio de seis marchas. O design buscou inspiração em cupês e como hoje vale tudo em mesclar estilos dá até para entender a intenção da marca.

O Crossport é um Agile com cara de CrossFox. Pelo menos foi a primeira impressão que causou ver um compacto com visual off-road e pintura laranja. Nesse caso, a Chevrolet não quis inventar nada na parte mecânica, apenas mostrar ao público como ficaria o hatch em traje fora-de-estrada. Nem seu deu ao trabalho de montar o carro, tarefa repassada à conhecida Batistinha Garage.

O visual do carro só comprova que o Agile passa longe do conceito de automóvel. Ele se dá melhor mesmo no papel de mini-utilitário mesmo. Presente no Anhembi, o hatch Aveo, por exemplo, é incontáveis vezes mais interessante que a criação de Carlos Barba e cia. Só a GM não vê.

crossport-605x403

Chevrolet Crossport


 

IMG_2267-605x403

Volkswagen Saveiro RockeT


 

Novo Chevrolet Onix Effect

foto-imagem-onix

A Chevrolet apresentou uma versão bem esportiva do Onix no Salão do Automóvel de São Paulo, o Track Day. Ele fez bastante sucesso, mas não deve chegar às lojas. Ao invés disso, os interessados poderão se contentar com uma nova variante, o Onix Effect. Apesar de bem menos esportiva, a versão aposta em alterações visuais em busca de aumentar a participação do carro entre o publico de até 30 anos, hoje em 25%.

Inicialmente, a versão Effect sairá apenas com motor 1.4 Flex e transmissão manual, a R$ 50.190; e opção de cores Branco Summit e Vermelho Pepper.

Impressões

Com exatos dois anos completos de mercado, o Onix tem adjetivos bem recebidos, de maneira a comprovar o posto de líder de vendas da marca. O compacto fecha novembro como o 2º mais vendido – ultrapassando o VW Gol – e no acumulado do ano, se torna o 3º veículo mais emplacado do Brasil, segundo dados da Fenabrave.

foto-imagem-onix

Nada muda mecanicamente com o Effect, mas o estilo esportivo chama a atenção sem confundir a vista. Dentre as mudanças externas estão rodas de 15” em cinza grafite, teto pintado em preto de alto brilho, faróis com máscara negra e moldura “esfumaçada”, além de adesivação própria e os logos Effect nas portas dianteiras.

As colunas centrais têm adesivos negros, o para-choque traseiro acompanha extrator de ar e, na dianteira, a grade sai com acabamento piano black. O interessante tom também aparece nas capas dos espelhos e na base da alavanca de câmbio.

No restante do habitáculo, as mudanças aparecem avermelhadas, tanto no novo volante de base achatada e melhor pega, como nos difusores de ar e na costura dos bancos. Painel de instrumentos também recebe grafismo mais jovem.

foto-imagem-onix

Assim como demais versões 1.4, o Effect mostra comportamento honesto. Com 106 cv de potência, tem embreagem hidráulica macia, direção precisa e suspensão de curso longo, que propicia conforto aliado a uma boa dose de estabilidade.

Os pneus 185/65 R15 são os mesmos e acompanham a premissa da suspensão, mas a Chevrolet poderia ter instalado rodas de 16” com pneus de perfil mais baixo. Ao menos visualmente, seria um “algo a mais” junto ao restante do banho de loja.

foto-imagem-onixCusto benefício

Com valor exatamente igual ao da versão de topo (LTZ manual), o Effect perde o acionamento elétrico dos vidros traseiros e dos espelhos retrovisores. Em compensação, o volante esportivo acompanha comandos do sistema MyLink (de série) e do som, disponíveis apenas no LTZ automático. Segundo a GM, a medida se deve ao perfil mais jovem do consumidor para a versão, que geralmente não tem filhos ou pouco usa o banco de trás. Já para os espelhos não há explicação plausível… Quem sabe é porque jovens podem fazer certa ginástica para regular a posição das lentes!

Em relação aos equipamentos de série, a nova versão sai com condicionador de ar eficiente, direção hidráulica, freios ABS e airbags frontais.

Para quem busca um compacto diferenciado visualmente, com tudo que se tem direito (e mais um pouco), a nova versão do Onix é um prato cheio. Grande vantagem é que na hora da revenda, tem tudo para manter bom valor e liquidez – assim como um LTZ.

Vale a pena?

Se você quer se destacar na multidão de carros prata ou preto com cromados, com certeza. Mas se você não é grande entusiasta de adereços esportivos e dá mais valor ao requinte visual de um LTZ, o Effect não é muito convidativo.

Porém, vale olhar melhor este Onix, pois ao vivo, a combinação visual ficou mais feliz que o imaginado. Inclusive no interior, lugar em que mais se olha um carro no uso diário.