Arquivo da tag: adesivos

Envelopar carros – Após o sucesso do preto, branco é cor da vez para adesivar carros

O preto fosco ainda é o preferido entre os adeptos da envelopagem

Envelopar‘ de branco brilhante ou fosco custa de R$ 1,3 mil a R$ 3 mil.
Durabilidade pode chegar a 5 anos; retirada custa R$ 300 a R$ 600.

O preto fosco ainda predomina, mas o branco vem ganhando espaço na moda do ‘envelopamento‘ dos carros no Brasil. A cor, aliás, tem aparecido cada vez mais na pintura original dos veículos, deixando de lado a referência de carro de frota ou táxi, no caso de São Paulo. O empresário Márcio Rodrigues, de São Paulo, queria um carro branco, mas o modelo escolhido não é oferecido nessa cor no país. Ele comprou um prata e optou por adesivá-lo de branco brilhante. “Se não gostasse, sabia que poderia tirar [os adesivos]”, conta. “As pessoas acham diferente, perguntam se estou usando alguma cera.”

Empresário optou por adesivar carro que não é vendido na cor branca

Após adquirir o Hyundai Veloster por R$ 72,4 mil, Rodrigues se informou pela internet sobre o processo de adesivagem e conversou com pessoas que já tinham feito e gostado e com outras que se arrependeram. “Uma pessoa de uma loja me disse que tinha feito no carro dela e mandou tirar não porque não gostou, mas porque tinha ficado cheio de bolhas, o serviço foi mal feito”, explica o motorista de 39 anos. Ele buscou referências, escolheu uma loja e pagou R$ 2 mil pelo envelopamento em branco com alguns detalhes em preto, como no retrovisor e no capô. O empresário se diz satisfeito: “Gosto de carro bonito, não carro de boy”.

Envelopamento do Veloster do empresário tem detalhes em preto

O branco em alta

“Com o crescimento da procura pelos carros brancos, as pessoas estão em busca do acabamento ‘branco brilho’, que imita exatamente a pintura de um carro”, diz Felipe Castelli, de 23 anos, proprietário da loja AF Preto Fosco, de acessórios automotivos.

Segundo ele, a procura cresceu após o Salão do Automóvel de São Paulo no ano passado, quando marcas “premium” como Mercedes-Benz, Audi e especialmente BMW lotaram seus estandes de modelos brancos. A cor também foi muito usada no Salão de Frankfurt, no mês passado.
“Há dois anos te chamariam de louco se você dissesse que iria envelopar seu carro de branco”, lembra Paulo Surya Bento, 45 anos, proprietário de outra loja, a Preto Fosco. “Antes ninguém queria carro branco, pois era cor de táxi. Hoje todo mundo quer.”

Preço

Envelopar o carro em qualquer cor custa entre R$ 1.300 e R$ 3.000, quando utilizado um material de qualidade (normalmente importado e com durabilidade de aproximadamente cinco anos), dizem os especialistas. O preço varia de acordo com o tamanho do veículo e a dificuldade. “Adesivar um Volkswagen New Beetle, por exemplo, é muito mais difícil que um Fiat Punto, por ser mais arredondado”, explica Bento. A aplicação pode demorar de 2 a 3 dias.

Porsche foi adesivado com branco brilhante 

Segundo esses lojistas, aproximadamente 50% dos clientes adesivam o carro por completo (com preto fosco, branco brilhante ou branco fosco); 40% envelopam apenas o teto (normalmente utilizam a cor preta); e 10% aplicam o revestimento em poucas partes do carro, como capô ou retrovisores. Os clientes, dizem eles, normalmente são pessoas consolidadas financeiramente que possuem veículos de alto valor agregado. “Já fiz uns 15 Audi A5”, conta Castelli.

Manutenção

Ao contrário do que muitos imaginam, preservar o adesivo veicular não requer grandes cuidados, mas é necessário evitar excessos ou falta de zelo. Para lavá-lo, bastam água e sabão neutro, dizem os especialistas.

“Em busca de um brilho mais intenso, muitas pessoas aplicam cera automotiva após a lavagem. Essa cera, em reação com o sol, pode causar a corrosão do adesivo”, alerta Castelli. A falta de lavagem frequente do veículo também pode prejudicar a pintura.

Retirada também custa

Segundo Bento, a remoção dos adesivos é simples e rápida. Custa entre R$ 300 e R$ 600, e pode demorar em torno de meio dia. “É importante salientar que, durante a retirada do adesivo, pode ficar um pouco de cola na lataria. Essa cola, porém, pode ser retirada com um removedor próprio”, revela. Ele também nega a possibilidade de a tinta do carro sair junto com o adesivo. “Se a pintura for original, isso não ocorre.”

Carros verdes – Montadoras apostam em carros mais leves para reconquistar consumidor

Com crise, clientes passaram a priorizar carros mais baratos e econômicos.
Novo Fiat Uno entra na geração de modelos com materiais alternativos.

A crise econômica mundial trouxe à indústria automobilística um duplo desafio, o de manter o lucro mesmo com as vendas em queda e o de resgatar antigos clientes, perdidos com a reviravolta da economia global. No pós-crise, é consenso entre as montadoras que os clientes passaram a priorizar carros mais baratos na hora da compra e mais econômicos na hora de abastecer. Para as fabricantes, a saída está na redução do peso dos automóveis, que começam a receber materiais mais leves.
A necessidade de desenvolver carros economicamente viáveis e ambientalmente atrativos dominou os debates do seminário organizado pela Sociedade de Engenheiros da Mobilidade (SAE Brasil), em São Paulo, nesta semana. A conclusão dos especialistas é que, para se adaptar às novas exigências do mercado e às necessidades dos projetos de engenharia, a grande mudança nos carros começará pela troca de materiais – alterações que também atingirão os carros híbridos e elétricos, que sofrem sobrecarga com o peso das baterias.

Não por acaso, hoje fazem parte das linhas de produção matérias-primas que há pouco tempo eram raras: fibras naturais, plásticos e borrachas produzidas por meio de nanotecnologia, alumínio no lugar do aço, adesivos em substituição a soldas, além de cada vez mais compostos reciclados.

No topo da lista de novos recursos está a nanotecnologia (manipulação da matéria em dimensões de 1 a 100 nanômetros), que abre um leque extenso no setor automobilístico, do estofado do carro à limpeza do ar-condicionado. No quesito “peso”, a principal ajuda da revolucionária ciência está nos plásticos. A espessura do pára-choque, por exemplo, pode ser reduzida de 4 mm para até 1,8 mm. Apesar da mudança milimétrica, de acordo com o gerente de engenharia avançada e de materiais da Plascar, Marcio Tiraboschi, a redução de peso é significativa e o custo com materiais diminui bastante.

E quem questiona se a alteração da espessura afetará a qualidade do plástico, a nanotecnologia também traz a resposta. O plástico é manipulado com nanopartículas de argila, que aumentam em até 45% a resistência das peças, inclusive a riscos. Devido a essa propriedade, o “novo” plástico tem sido aplicado no acabamento interno do veículo, como em painéis e consoles. Outra vantagem, é que a alteração garante aspecto mais refinado ao material.

Os pneus ganham papel fundamental na redução do consumo. Com recursos da nanotecnologia é possível diminuir o peso dos pneus e possibilitar menor resistência aos rolamentos, o que também colabora com a economia de combustível. É esse pneu mais “leve” que equipa o Novo Uno, da Fiat.

A inovação na larga aplicação de materiais feitos a partir da borracha e do plástico reduziu o seu peso. O Uno tem 895 kg, sendo que um automóvel médio pesa 1.200 kg. Com a ajuda de alterações também no motor, o modelo chega a fazer 15 km/l de combustível em trechos urbanos e 20 km/l na estrada, de acordo com a fabricante. “É um conjunto de elementos. Estudamos mais para frente a aplicação de fibras naturais nos painéis, entre outras tecnologias”, afirma o gerente de engenharia da Fiat Automóveis, Robson Cotta.

Materiais verdes

Paralelo à nanotecnologia, o uso de materiais verdes têm conquistado espaço nos centros de desenvolvimento de produtos das fabricantes de autopeças. A nova tendência é reduzir a dependência em relação ao petróleo como matéria-prima e partir para recursos “mais verdes”, como o óleo de mamona e as fibras de cana e sisal. Plástico reciclado, como o de garrafa PET, já é transformado em teto para carros. A pintura também pode se tornar menos poluente com o uso de solventes naturais, derivados da cana-de-açúcar.

Solventes naturais, fibra de sisal, materiais reciclados e “bioplásticos” são as principais apostas do grupo PSA Peugeot Citroën. De acordo com o diretor de engenharia industrial e técnica do grupo PSA no Brasil e Mercosul, Luis Zamora, a meta da companhia para 2011 é ter 20% de seus carros composto por materiais verdes. A porcentagem deve passar para 30% em 2015. “O Peugeot 208 terá 35 kg de materiais verdes. Hoje, nosso carro mais ecológico tem 15 kg. É uma tendência”, ressalta Zamora.

A era do aço

Apesar de todos esses materiais substituírem cada vez mais os metais, o carro continuará sendo feito, principalmente, de aço. Por isso, a espessura da lataria começa a diminuir para ajudar na redução de peso. Novas ligas de aço e o maior uso do alumínio, especialmente no cabeçote dos motores, também são alternativas já adotadas por muitas fabricantes, inclusive no Brasil. No caso do alumínio, embora mais leve, ainda é um material caro. Por esse motivo, o uso do metal em maior escala será somente nos carros de luxo. Nos outros segmentos, o material deverá substituir o ferro fundido no cabeçote dos motores.

Outra solução para tornar os veículos mais leves é a substituição dos pontos de solda na carroceria pelos chamados adesivos estruturais de epóxi. Com a mesma propriedade da solda, eles colam as partes de aço ou alumínio, mas não agregam peso ao conjunto. “Outra propriedade positiva do produto é a alta resistência a impactos. Os adesivos também têm custo menor”, afirma o gerente de indústria da Dow Automotive Systems, Pedro de Lima.

Apesar da nova onda tecnológica e de o Brasil ter matéria-prima suficiente para inovar neste campo de materiais alternativos, o país ainda sofre com as barreiras de falta de escala de produção — que barateariam custos com novas tecnologias — e pouco investimentos em pesquisa. O que as fabricantes mais reclamam é da ausência de incentivos para viabilizar a pareceria com centros de pesquisa e universidades.

Fabricantes reclamam da ausência de incentivos para viabilizar a pareceria com centros de pesquisa e universidades

Um exemplo da dificuldade do acesso a recursos, em 2008, o governo brasileiro disponibilizou R$ 70 milhões em crédito para pesquisas na área de nanotecnologia. Em 2009, o valor investido caiu para o patamar de R$ 40 milhões, de acordo com o coordenador geral de micro e nanotecnologia do Ministério da Ciência e Tecnologia, Mário Baibich. A redução da verba foi justificada pela crise mundial, a mesma que, mais tarde, virou argumento para mais investimento tecnológico no resto do mundo.