Arquivo da categoria: Fit

Novo honda Fit

foto-imagem-fitA Honda confirmou nesta sexta-feira, 4 de abril, o lançamento do novo Fit no final de abril. Lançado em 2001, o modelo chega a sua terceira geração com design mais esportivo, mais moderno e bem equipado.

O carro será vendido em quatro versões de acabamento (DX, LX, EX e EXL), com opção de transmissão manual ou automática do tipo CVT (continuamente variável). Visualmente, o Fit inaugura a nova identidade visual da marca, que será aplicada nos futuros lançamentos da Honda. Frente a seu antecessor, os faróis ficaram menores, a grade frontal foi completamente redesenhada (a peça, aliás, é exclusiva do modelo nacional) e as lanternas agora têm uma extensão que envolve parte das colunas “C”. No geral, o carro perdeu um pouco o ar de minivan, graças ao design mais esportivo.

O interior também foi completamente renovado, adotando traços mais retilíneos. A versatilidade continua sendo uma de suas marcas registradas, com o sistema de rebatimento do banco traseiro ULT (Utility Long Tall), agora incluindo o modo “Refresh“, que permite reclinar totalmente os bancos do motorista e do passageiro da frente.

foto-imagem-honda-fit

 

O Fit chega às revendas somente na motorização 1.5 i-VTEC, entregando até 116 cv a 6.000 rpm e torque máximo de 15,3 mkgf a 4.800 rpm se abastecido com etanol. O conjunto, que já era utilizado no modelo anterior, passou por várias melhorias, incluindo aumento da taxa de compressão, comando de válvulas redesenhado e redução no atrito e no peso, aumentando o torque em baixa rotação e melhorando os números de aceleração e consumo. Ele também traz a tecnologia Flex One, que dispensa o reservatório de partida a frio.

A marca ainda não divulgou a lista completa dos itens de série e opcionais, mas revelou que as versões EX e EXL terão sistema de som com rádio AM/FM e tela LCD de cinco polegadas, integrando Bluetooth, câmera de ré, reprodução de arquivos nos formatos MP3 e WMA e entradas auxiliares P2 e USB. Já a versão LX terá rádio AM/FM com entrada USB. Direção com assistência elétrica e cintos de segurança de três pontos para todos os ocupantes fazem parte da lista de equipamentos de série para todas as versões.

O novo Fit terá sete opções de cores, incluindo a inédita tonalidade metálica Azul Netuno. Assim como no antigo modelo, a garantia será de três anos sem limite de quilometragem. Os preços variam entre R$ 49.900 no Fit DX com câmbio manual e R$ 65.900 no Fit EXL com transmissão CVT.

Veja abaixo a lista de preços da linha Fit 2015:

Honda Fit DX (manual): R$ 49.900
Honda Fit DX (CVT): R$ 54.500
Honda Fit LX (manual): R$ 54.200
Honda Fit LX (CVT): R$ 58.500
Honda Fit EX (CVT): R$ 62.900
Honda Fit EXL (CVT): R$ 65.900

Fotos do novo Honda Fit reestilizado, preço a parte de R$ 51.800

Visual do Fit 2013 segue proposta conservadora da Honds no mundo

Versão top ficou R$ 4.000 mais barata na linha 2013

A Honda já comercializa em todo o Brasil a linha 2013 do compacto Fit, redesenhado para acompanhar as mudanças de estilo feitas no modelo mundo afora. Na prática, essa reestilização segue o padrão conservador da marca japonesa, com alterações sutis no desenho, que permanece basicamente o mesmo. A maior novidade está na dianteira. O para-choque ficou mais esportivo (com a tomada de ar central maior) e os faróis foram levemente retocados – as bordas estão arredondadas e as seções de luz formam elipses.

O traço mais marcante da pequena plástica do Fit, no entanto, é a grade frontal, agora cromada em quase todas as versões (exceto na básica DX). Nas laterais, quase não se nota, mas os para-lamas dianteiros ganharam um novo vinco em arco, que contorna as caixas de roda. Já na traseira, só o para-choque foi modificado – a base ganhou duas seções afiladas, que simulam saídas de escape e tentam conferir esportividade. De resto, nada foi alterado, inclusive por dentro. Ali, só mudou o som, que ganhou conexão USB.

Honda não mexeu na motorização e na mecânica do compacto: motores seguem os 1.4 e 1.5

Leque de versões foi “enxugado”

Nesta revisão de “meia vida”, a Honda também não mexeu na mecânica. O Fit segue equipado com os eficientes blocos compactos 1.4 e 1.5 litro i-VTEC, ambos flex (as potências máximas são de 100/101 cv e 115/116 cv, com gasolina e etanol). Os câmbios permanecem os mesmos: manual e automático de cinco marchas. Uma novidade é que a configuração intermediária superior EX, com câmbio automático, passa a vir de fábrica com borboletas atrás do volante – antes o item era restrito à versão top EXL.

Versão EX já vem com trocas de marchas por borboletas atrás do volante de série

Uma mudança importante no Fit 2013 é o aumento do tanque de combustível, que foi de 42 para 47 litros. Já o leque de versões foi enxugado de nove para seis: a DX passa a ser oferecida apenas com a transmissão manual, a LX ganhou ABS com EBD para os freios (o que extinguiu a configuração LXL) e a EX automática ganhou os paddle-shifts no volante. A Honda diz que o Fit mais caro responderá por 20% das vendas, com o restante para as demais configurações. E 65% dos modelos produzidos serão automáticos.

Primeiras impressões: tudo como antes

A Honda recorreu, mais uma vez, à máxima de que “não se mexe em time que está ganhando”. Nesta reestilização do Fit, quase nada foi alterado. As mudanças estéticas buscaram apenas dar um ar de novidade ao monovolume, que segue sendo o campeão de vendas da fábrica japonesa no país – em 2001 foram quase 29 mil unidades vendidas. Sem mudanças mecânicas ou de engenharia, o modelo segue exatamente o mesmo ao volante, o que não é algo ruim. Ao contrário. O pequeno Honda é muito bem acertado.

Por dentro, o acabamento transmite qualidade, apesar do uso excessivo de plásticos. A grande variedade de nichos e a ampla visibilidade são outros pontos altos, assim como os ajustes mecânicos e de engenharia. O câmbio manual tem trocas justas e precisas, enquanto o automático é suave nas mudanças. A direção elétrica também agrada pela precisão e rapidez das respostas. Já a suspensão segue o padrão Honda e é bem rígida. Mas no geral o Fit tem um rodar agradável e transmite segurança e refino ao volante.

Confira os preços por versão do novo Honda Fit 2013 (entre parênteses os preços anteriores à reestilização):

Fit DX Manual – R$ 51.800 (R$ 51.805)
Fit LX Manual – R$ 55.700 (R$ 54.905)
Fit LX Automático – R$ 58.900 (R$ 58.905)
Fit EX Manual – R$ 62.120 (R$ 61.715)
Fit EX Automático – R$ 65.720 (R$ 65.720)
Fit EXL Automático – R$ 67.720 (R$ 71.720)

Recall no Honda Fit – Empresa convoca quase um milhão de carros no mundo

A matriz da Honda, no Japão, anunciou nesta segunda-feira (5) um recall mundial de cerca de 960 mil veículos – a maioria do compacto Fit. De acordo com a montadora, foi detectado um problema no interruptor do comando elétrico do vidro dianteiro esquerdo (de uso do motorista). Em comunicado oficial, a Honda japonesa informou que o chamado no País envolve unidades do Fit produzidas entre os outubros de 2005 e de 2009.

Ainda segundo a Honda, o recall também envolve 80.111 unidades do crossover CR-V produzidas em 2006 – o problema também está no interruptor do vidro. A montadora diz que não foram registrados acidentes por conta do defeito, apenas relatos de aquecimento da peça. Para solucionar o caso, a montadora vai substituir o interruptor. A Honda do Brasil ainda não informou se o chamado afetará unidades do Fit ou do CR-V mexicano.

O sedã compacto City também pode ser chamado para a troca do componente. Até agora, o recall foi confirmado no Japão, na China, na Europa, em alguns mercados africanos e nos Estados Unidos – onde 26 mil unidades do híbrido CR-Z também serão convocadas por problemas na unidade de comando do motor. No Brasil, a Honda produz o Fit, o City e o médio Civic na fábrica de Sumaré (SP). Os demais modelos são importados.

No fim de janeiro de 2010, a Honda anunciou recall mundial de mais de 650 mil unidades do Fit, aparentemente por causa do mesmo problema no interruptor do vidro do motorista (leia aqui). O defeito, inclusive, provocou o incêndio que causou a morte de um bebê de dois anos que dormia no veículo, na África do sul. Em seguida, Autoesporte noticiou a chegada do recall ao Brasil, que envolveu quase 190 mil unidades do Fit.

Fonte: Auto Esporte

Flagra do Honda Brio em testes na Tailândia

Hatch será fabricado no Brasil a partir de 2013 para brigar com Gol, Uno e companhia

Eis que aparece pela primeira vez a imagem da versão definitiva do pequeno Honda Brio em testes. O carro foi flagrado na Tailândia, como mostra o site tailandês Pantip. Será o modelo mais em conta japonesa no mercado brasileiro, onde chegará em 2013 fabricado em Sumaré (SP). Entrará num segmento em que a Honda não atua no Brasil, o dos hatches populares, liderado pelo Gol e com Uno sem segundo lugar.

Conhecido pelo código Sub-GSP 2CV, o modelo é feito sobre a mesma plataforma do Fit/City. O uso de componentes em comum é mais do que justificado, já que o Brio é feito para ter preço competitivo e para isso precisa usar itens de baixo custo de fabricação.

Seguindo a filosofia da marca japonesa de fabricar os mesmos modelos em todo o mundo, o carro que será feito no Brasil deverá ser igual ao que começará a ser montado na Tailândia no mês que vem, e logo em seguida da Índia. Entre suas qualidades está o centro de gravidade baixo e o bom espaço interno, suficiente para levar cinco ocupantes.

Fonte: AutoEsporte

Honda New Fit DX – Nova versão

Opção DX já está nas lojas a partir de R$ 51.805.
Modelo tem rodas de aço e perde o MP3 Player de série.

O monovolume Honda New Fit ganha uma nova versão de entrada, a DX, que já está nas concessionárias a partir de R$ 51.805, com câmbio manual, e R$ 55.805, com transmissão automática.

A novidade traz rodas de 15 polegadas de aço e calotas e perde o rádio e os alto-falantes no pacote de série. O motor é o mesmo i-VTEC Flex 1.4 de 101 cavalos de potência que já equipa os modelos LX e LXL.

De acordo com a Honda, o New Fit encerrou 2010 com quase 41 mil unidades emplacadas e já soma mais de 90 mil unidades vendidas da segunda geração, que foi lançada no Salão do Automóvel de 2008.

Fonte: G1

 

 

 

Fotos Honda Brio NSC que poderá ser feito no Brasil

Brio começa a ser vendido na Tailândia e na Índia em 2011 por US$ 13.200.
Carrinho deve integrar a família brasileira da marca japonesa em 2013.

A Honda revelou nesta terça-feira (30) a versão de produção do Brio, o novo carro compacto mundial da marca que é inspirado no conceito NSC (New Small Car), apresentado no Salão de Nova Déli, na Índia, em janeiro deste ano.

A estreia do modelo na Índia e na Tailândia ocorre em 2011 e há especulações de que o carrinho será fabricado no Brasil a partir de 2013 para integrar a família nacional da marca japonesa no país ao lado do monovolume Fit e os sedãs Civic e City.

A fabricante diz que pretende desenvolver versão específicas de acordo com o mercado ao qual o compacto se destinar, destacando que a versão tailandesa será mais eficiente do que o modelo indiano. Esse, por sua vez, irá equilibrar melhor desempenho e preço, segundo a Honda. Por isso, é possível que a versão brasileira adote, por exemplo, um motor flex.

As informações sobre motorização ainda não foram divulgadas, mas especula-se que o Brio asiático será equipado com o propulsor 1.2 de quatro cilindros da fabricante. Os únicos dados revelados são as dimensões do modelo: 3,61 m de comprimento, 1,68 m de largura e 1,47 m de altura.

A versão tailandesa custará 400.000 bahts, o equivalente a US$ 13.200 e R$ 22.763 (sem impostos e taxas de importação). Antes de chegar às lojas, a novidade poderá ser conferida no 27 ª Salão do Automóvel da Tailândia que acontece de 1º a 12 de dezembro.

Fonte: G1

Honda prepara novo compacto para o Brasil

Projeto NSC chega em outubro de 2013

Referência no segmento de sedãs médios com o Civic e de monovolumes com o Fit, a Honda causa arrepio nos concorrentes só em cogitar lançar um compacto. Pois os concorrentes que se preparem. Segundo nossos contatos, o plano para lançar seu primeiro carro compacto produzido no Brasil está em andamento, e já tem data para ocorrer. A produção começa na metade de 2013, e o lançamento em outubro.

Quando apresentou o conceito NSC (New Small Car) no Salão de Nova Déli (Índia) no começo do ano, a Honda logo admitiu que o protótipo daria origem a um modelo compacto para os mercados indiano e tailandês. Mas o que a marca japonesa tentou omitir, nós confirmamos: sua produção na unidade de Sumaré (SP).

Conhecido pelo código Sub-GSP 2CV, o modelo tem sua origem na plataforma GSP, a mesma da dupla Fit/City. A comunhão de componentes é mais do que justificada. Ou seja, o NSC vai aproveitar uma plataforma que já estará com custos amortizados para ter preço de briga. E, seguindo a filosofia da Honda de manter sua linha atualizada em todo o mundo, o carro brasileiro tem tudo para ser muito semelhante ao que começa a ser fabricado na Tailândia em fevereiro.

De acordo com a Honda, o compacto terá centro de gravidade baixo, apesar do teto elevado. Aliás, o design definido como “Exterior Eficiente e Energético” teve como prioridade o espaço interno, que a Honda garante ser confortável para até cinco ocupantes. Além da base do Fit, o NSC vai aproveitar também o motor 1.4 16V i-VTEC flex, de 101 cv. Mas isso não descarta o uso de um motor menor na versão de entrada, uma vez que o hatch será o modelo mais barato da Honda no país. Com motor 1.4, o preço deverá partir de R$ 40 mil. Com propulsor 1.0 flex, o preço pode ficar abaixo de R$ 35 mil.

Desenhos industriais do modelo já foram patenteados na Argentina e no Brasil. A produção desse modelo, aliás, vai mudar muita coisa na estratégia de produção da Honda, já que sua primeira fábrica na Argentina será inaugurada em maio do ano que vem. Uma possibilidade é que a marca transfira para lá a linha Civic, e fique com Fit, City e o compacto em Sumaré (SP). Ou passe o City para o país vizinho (como era o plano original) e talvez também o Fit. Certo mesmo é que o New Small vem, e vai dar muito trabalho para os atuais modelos e para uma nova turma que aponta por aí.

Fonte: Revista AutoEsporte

Honda lança modelo esportivo do Fit, Jazz Si, no Reino Unido

Modelo ganha versão com rodas 16 polegadas e grade cromada.
Jazz Si quer agradar jovens e começa a ser vendido em abril.

A Honda lança no Reino Unido um novo design para o Jazz, no Brasil chamado de Fit. O novo modelo será mais esportivo e pretende ser mais atraente para jovens motoristas.

O conjunto terá rodas de 16 polegadas, grade dianteira cromada, spoilers traseiros, tapetes bordados e a marca Si na tampa do porta-malas e porta-luvas. A transmissão é apenas manual.

Os preços vão de 12.835 libras, equivalente a cerca de R$ 35 mil, para o modelo 1.2 e 13.510 libras, equivalente a cerca de R$ 36.800, para o 1.4.

O Jazz Si começará a ser vendido na Europa em 1º de abril.

Fonte G1

Superaquecimento – Honda faz recall mundial de 646 mil carros do modelo Fit

Convocação envolve também os modelos fabricados no Brasil.
Dispositivos das janelas podem sofrer superaquecimento.

A Honda anunciou nesta sexta-feira (29) o recall mundial de 646 mil veículos modelo Fit, produzidos no Brasil, Japão, China, Tailândia, Malásia e Índia, para examinar dispositivos das janelas que podem sofrer superaquecimento se expostos a líquidos. O recall acontece depois que uma criança de dois anos morreu quando o carro em que estava pegou fogo no ano passado, na Cidade do Cabo, África do Sul.

A convocação visa a substituição de um componente que pode fazer com que entre água no interruptor acionador do vidro, causando, em alguns casos, fogo. Segundo a montadora, houve três casos relatados de incêndio causado pelo problema, dois nos Estados Unidos e um na África do Sul.

Dos veículos incluídos no recall, 171.372 estão no Reino Unido, onde o modelo é conhecido como Jazz; 141.140 estão nos EUA e 229 mil na América Latina. Cerca de 10% dos carros vão exigir substituição dos dispositivos e o restante precisará apenas de um conserto do defeito.

A assessoria de imprensa da Honda do Brasil ainda não divulgou o número do chassis dos veículos envolvidos e a data de início da convocação no país.

O recall da Honda surge no momento em que a Toyota também faz um grande recall mundial por possíveis defeitos no pedal do acelerador.