Arquivo da categoria: Volkswagen

Logotipos da BMW, Volkswagen e Fiat – Porque as fabricantes de carros estão mudando seus símbolos?

MONTADORAS MUDAM SEUS LOGOTIPOS PARA SE ADEQUAR AOS NOVOS TEMPOS (FOTO: MONTAGEM SOBRE ARQUIVO)

As marcas querem passar uma imagem moderna e atualizam seus símbolos ao longo dos anos para se adequar a cada momento.

Você já deve ter reparado que muitas marcas estão lançando novos logotipos para seus carros. Desde o início do ano, grandes marcas como BMW, Volkswagen e Fiat já mudaram seu visual para o grande público. Mas o que explica esse fenômeno?

É até bem simples: se adequar aos novos tempos. Com cada uma das novas fases das montadoras, que vão desde se adequar aos novos tipos de motores até fenômenos do momento, a imagem pela qual a empresa é reconhecida se torna muito importante.

Durante a pandemia do coronavírus, por exemplo, Volkswagen e Audi fizeram logotipos especiais para fortalecer o distanciamento social. Ou, como ocorreu após o caso do Dieselgate, a Volkswagen queria sinalizar ao mercado uma mudança interna para passar maior confiabilidade.

“É um movimento muito amplo e robusto que está ancorado em três pilares: novos produtos, experiência do consumidor e comunicação”, afirma a Fiat. Segundo a montadora, existem dois pilares nessa “reconstrução do ícone visual” da marca.

“O primeiro delas é a Fiat Flag, que é a representação visual da italianidade. As quatro linhas homenageiam a origem italiana da companhia de um modo único e atual. O segundo ícone visual é o Fiat Script, que substitui o escudo bordô. Além de carregar a história da marca, traz mais simplicidade e modernidade para visualizar a identidade da marca”.

Mas o recente fenômeno é explicado pela nova fase dos motores híbridos e elétricos ganhando destaque no mercado. Assim, as marcas planejam mostrar a preocupação com questões atuais, tais como tecnologia, sustentabilidade e preocupação ambiental.

Segundo João Veloso Jr., Diretor de Comunicação Corporativa do BMW Group Brasil, o novo logotipo é baseado em quatro pilares da empresa: eletrificação, conectividade, compartilhamento e autonomia. “É uma expressão mais emocional. Esse conceito antecipou diversas tendências de como serão algumas das novas tecnologias e design em um futuro próximo”, afirma ele.

Junto com a era digital e elétrica, as montadoras também se preocupam com as plataformas nas quais esses logotipos são expostos. Se a exposição da marca era feita majoritariamente em outdoors ou revistas, hoje ela aparece principalmente nos tablets e celulares.

Com traços mais limpos e menos detalhes como simulações de 3D, sombreados metálicos e cores chamativas, esses logotipos modernos são ideais para o reconhecimento rápido nas plataformas digitais. Muitas delas têm, inclusive, se valido de versões minimalistas para “despoluir” a visão em telas cada vez menores.

Fim da linha para os carros da Volkswagen: Gol, Up, Fox, Voyage e Saveiro – Ausência de equipamentos de segurança é o motivo

Encosto de cabeça e cinto de segurança de três pontos são itens tão comuns que muitos até desconhecem a existência de modelos que não possuem o equipamento em todas as posições. Mas esses carros existem, e têm data para acabar: 28 de janeiro de 2020.

É nesse dia que serão completados cinco anos da publicação da portaria 518/2015 do Contran. Ela obriga que a maioria dos veículos vendidos no Brasil tenham encosto de cabeça e cinto de três pontos retrátil para todos os ocupantes, além de ao menos um assento com pontos de fixação para cadeirinhas do tipo Isofix e Latch.

FIXAÇÃO ISOFIX/LATCH GARANTE A ANCORAGEM CORRETA DA CADEIRINHA (FOTO: DIVULGAÇÃO)

As exceções ficam para modelos do tipo 2+2 (como o Civic Si e Porsche 911), conversíveis e modelos com só uma fileira de bancos, como picapes e vans comerciais.

Quase todas as marcas generalistas terão que atualizar ao menos um modelo, mas a mais afetada é a Volkswagen: Up!, Gol, Voyage, Saveiro e Fox não se enquadram em um ou mais quesitos da legislação.

FIXAÇÃO ISOFIX/LATCH GARANTE A ANCORAGEM CORRETA DA CADEIRINHA (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Faltam a Up!, Gol e Voyage o cinto de segurança de três pontos, enquanto no Fox não há encosto de cabeça central. Do quarteto, só o Up! já tem Isofix/Latch nos bancos traseiros.

A Volkswagen do Brasil não respondeu ainda se os modelos serão adaptados ou irão sair de linha.

FIXAÇÃO ISOFIX/LATCH GARANTE A ANCORAGEM CORRETA DA CADEIRINHA (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Do ponto de vista técnico a adição de cinto e encosto não é tão complexa. Isso porque a Saveiro cabine dupla já tem os itens para todos os ocupantes, e a migração dos equipamentos para Gol e Voyage, que derivam do mesmo projeto, seria mais fácil.

O grande problema é a colocação do Isofix/Latch. Esses pontos de ancoragem são responsáveis por manter a cadeirinha estável em acidentes, e por isso são realizadas soldagens diretamente ao monobloco do carro.

O UP! NACIONAL TEM ISOFIX E ENCOSTO CENTRAL, MAS FALTA O CINTO DE TRÊS PONTOS (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Por conta disso, e também pela exigência legal, essas mudanças requerem novos ensaios de crash-test. E isso não é barato: cada batida custa R$ 400 mil para a Volkswagen.

O Up! tem o mesmo problema, mas há uma solução menos cara — e ousada — que a marca poderia tomar. Bastaria à Volkswagen homologar o compacto como um veículo de quatro lugares, como já ocorre na Europa.

NA EUROPA O UP! SÓ LEVA DUAS PESSOAS NO BANCO TRASEIRO (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Mas isso, além de gerar novos custos, poderia sacrificar as vendas do Up!. A decisão de preparar o carro para cinco pessoas na América do Sul, inclusive, foi para ampliar o mercado do modelo, evitando repetir o que houve com a primeira geração do Ford Ka, que só podia levar quatro pessoas.

A lógica garante a sobrevida do quarteto, mas é possível que o Fox não sobreviva à mudança na legislação. Com projeto antigo e sem ter uma nova geração no horizonte, o hatch que já vinha perdendo versões pode sair de linha na virada do ano.

Copia dos irmãos

AS VERSÕES MAIS CARAS DO UNO JÁ OFERECEM ENCOSTO CENTRAL E CINTO DE TRÊS PONTOS PARA TODOS (FOTO: DIVULGAÇÃO)

Modelos de outras marcas também precisarão se adequar. Entre os afetados estão Fiat Mobi, Uno e Doblò, Citroën C3 e Aircross, Renault Duster, Oroch e Kwid e Nissan March e Versa.

A diferença é que a maioria deles já ofereceu os itens obrigatórios em mercados mais exigentes, sobretudo a Europa. Assim, basta às fabricantes adotar os equipamentos e apresentar os ensaios de segurança que já haviam sido feitos nas versões europeias — desde que a estrutura de ambos seja igual.

COLOCAR ISOFIX NO MOBI NÃO SERÁ DIFÍCIL: A VERSÃO PARA A ARGENTINA JÁ VEM COM ELE DESDE O LANÇAMENTO 

O caso do Uno é ainda mais simples: ele já tem os equipamentos, mas como opcionais. O que muda é que agora passam a ser de série.

A Renault deve adotar uma postura mais drástica com o Duster. Sem cinto de três pontos e Isofix, o SUV pode simplesmente deixar de ser produzido na virada do ano.

Menos radical seria adotar o banco da Oroch — que também não tem Isofix —, mas às vésperas de mudar de geração, é mais fácil aguardar a estreia do novo Duster. A picape também será reestilizada, mas deve ganhar os pontos de fixação antes disso.

Por fim, é certo que o recém-lançado Kwid também será atualizado, e a mudança irá ocorrer antes mesmo de sua primeira reestilização, prevista para 2021.

Volkswagen T-Cross registrou o melhor mês em vendas desde que foi lançado, ocupando um inédito lugar no pódio no ranking de vendas de SUVs compactos

O Volkswagen T-Cross parece enfim estar se estabelecendo no mercado brasileiro. Após uma estreia um tanto morna nas concessionárias, o SUV compacto parece estar embalando rumo ao patamar de vendas esperado pela marca.

Em agosto de 2019, o modelo foi responsável por 4.224 emplacamentos, recorde desde que foi lançado. É mais do que os 4.054 e 3.887 exemplares alcançados por Honda HR-V e Nissan Kicks, respectivamente, no mesmo período.

Os dados são da Fenabrave (associação nacional dos concessionários). Apesar dos números positivos, o T-Cross não passou da 20ª posição no ranking geral de emplacamentos da entidade.

Além disso, ele ficou distante dos 5.188 Jeep Renegade (14º no geral) e, mais ainda, dos 6.643 Hyundai Creta (nono) vendidos ao longo dos 31 dias do mês recém-encerrado. Este último, por sinal, foi o SUV mais comercializado no intervalo.

Nenhuma surpresa na ponta da lista. Mesmo perto de mudar, o Chevrolet Onix vendeu 22.396 unidades em agosto, ocupando o topo da tabela de maneira disparada.

São mais de 13 mil carros de vantagem sobre o  Ford Ka, vice-líder. O Hyundai HB20 desta vez terminou em terceiro, logo à frente de dois carros de entrada, VW Gol e Renault Kwid.

O Chevrolet Prisma segue firme como sedã mais emplacado, ocupando o sexto posto no geral, enquanto a Fiat Strada (oitava colocada) continua a ser a picape mais vendida.

Confira a lista dos 25 automóveis e comerciais leves com maior número de vendas em agosto:

Posição Modelo Unidades vendidas
Chevrolet Onix 22.396
Ford Ka 9.140
Hyundai HB20 8.187
VW Gol 7.848
Renault Kwid 7.455
Chevrolet Prisma 7.251
VW Polo 6.815
Fiat Strada 6.725
Hyundai Creta 6.643
10º Fiat Argo 6.560
11º Fiat Mobi 5.418
12º Fiat Toro 5.382
13º Renault Sandero 5.347
14º Jeep Renegade 5.188
15º Jeep Compass 4.843
16º Toyota Corolla 4.621
17º Ford Ka Sedan 4.593
18º VW Virtus 4.334
19º VW Saveiro 4.235
20º VW T-Cross 4.224
21º Honda HR-V 4.054
22º Nissan Kicks 3.887
23º Hyundai HB20S 3.536
24º Toyota Hilux 3.300
25º Chevrolet S10 3.053

O T-Roc é um SUV cupê derivado do Golf. O veículo é comercializado apenas na Europa

O Volkswagen T-Roc, que é um SUV cupê derivado do Golf, ganhou uma nova configuração: Cabriolet.

Isso mesmo, embora seja considerado um SUV, o veículo não perde seus traços esportivos e agora a Volkswagen deu a versão conversível ao modelo, assim como a Land Rover fez com o Evoque.

Para o chefe de projeto do veículo, Klaus Bischoff, “o T-Roc Cabriolet leva no design a experiência de liberdade na condução. Redefinimos a CUV como um produto de estilo de vida emotivo que combina poder e estilo de uma maneira única”, disse.

Pouco conhecido do público brasileiro, o T-Roc é vendido apenas na Europa. O SUV cupê já emplacou cerca de 360 mil unidades desde seu lançamento.

A nova versão é produzida sobre a plataforma do Tiguan. São 4.268 mm de comprimento e uma distância entre eixos de 2.630 mm. São 1.811 mm de largura e 1.522 mm de altura

Embora tenha um design que mistura um SUV com um cupê esportivo, o T-Roc acabou abandonando o lado “família” dos SUVs ao sair de fábrica com um porta-malas de 284 L, sendo menor que o do Golf 1.4 TSi Highline: 313 L. O Tiguan Allspace 1.4 tem um porta-malas de 710 L.

O veículo será disponibilizado em duas versões. A versão mais simples é equipada com motor a gasolina 1.0 turbo de 115 cv e 20,39 mkgf, com câmbio de manual de seis marchas.

Enquanto isso, a outra vem com motor a gasolina 1.5 turbo de 150 cv e 25,49 mkgf, com câmbio automatizado de dupla embreagem e sete velocidades.

Capota, segurança e acessórios

Assim como o Golf e o Beetle Cabriolet, o T-Roc tem capota almofadada correndo em trilhos. A estrutura pode ser acionada enquanto o veículo está em movimento, desde que não ultrapasse os 30 km/h. Após o acionamento, demora nove segundos para concluir a ação, segundo a empresa.

Para a segurança dos usuários, o T-Roc vem equipado com uma proteção contra capotamento que fica atrás dos bancos traseiros.

O sistema é acionado caso o veículo apresente uma velocidade lateral fora do normal, indicando que haverá capotamento. Quando isso acontece, a proteção salta ficando acima da cabeça dos usuários e espera o impacto.

O cabriolet ainda promete ficar o tempo todo conectado. O SUV terá uma nova central de entretenimento disponível com acesso à internet.

Tudo isso ficará disponível em uma tela de até oito polegadas. O T-Roc conversível manteve o painel digital já oferecido como opcional do Golf GTI nacional.

O comprador terá disponível, além da linha convencional, a esportiva: R-Line. Poderá ainda escolher entre rodas de 17? (padrão) ou 19? e as cores do interior, feito em couro.

Primeira versão esportiva do hatch nacional recebia um tempero de Golf GTI para desfazer a má fama de hatch com desempenho fraco

indústria automobilística nacional é notória pelo número de  modelos desenvolvidos especificamente para o mercado brasileiro.

Uma das histórias mais interessantes é a do Gol GT, versão esportiva que surgiu para corrigir o destino do automóvel que liderou o ranking de vendas durante 27 anos consecutivos.

O Gol foi a grande novidade da Volkswagen em 1980, a esperança da marca para repetir o sucesso que o Golf teve na Alemanha em 1974 ao suceder o Fusca.

Só havia um problema: em vez de utilizar os motores EA111 e EA827 refrigerados a água, a filial de São Bernardo do Campo insistiu no 1.3 refrigerado a ar herdado do Fusca.

Era um paradoxo: um carro bonito, moderno e estável sabotado por uma mecânica com mais de 40 anos.

Seu desempenho era capaz de irritar até o mais pacato dos motoristas: máxima de 124,67 km/h e 0 a 100 km/h em 30,27 segundos. Um automóvel fraco na cidade e perigoso nas rodovias.

A má fama fez com que o Gol encalhasse nas concessionárias, o que não ocorreu com o sedã Voyage em 1981 e a perua Parati em 1982.

A boa aceitação de ambos se deu em parte em função dos eficientes motores 1.5 e 1.6 refrigerados a água do Passat, similares ao utilizado pelo Golf alemão. A solução apareceu em abril de 1984.

“O Gol GT foi uma iniciativa do diretor de engenharia na época, Philipp Schmidt”, conta o designer Gerson Barone, 40 anos dedicados à VW. “Era um alemão inovador e extremamente exigente, com forte obsessão pela qualidade e tecnologia”.

O Gol esportivo era impulsionado por um inédito motor de 1,8 litro e potência declarada de 99 cv, bem acima dos 81 cv do Voyage e da Parati.

Era o suficiente para levar seus 934 kg de 0 a 100 km/h em menos de 11 segundos, com máxima beirando os 170 km/h. Boa parte desse desempenho vinha do comando de válvulas, o mesmo do Golf GTI alemão.

O esportivo de Wolfsburg também serviu de inspiração para a decoração esportiva: faróis redondos de longo alcance, pneus 185/60 em rodas Avus aro 14, grade na cor da carroceria, defletor dianteiro e um belo escapamento de saída dupla.

O comportamento dinâmico estava à altura do novo motor: a suspensão dianteira recebeu molas mais rígidas e barra estabilizadora mais grossa e os amortecedores foram recalibrados.

As pinças de freio foram redimensionadas e a direção adotou relação mais lenta em função dos pneus largos.

O conjunto ótico dianteiro era o usado no Voyage e na Parati, com enormes faróis retangulares ladeados por piscas verticais.

Na traseira havia um aplique preto fosco entre as lanternas e na tampa, e o vidro recebeu um adesivo com a inscrição GT. A cilindrada era orgulhosamente exibida por adesivos na traseira e laterais.

O capricho se repetia no interior: bancos esportivos Recaro, volante de quatro raios do Passat TS, conta-giros e console com relógio digital.

O câmbio de quatro marchas foi substituído no ano seguinte por outro de cinco, mas a relação final de transmissão permanecia inalterada, com velocidade máxima na última marcha.

Era mais ágil que o Ford Escort XR3, limitado pelo arcaico motor 1.6 e comando de válvulas no bloco. Logo ganhou a companhia do Passat GTS Pointer, que adequou a mesma receita a um perfil familiar.

O motor AP foi adotado em meados de 1985, com bielas mais longas para melhor rendimento e funcionamento mais suave.

Poucas alterações foram realizadas até o encerramento da produção, em 1986: foram adotados faróis de neblina, regulagem de altura para o banco do motorista e o belíssimo volante “quatro bolas”.

Outro concorrente de respeito foi o Monza S/R, mas a tarefa de enfrentá-lo foi repassada ao sucessor GTS, que surgiu em 1987 com as belas rodas “pingo d’água” e aerofólio traseiro.

 

Ficha técnica: VW Gol GT 1986

  • Motor: longitudinal, 4 cilindros em linha, 1.781 cm3, comando de válvulas no cabeçote, carburador de corpo duplo; 99 cv a 5.600 rpm; 14,9 mkgf a 3.600 rpm
  • Câmbio: manual de 5 marchas, tração dianteira
  • Dimensões: comprimento, 384,6 cm; largura, 160,1 cm; altura, 137,5 cm; entre-eixos, 235,8 cm; peso, 934 kg
  • Pneus: 185/60 R14

Desempenho (Teste janeiro de 1986)

  • Aceleração: 0 a 100 km/h: 10,61 s
  • Velocidade máxima: 167,83 km/h
  • Consumo: 6,88 km/l (urbano) e 11,13 km/l (rodoviário)
  • Preço: Cr$ 13.218.589 (mai/84)
  • Atualizado: R$ 117.600 (IPC-A/IBGE)

Montadora quer que a nova geração do hatch seja referência em conectividade

A Volkswagen tem novos planos para o Golf. De acordo com fontes do Automotive News Europe, a montadora pretende começar a produção em setembro e apresentar a oitava geração do seu icônico hatch médio em outubro.

Os projetos da Volkswagen para o novo Golf passaram por algumas idas e vindas. A ideia original era mostrá-lo no Salão do Automóvel em Frankfurt, que tradicionalmente acontece em setembro. Mas o plano foi deixado de lado para que o foco do evento seja o novo ID, primeiro modelo da linha de veículos totalmente elétricos. Posteriormente, falhas eletrônicas teriam feito com o que seu lançamento fosse adiado para fevereiro, o que foi negado.

A intenção da Volkswagen é que a nova geração do hatch seja referência na indústria quando se trata de conectividade do painel — o que envolve muitas linhas de código, o trabalho de dezenas programadores e diversos bugs no sistema.

Dentre as facilitações prometidas está um app que permite que o motorista destranque as portas com uma chave digital, acionada via celular.

 

Sedã terá duas versões Comfortline e R-Line. Mas nenhuma se iguala ao antigo 2.0 TSI

Enfim, a nova geração do Volkswagen Jetta chegou. O sedã começa a ser vendido no Brasil em outubro em duas versões: Comfortline 250 TSI, por R$ 109.990, e R-Line 250 TSI, por R$ 119.990.

Desta vez o motor é sempre 1.4 TSI de 150 cv de potência e 25,5 mkgf de torque (ou 250 Nm, de onde vem o número 250 do nome). E o câmbio é sempre automático de seis marchas.

Por enquanto, nem nos Estados Unidos, nem no México — onde é fabricado — existe uma versão à altura do antigo Jetta 2.0 TSI.

O Jetta 2019 é um exemplar da sétima geração, a primeira a usar a plataforma modular MQB, que serve de base para a maioria dos VW recém-lançados. Por conta da nova plataforma, o Jetta ficou maior.

Ele cresceu 4,3 cm no comprimento; 2,1 cm, na largura, e 1 mm, na altura. Totalizando 4,7 m de comprimento, 1,8 m de largura e 1,47 m de altura. Na distância entre-eixos o aumento foi de 3,7 cm. Agora, o sedã tem 2,69 m.

Cinco ocupantes viajam com conforto. O porta-malas manteve a capacidade em 510 litros.

Visualmente as mudanças também são radicais. O sedã abandonou o design equilibrado da sexta geração em favor de um estilo mais ousado.

Na dianteira, a grade trapezoidal remete ao sedã Arteon (que a VW comercializa na Europa). O capô ganhou um ressalto no centro. E, na lateral, os vincos foram acentuados.

A traseira também é nova, mas nasceu à imagem e semelhança do sedã compacto Virtus.

Por dentro, o parentesco do Jetta com o Virtus também é inegável. Mas as semelhanças podem ser creditadas ao que os designers chamam de family feeling ou identidade de marca.

O Jetta tem um interior mais imponente, na forma e no conteúdo. Seu painel é mais elaborado, com maior variação de níveis e mistura de materiais. Na parte superior, o revestimento é emborrachado.

Desde a versão Comfortline, o Jetta é bem equipado. Ele conta com ar-condicionado, seletor de modos de condução, faróis e luzes diurnas DRL com leds, sensor de estacionamento dianteiro e traseiro, seis airbags, bancos com revestimento que imita couro e rodas de liga-leve.

A cabine tem iluminação ambiente com a possibilidade do motorista escolher a cor que mais gosta, entre dez opções disponíveis.

No que diz respeito à conectividade, a central multimídia Discovey Media é compatível com os sistemas Apple Carplay e Android Auto, aciona ajustes do carro e de dispositivos como GPS e ainda permite o uso de dois aplicativos.

Um deles é o que permite a consulta ao Manual do Proprietário por meio de digitação ou oralmente.

O outro é o que possibilita controlar as principais funções da central por através do celular. A seleção musical da viagem pode ser controlada pelo passageiro do banco de trás, por exemplo, enquanto o motorista se ocupa da estrada.

Além de todos esses recursos de conforto, o Jetta traz também um pacote de sistemas eletrônicos de segurança.

A  lista inclui auxiliar de partidas em rampas, frenagem de emergência para manobras de ré (se o motorista desobedecer aos alertas do sistema de estacionamento, o sistema freia o carro antes de bater) e bloqueio eletrônico de diferencial (ajuda a contornar as curvas freando a roda interna à trajetória e jogando o torque para a roda externa).

A versão R-Line é ainda mais completa com o acréscimo de recursos como quadro de instrumentos digital, piloto automático adaptativo, alerta de distância do carro à frente, freio de emergência, detector de fadiga, sistema de frenagem pós-colisão (para evitar que o veículo continue em movimento após uma batida vindo a se chocar novamente com outro obstáculo) e farol alto com regulagem automática (para evitar ofuscamento).

TUDO SOBRE O NOVO VOLKSWAGEN GOL AUTOMÁTICO

É a primeira vez que o Volkswagen Gol ganha câmbio automático de verdade. Esqueça o automatizado I-motion. Descubra tudo sobre o hatch compacto com motor 1.6 de 120 cv e câmbio automático de seis marchas.

Ficha técnica

Motor: Dianteiro, transversal, 4 cil. em linha, 1.6, 16V, comando duplo, injeção eletrônica, flex
Cilindrada: 1.598 cm³
Potências(s): 110/120 cv a 5.750 rpm
Torque(s): 15,8/16,8 kgfm a 4.000 rpm
Velocidade máxima (fabricante): 185 km/h
Câmbio: Automático sequencial de seis marchas
Direção: Hidráulica
Suspensão: Indep. McPherson (diant.) e eixo de torção (tras.)
Freios: Discos ventilados (diant.) e tambores (tras.)
Pneus e rodas: 195/55 R15
Tração: Dianteira
Carroceria: Hatch, 4 portas, 5 lugares
Comprimento: 3,89 m
Largura: 1,65 m
Altura: 1,47 m
Entre-eixos: 2,47 m
Tanque de combustível: 55 litros
Peso (ordem de marcha): 1.040 kg
Porta-malas (fabricante/Autoesporte): 285/294 litros

Cesta de peças: R$ 3.665,02
Revisões até 30 mil km: R$ 1.249,65
Garantia: 3 anos
Consumo cidade/estrada: 8,0 / 12,1 km/l

Aceleração

0-100 km/h: 11 segundos
0-400 metros: 17,6 segundos
0-1.000 metros: 32,2 segundos
Velocidade a 1.000 metros: 164,1 km/h
Velocidade real a 100 km/h: 96 km/h

Retomada de velocidade

40-80 km/h: 5 segundos
60-100 km/h: 6,2 segundos
80-120 km/h: 7,5 segundos

Frenagens

100-0 km/h: 40,4 metros
80-0 km/h: 25,6 metros
60-0 km/h: 14,7 metros

Veja como fica os preços de Gol e Voyage:

Gol Track 1.0 Manual de 5 velocidades: R$ 44.990
Gol 1.6 Manual de 5 velocidades: R$ 50.780
Gol 1.6 Automático de 6 velocidades: R$ 54.580

Voyage Trendline 1.0 Manual de 5 velocidades: R$ 52.640
Voyage Trendline 1.6 Manual de 5 velocidades: R$ 56.640
Voyage 1.6 Automático de 6 velocidades: R$ 59.990

Picape compacta da Volkswagen agora tem preços entre R$ 49.440 a R$ 82.180

As concessionárias da Volkswagen já estão vendendo a linha 2019 da Saveiro. Com a atualização de ano/modelo, os preços da picape compacta ficaram um pouco maiores, aumentando até R$ 1.620. Além disso, a gama de versões ficou mais enxuta e agora conta com seis configurações.

A versão de entrada da Saveiro, a Robust de cabine simples, motor 1.6 com 104 cv de potência e câmbio manual de cinco marchas, aumentou R$ 1.050, passando de R$48.390 para R$ 49.440. Tanto ela quanto a opção com cabine dupla receberam calotas com novo design. O modelo 2019 da Saveiro Trendline ganhou o mesmo “mimo”, além do novo valor de R$ 61.190, R$1.300 a mais do que antes.

Já a Saveiro Pepper, com cabide dupla, motor 1.6 de 104 cv de potência e câmbio manual de cinco marchas, teve o maior aumento. Se antes o modelo saia por R$ 73.290, agora passou a custar R$ 74.920. Tanto ela quanto a opção com cabine estendida (agora valendo R$ 71.610) não receberam atualizações.

A última mudança ficou por conta do modelo topo de linha da gama. A Saveiro Cross 2019 agora pode ser equipada com revestimento dos bancos em Native na cor marrom. Com um aumento de R$ 1.490, a picape passou de R$ 80.690 para R$ 82.180.

Todos os preços da Volkswagen Saveiro:

Saveiro Robust Cabine Simples 1.6 – R$ 49.440 (+ R$ 1.050)

Saveiro Trendline Cabine Simples 1.6 – R$ 61.190 (+ R$ 1.300)

Saveiro Robust Cabine Dupla 1.6 – R$ 61.780 ( + 1.330)

Saveiro Pepper Cabine Estendida 1.6 – R$ 71.610 (+ R$ 1620)

Saveiro Peppers Cabine Dupla 1.6 – R$ 74.920 (+ 1.630)

Saveiro Cross Cabine Dupla 1.6 – R$ 82.180 (+ R$ 1.490)

Linha mais enxuta

A gama de versões da Volkswagen Saveiro ficou mais enxuta em 2019. Com a atualização, o modelo perdeu três configurações: a Saveiro Trendline com cabine dupla e motor 1.6, Saveiro Highline com cabine dupla  a Saveiro Cross com cabine estendida.

Últimas unidades do Golf atual são negociadas com descontos que variam de R$ 10 mil a R$ 20 mil

A tão aguardada reestilização do Volkswagen Golf chegará às lojas no mês que vem com um belo upgrade de tecnologia. Mas, enquanto o facelift não começa a ser comercializado por aqui, as últimas unidades do modelo atual estão sendo negociadas nas lojas com descontos de até R$ 20 mil. Para quem sempre namorou o hatch, agora pode ser a chance de levar um para a garagem.

Os descontos mais generosos estão sendo oferecidos para o Golf GTI,  a única versão a contar com motor 2.0 turbo de 220 cv combinado ao ligeiro câmbio automático DSG de dupla embreagem e seis marchas. Em uma concessionária de São Paulo, o Golf GTI sem pacote adicional pode ser encontrado por R$ 114 mil, valor quase R$ 21 mil menor que o de tabela, que hoje é de R$ 134.870.

Outra revenda  da cidade está ofertando o hatch por R$ 133.900, mas ele já vem equipado com o pacote Exclusive, que adiciona ACC (controle automático de distância e velocidade com limitador de velocidade), faróis bixenônio inteligentes com luz diurna de LED, seletor de modos de condução e sistema de monitoramento frontal e freio de emergência automático para trânsito. Com esse kit, o preço de tabela do carro seria R$ 152.825. Ou seja, o desconto é de R$ 19 mil.

Segundos os lojistas, a configuração de entrada versão de entrada Comfortline já não existe mais nos estoques, mas ainda há algumas unidades daversão Highline, a mais completa com motor 1.4 turbo de 150 cv. Os descontos, nesse caso são menores, mas ainda consideráveis. Em três das lojas consultadas na capital paulistana, o desconto pode chegar a R$ 10 mil. Sugerido por R$ 116 mil, é possível encontrar o modelo equipado com pacote Elegance (com sistema de acesso ao veículo sem o uso da chave e botão para partida do motor, seletor com modos de condução, rodas de 17 polegadas) por R$ 106 mil.