Arquivo mensais:setembro 2018

Aproveite o tempo no showroom para testar o máximo de recursos e deixe para o test-drive a análise do que é essencial para quem vai ao volante

A central multimídia é cada vez mais um item que ajuda a decidir a compra. Por isso, se o modelo desejado tiver uma, não se esqueça de separar alguns minutos para testá-la.

Primeiro, descubra se a que virá no seu futuro carro é igual à que estava no veículo avaliado.

Aproveite o tempo no showroom para testar o máximo de recursos e deixe para o test-drive a análise do que é essencial para quem vai ao volante, como ajuste do som, GPS ou reflexos da tela.

Analise a qualidade do som, como memorizar estações de rádio, faça o pareamento do Bluetooth com seu próprio celular, veja onde ficam as entradas USB e se elas são iluminadas.,

Conectado ao mundo

  • Além do celular, leve o seu cabo carregador para testar usabilidade e velocidade de conexão.
  • Ligue para alguém para usar o viva-voz: verifique se você ouve tão bem quanto o outro ouve você.
  • Quando já estiver na rua, veja como o sol interfere na tela. É hora ainda de testar sensibilidade e rapidez de resposta.
  • Use os comandos de som pelo volante enquanto dirige. Essa será a condição mais usada no dia a dia.
  • Se tiver tempo, teste se o USB carrega mais rápido do que consome energia em aplicativos como Waze. Isso pode ser feito durante o test-drive.

Sedã terá duas versões Comfortline e R-Line. Mas nenhuma se iguala ao antigo 2.0 TSI

Enfim, a nova geração do Volkswagen Jetta chegou. O sedã começa a ser vendido no Brasil em outubro em duas versões: Comfortline 250 TSI, por R$ 109.990, e R-Line 250 TSI, por R$ 119.990.

Desta vez o motor é sempre 1.4 TSI de 150 cv de potência e 25,5 mkgf de torque (ou 250 Nm, de onde vem o número 250 do nome). E o câmbio é sempre automático de seis marchas.

Por enquanto, nem nos Estados Unidos, nem no México — onde é fabricado — existe uma versão à altura do antigo Jetta 2.0 TSI.

O Jetta 2019 é um exemplar da sétima geração, a primeira a usar a plataforma modular MQB, que serve de base para a maioria dos VW recém-lançados. Por conta da nova plataforma, o Jetta ficou maior.

Ele cresceu 4,3 cm no comprimento; 2,1 cm, na largura, e 1 mm, na altura. Totalizando 4,7 m de comprimento, 1,8 m de largura e 1,47 m de altura. Na distância entre-eixos o aumento foi de 3,7 cm. Agora, o sedã tem 2,69 m.

Cinco ocupantes viajam com conforto. O porta-malas manteve a capacidade em 510 litros.

Visualmente as mudanças também são radicais. O sedã abandonou o design equilibrado da sexta geração em favor de um estilo mais ousado.

Na dianteira, a grade trapezoidal remete ao sedã Arteon (que a VW comercializa na Europa). O capô ganhou um ressalto no centro. E, na lateral, os vincos foram acentuados.

A traseira também é nova, mas nasceu à imagem e semelhança do sedã compacto Virtus.

Por dentro, o parentesco do Jetta com o Virtus também é inegável. Mas as semelhanças podem ser creditadas ao que os designers chamam de family feeling ou identidade de marca.

O Jetta tem um interior mais imponente, na forma e no conteúdo. Seu painel é mais elaborado, com maior variação de níveis e mistura de materiais. Na parte superior, o revestimento é emborrachado.

Desde a versão Comfortline, o Jetta é bem equipado. Ele conta com ar-condicionado, seletor de modos de condução, faróis e luzes diurnas DRL com leds, sensor de estacionamento dianteiro e traseiro, seis airbags, bancos com revestimento que imita couro e rodas de liga-leve.

A cabine tem iluminação ambiente com a possibilidade do motorista escolher a cor que mais gosta, entre dez opções disponíveis.

No que diz respeito à conectividade, a central multimídia Discovey Media é compatível com os sistemas Apple Carplay e Android Auto, aciona ajustes do carro e de dispositivos como GPS e ainda permite o uso de dois aplicativos.

Um deles é o que permite a consulta ao Manual do Proprietário por meio de digitação ou oralmente.

O outro é o que possibilita controlar as principais funções da central por através do celular. A seleção musical da viagem pode ser controlada pelo passageiro do banco de trás, por exemplo, enquanto o motorista se ocupa da estrada.

Além de todos esses recursos de conforto, o Jetta traz também um pacote de sistemas eletrônicos de segurança.

A  lista inclui auxiliar de partidas em rampas, frenagem de emergência para manobras de ré (se o motorista desobedecer aos alertas do sistema de estacionamento, o sistema freia o carro antes de bater) e bloqueio eletrônico de diferencial (ajuda a contornar as curvas freando a roda interna à trajetória e jogando o torque para a roda externa).

A versão R-Line é ainda mais completa com o acréscimo de recursos como quadro de instrumentos digital, piloto automático adaptativo, alerta de distância do carro à frente, freio de emergência, detector de fadiga, sistema de frenagem pós-colisão (para evitar que o veículo continue em movimento após uma batida vindo a se chocar novamente com outro obstáculo) e farol alto com regulagem automática (para evitar ofuscamento).

Genesis G70 tem visual mais ousado do que o que já foi vendido no nosso mercado

A Hyundai registrou o desenho da nova geração do Genesis G70 no Brasil. Para aqueles que não se lembram, a Genesis é a marca de luxo da sul-coreana e virou divisão em 2015. Lançado no ano passado na Coréia do Sul, o sedã apareceu no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), mas ainda não há posicionamento oficial do grupo Hyundai CAOA sobre a possível importação. Vale lembrar que o Genesis chegou a ser lançado no Brasil em 2012.

Ao contrário do original, o novo Genesis G70 é um sedã menor. A sua concorrência é formada por medalhões como o Audi A4, BMW Série 3 e Mercedes-Benz Classe C, entre outros. Uma missão nada fácil.

Para conseguir estabelecer seu próprio espaço, o G70 aposta na esportividade. O modelo tem duas opções de motorização a gasolina: um 2.0 turbo de 252 cv e um V6 3.3 biturbo de 365 cv, as mesmas opções do primo Kia Stinger. O seis cilindros leva o Hyundai de zero a 100 km/h em 4,7 segundos. A tração pode ser traseira ou integral.

Somado ao desempenho, o G70 também tem o desenho agressivo como uma das suas armas. O estilo remete aos maiores Genesis G80 e G90, com direito a um capô largo e traseira curta. O desenho foi assinado pelo próprio Peter Schreyer, chefe de estilo do grupo Hyundai e também responsável pelas linhas finais do Stinger.

Por dentro, muito luxo. Há couro de verdade sobre o painel e portas, com opções de cores claras. Além dos revestimentos premium, o Hyundai conta com tela multimídia de oito polegadas, sistema de som com 15 alto-falantes e controle de cruzeiro adaptativo.

 

Boletins emitidos pela Land Rover só amenizam os problemas

Uma falha recorrente no câmbio do Evoque e do Discovery Sport tem tirado o sono dos proprietários de modelos da Land Rover. E não é pouca gente: uma busca rápida no site Reclame Aqui revelou 16 donos de Evoque e 14 de Discovery Sport, que reclamam de marchas que travam e perda de potência.

Entre eles, está o médico George Rocha Ferreira, de Recife (PE), que durante uma viagem viu o painel mostrar uma mensagem de avaria seguida pela falta de potência.

“Logo após o aviso, o carro perdeu velocidade e retomou, mas dessa vez o câmbio parecia travado em terceira ou quarta marcha”, diz o proprietário de um Discovery Sport HSE 2015. Na concessionária, soube que aquele já era o terceiro caso que ela recebia e que deveria trocar o câmbio. “Fiquei mais de 20 dias aguardando a nova caixa.”

Ficar com o veículo parado quando a caixa deixa de funcionar é normal, como relata o procurador Jorge Salomão dos Santos, de Salvador (BA).

“Um dia surgiu o alerta de avaria e o câmbio parou de responder, como se estivesse no Neutro, e o carro parou no meio da pista”, conta Jorge, que levou seu Evoque 2015 à concessionária cinco vezes, sem resolver o defeito.

Tivemos acesso aos boletins LTB 00986/2016 e LTB 0101610/2017 e à ação de serviço Q655, que alertam para falhas de funcionamento no câmbio usado no Evoque modelos 2015 e 2016 e Discovery Sport 2016.

César Sanches, proprietário da Automatik, oficina paulistana especialista em transmissões automáticas, explica que realmente existem falhas na parte elétrica desses câmbios, especialmente em chicote e conectores.

“A montadora deveria fazer uma atualização do software para que, caso a falha apareça, o sistema seja protegido. Dessa forma, a transmissão ficaria em uma marcha intermediária e não em Neutro, como vem ocorrendo em muitos casos. Assim, o proprietário poderia utilizar o veículo mesmo com alguma limitação.”

Consultada sobre o caso, a Land Rover do Brasil disse que a ação de serviço Q655 é a resposta da montadora ao boletim técnico LTB00986 e que o boletim LTB 01016 é uma simples atualização de software.

O povo reclama

“Em uma viagem, o carro apresentou a mensagem de avaria no câmbio e perdeu potência. A autorizada disse que era o terceiro caso que atendia.” George Ferreira, Recife (PE), dono de um Discovery Sport HSE 2015.

“Meu carro deixou de responder às acelerações em uma avenida movimentada, como se estivesse no Neutro. Eu tentava selecionar o D, mas o câmbio não respondia, embora o motor estivesse funcionando.” Jorge Salomão dos Santos, de Salvador (BA), proprietário de um Range Rover Evoque 2015

A empresa anunciou recurso que utiliza diversos sensores do aparelho celular para detectar movimentos incomuns durante corridas

Exatamente um ano depois de Dara Khosrowshahi assumir o controle da Uber, a empresa de compartilhamento de caronas anunciou que, em breve, introduzirá em seu sistema uma série de melhorias no que diz respeito à segurança de motoristas e passageiros. Para isso, serão utilizados mais recursos dos smartphones dos próprios passageiros.

Depois de enfrentar escândalos envolvendo acidentes com seus carros autônomos e com o vazamento de dados dos usuários cadastrados, a empresa anunciou a criação do recurso “Ride Check” (ou “checagem de corrida”, em tradução literal). De acordo com o site The Verge, ele usa as funções de GPS, acelerômetro, giroscópio e outros sensores já inclusos nos aparelhos para identificar se o motorista está passou por um acidente ou por apuros.

O sistema detectará, por exemplo, quando o celular do condutor desacelerar repentinamente durante uma corrida. Ou, então, se seu celular está girando bruscamente, por algum motivo. Caso as falhas sejam detectadas, o aplicativo enviará uma mensagem automática ao telefone do piloto com uma série de perguntas. Se for constatado um acidente, o telefone do motorista acionará o 911, responsável por atender emergências nos Estados Unidos. A equipe da própria Uber também entrará em contato com o motorista para esclarecer o que houve.

O recurso não requer novas permissões do aparelho pois é acionado pelos sensores no smartphone do motorista, e não pelo dono do celular. A função estará disponível para os motoristas por eles utilizarem o aplicativo aberto em seu smartphone com maior frequência do que os passageiros, que normalmente o deixam em segundo plano durante as viagens.

O Ride Check também é acionado se o veículo parar por um período de tempo prolongado ou incomum durante uma corrida ativa. Os passageiros receberão uma notificação perguntando se tudo está certo e, com base na resposta deles, o sistema apresentará uma série de opções, incluindo a possibilidade de ligar para a emergência americana.

“Quero que o Uber seja a plataforma de transporte mais segura do planeta”, disse Khosrowshahi em um evento em Manhattan (EUA), nesta quarta-feira (5).

Outra novidade é que a partir de agora o aplicativo começará a esconder os endereços de início e fim de cada trajeto, terminada a viagem, para preservar a segurança dos passageiros. A ideia é que quando o motorista acessar seu histórico de corridas, verá apenas a região aproximada em que cada percurso começou e terminou, mas não mais o endereço exato.

E como ficará no Brasil?

As novidades anunciadas pela Uver ainda não têm previsão de chegar aos aplicativos instalados nos celulares dos brasileiros. Apesar disso, a empresa anunciou que irá investir R$ 250 milhões nos próximos cinco anos para inaugurar no Brasil o primeiro centro de desenvolvimento tecnológico da empresa na América Latina.

O local será aberto em São Paulo até o final de 2018 e promete reunir cerca de 150 especialistas em tecnologia, segurança e mobilidade para desenvolver novos recursos para o aplicativo da empresa. Essas novidades poderão ser usadas também por usuários em outros países.