Google

Confira o que toda motorista deve saber sobre o câmbio do automóvel e dê uma engrenada na sua performance!

Data: agosto 19, 2014
Opiniões
Deixe a sua!
foto-imagem-marchas

Para que você tenha uma relação harmoniosa com as marchas, o primeiro passo é entender como elas funcionam e como usá-las a favor do seu veículo. Acionar o câmbio na hora certa, por exemplo, evita o famoso tranco, economiza combustível e não desgasta o sistema mecânico. Apresentamos as seis principais questões que envolvem as engrenagens para acabar de vez com o mito de que elas são as vilãs de quem está começando a dirigir:

1. Função

No sistema de transmissão do carro, as marchas são o engate da engrenagem do motor com as que movimentam as rodas.“São elas que dão velocidade ao veículo”, afirma a instrutora Cláudia Rubenich, docente do curso de Trânsito do Senac, em Porto Alegre. Dividem-se em dois tipos: as baixas, que exigem mais força e menos velocidade do carro (ré, primeira, segunda e terceira); e as altas, que conferem mais rapidez ao automóvel (quarta, quinta e, em alguns modelos, sexta).

2. Troca

O momento certo é determinado pelo próprio veículo, que “pede” a mudança. Ou seja, o barulho do motor aumenta e é possível sentir o carro levemente travado. Em alguns casos, ao reduzir a marcha, acontece o famoso tranco. “Para evitar isso, deve-se primeiro diminuir a velocidade no freio, em seguida pisar fundo na embreagem, reduzir a marcha e soltar suavemente o pé do pedal”, ensina Cláudia.

3. Conta-giros

Esse instrumento registra o número de rotações do motor. Ele facilita a troca de marchas, pois conta com faixas de marcação que indicam quando o sistema de transmissão está sobrecarregado. Em geral, a mudança deve ser feita a cada mil ou 1,5 mil rotações por minutos. Ao observar o conta-giros, você notará que o marcador se aproxima da faixa vermelha, o que significa que é hora de aumentar ou diminuir a marcha.

4. Na ladeira

Em subidas, é indicado usar mais a força da marcha para depois trocá-la. Na prática, isso significa que é preciso aumentar o tempo das trocas, em relação ao que é feito em pistas planas.

5. Na curva

O ideal é sempre reduzir para a segunda marcha, pois ela confere maior segurança na conversão. “Como o carro fica um pouco ‘preso’, é mais fácil dominá-lo. Já se você fizer a curva em terceira ou quarta marcha, o veículo estará mais solto e rápido”, alerta a professora. Segundo ela, o mesmo procedimento deve ser adotado ao passar por ruas alagadas.

6. Ultrapassagem

Ao realizar a manobra, reduza para uma marcha inferior. Caso esteja numa estrada, à noite, procure avisar o motorista a ser ultrapassado dando piscadas com os faróis.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *